Abeifa espera alta de 22% nas vendas de carros importados no Brasil em 2020

Associação explica as razões pelas quais emite uma projeção bem otimista para o ano
Suzuki Jimny Sierra 2020

Suzuki Jimny Sierra 2020 | Imagem: Divulgação

A Abeifa (Associação Brasileira das Empresas Importadoras e Fabricantes de Veículos Automotores) divulgou nesta quarta-feira (8) seu balanço relativo ao ano passado e as perspectivas para 2020.

De acordo com a entidade, o ano passado registrou uma queda no volume de vendas na comparação com 2018 da ordem de 7,9%, com 34.597 unidades emplacadas no país em 2019. Em 2018, as quinze marcas filiadas à Abeifa registraram 37.582 carros importados vendidos no Brasil.

A totalização anualizada de automóveis e comerciais leves importados ficou abaixo da previsão da entidade que havia sinalizado inicialmente 50 mil unidades para 2019 e depois revista para 40 mil unidades. "Infelizmente, terminamos o ano com quase 8% abaixo dos números de 2018. No segundo ano sem os 30 pontos percentuais adicionais no IPI, do Programa Inovar-Auto, vislumbrávamos obter uma recuperação mais sólida, mais consistente. Mas, desta vez, a persistente alta do dólar inibiu os nossos negócios, em especial no segundo semestre do ano passado”, explica José Luiz Gandini, presidente da Abeifa, em comunicado.

Ao considerar somente o mês de dezembro último, contudo, as quatro associadas da Abeifa que contam com produção local (BMW, CAOA Chery, Land Rover e Suzuki) emplacaram 3.584 unidades nacionais, número 13,9% superior às 3.148 unidades de novembro e 47,1% mais que as 2.436 unidades de dezembro de 2018. As marcas em questão fecharam o ano com 33.090 unidades emplacadas, total que representou alta de 39,6% em relação a 2018, quando totalizaram 23.699 unidades.

Para 2020, de acordo com Gandini, a Abeifa estima emplacar, entre importados e produção nacional, 90 mil unidades, crescimento de 33% sobre os dados de emplacamentos de 2019. “Em princípio, nossa primeira projeção pode parecer otimista demais, diante das estimativas já anunciadas pela indústria e pelo setor de distribuição, na casa de 10%. Em nosso caso, porém, o porcentual de crescimento é maior por conta da demanda reprimida de 2019, ano em que o dólar flutuou na média mais próximo aos R$ 4,00”, detalha Gandini. 

Isolando apenas os carros importados, a expectativa é atingir 42,5 mil unidades emplacadas em 2020, 22% a mais em relação ao ano passado, considerando o atual câmbio de R$ 4,00. Mas, se o dólar cair para R$ 3,80, como se espera, a previsão pode chegar a 45 mil unidades, detalha a Abeifa. Segundo comunicado da entidade, as associadas também estão mais otimistas diante da possibilidade de retomada econômica. A expectativa da produção nacional das associadas à entidade é de alcançar 48 mil unidades, 47% a mais ante 2019. 

Vale ressaltar que, no acumulado de 2019, o total de 34.597 unidades importadas representou apenas 1,3% do mercado interno de 2.659.278 automóveis e comerciais leves. Se considerado o total de veículos importados, ou seja aqueles trazidos também pelas montadoras, as associadas à Abeifa responderam, em dezembro, por 11,75% (3.380 unidades, do total de 28.756 unidades importadas) e, no acumulado, 12,01% (34.597 unidades, do total de 288.103 veículos importados).

CAOA Chery Tiggo 7 2019
CAOA Chery: uma das marcas que integra a Abeifa 
Imagem: Divulgação

Assine a newsletter semanal do AUTOO!