Desta vez foi para valer: o governo federal acabou com a isenção do IPI para os veículos depois de nove meses de benefício. E se a corrida às concessionárias já havia ocorrido em março e junho, quando tivemos apenas ameaças de aumentos, em setembro ela tomou proporções nunca antes vista. Foram nada menos que 19,8% de aumento nas vendas em relação a agosto.

Como revelamos ontem, a quarta-feira 30 de setembro entra para história como o dia em que mais se venderam carros no país – 26 059 unidades, uma média de um carro a cada três segundos. E os responsáveis por esse súbito aumento não foram Fiat e Volkswagen, as líderes do mercado. Elas contribuíram, é claro, mas com apenas 31% desse crescimento.

Chevrolet e Ford, além de montadoras novas como Honda, Peugeot, Toyota e Hyundai, responderam pela maior parte desse impulso extra de vendas. A Peugeot, aliás, se recuperou no mês após agosto ter sido bem fraco – a marca francesa teve crescimento de 56% nesse período. Em compensação, a VW foi a que menos aproveitou o último mês do IPI: foram apenas 12% a mais de vendas.

O ano vai se encaminhando para um final previsível: a Fiat deve confirmar sua liderança mais uma vez, com a Volks e a Chevrolet na sequencia. A Ford cotinua isolada no 4º posto e a Honda tem tudo para manter a 5ª posição – a chegada do sedã City a fez atingir mais de 13 mil emplacamentos, seu recorde particular.

Briga boa promete o 3º pelotão. Peugeut, Toyota e Citroën ganharam a incômoda companhia da Hyundai, que já beira 8 mil unidades mensais. Entre as importadoras, vale destacar a BMW. A marca de luxo alemã vive seu melhor momento no país: foram nada menos que 568 carros vendidos em setembro, sobretudo dos modelos Série 1 e Série 3, o que a deixa acima da rival Mercedes-Benz.

Ranking das marcas mais vendidas em setembro
Marcas mais vendidas em 2009

Ricardo Meier

Publisher do AUTOO, é o criador do site e tem interesse especial pelo sobe e desce do mercado, analisando os números de vendas de automóveis todos os meses

Ricardo Meier | http://www.jcceditorial.com.br/