Derivado da segunda geração do Passat, o Santana foi rebatizado no Brasil em 1984 ao ser lançado aqui. Isso porque a Volkswagen não queria atrapalhar as vendas do primeiro Passat, um notchback (mistura de hatch e sedã) que tinha um caráter mais esportivo.

Enquanto isso, o Santana chegava com cara de carro executivo, para brigar com o Monza, da Chevrolet. Ao mesmo tempo, os chineses começavam a produzir o modelo lá também em esquema de CKD (pré-montagem). A diferença é que na China foram produzidos mais de 3 milhões de Santanas, uma marca que o exemplar nacional passou muito longe.

Assim mesmo, nosso Santana chegou até 2006, quando foi aposentado após passar seus últimos anos como veículo preferido de taxistas. Agora chegou a vez de o Santana chinês parar. A Shangai Volkswagen, subsidiária local, anunciou que o modelo não passa de 2012.

Agora, os chineses estão mais exigentes e preferem o Jetta ao bom e velho sedã da década de 1980.

Ricardo Meier

Publisher do AUTOO, é o criador do site e tem interesse especial pelo sobe e desce do mercado, analisando os números de vendas de automóveis todos os meses

Ricardo Meier | http://www.jcceditorial.com.br/