Que o vegetarianismo e o veganismo são práticas de alimentação cada vez mais comuns entre grande parte da população é um fato inegável. Mas esse estilo de vida animal-free, como é chamado no exterior, aos poucos também vai chegando ao mundo das quatro rodas.

Cada vez mais as fabricantes que operam em escala global trabalham em soluções que evitem o uso de animais em seus automóveis, sintonizando, com isso, seus produtos com as novas tendências dos consumidores.

Essa prática já é observada há um certo tempo no que diz respeito a substituição cada vez maior do couro natural para o revestimento de bancos e demais partes internas, trocando-o por fibras ou compostos sintéticos que entregam visual e sensação tátil semelhantes com as do couro convencional.

Um bom exemplo da tendência animal-free, que olha não só para a preservação dos animais como também para a saúde de nosso planeta, pode ser visto no conceito Audi e-tron GT. A cabine do estiloso cupê 4 portas é totalmente vegan, ou seja, nenhum produto de origem animal é encontrado ali.

O revestimento premium que simula couro não conta com nenhuma presença de pele animal em sua composição, seja para os bancos esportivos ou demais peças de acabamento. Um detalhe muito interessante do protótipo da Audi é que o revestimento acarpetado para o piso da cabine conta com fios obtidos por meio da reciclagem de redes de pesca.

A norte-americana Tesla, famosa por sua linha de carros com propulsão completamente elétrica, conta com assentos veganos desde 2017. O volante dos modelos Model 3 e Model Y, hoje revestidos de couro, vão utilizar material sintético em breve.

Na sueca Volvo, por sua vez, sua divisão esportiva Polestar anunciou que seu segundo modelo, o crossover Polestar 2, terá uma cabine completamente livre de materiais com compostos de origem animal. “Nós projetamos um interior padrão vegan com tecidos avançados, que terão seu apelo junto ao público de pensamento vanguardista que deverá assinar o Polestar 2”, declarou Maximilian Missoni, chefe de design da Polestar, na época em que o modelo foi revelado. O Polestar 2 terá um interessante sistema de comercialização em que seu futuro dono vai pagar uma taxa mensal pelo uso do automóvel. Dessa forma, não será necessário adquirir o modelo como uma compra convencional. Em seu esquema de comercialização, a Polestar promoverá uma assinatura com custo fixo do automóvel, semelhante ao que encontramos hoje em jornais, revistas e serviços de streaming como Netflix.

Vale a pena destacar que, aqui no Brasil, muitas marcas também apostam na substituição do couro tradicional no habitáculo de seus carros, adotando materiais de origem sintética que, inclusive, são mais acessíveis. Além disso, ótimas práticas são registradas pela indústria local, como é o caso da Ford, que recicla 470 garrafas PET a cada EcoSport produzido, utilizando o material oriundo do plástico em tapetes e carpetes para o SUV compacto. 

 
César Tizo

O "Guru dos Carros", César Tizo se juntou ao time este ano e está à frente dos portais AUTOO e MOTOO. É o expert em aconselhar a compra de automóveis

César Tizo | http://www.jcceditorial.com.br/