A discussão é antiga e, nos últimos anos, até ganhou força com a criação de entidades como a Aprove Diesel, que procurava difundir as vantagens de motores movidos pelo combustível. Agora a possibilidade de oferecer carros de passeio a diesel no Brasil ganha mais um capítulo com o projeto de lei 3029/2011, de autoria do deputado Aguinaldo Ribeiro (PP/PB).

Segundo o projeto, a ideia é liberar veículos de passeio e de carga de pequeno porte, produzidos no Brasil ou importados, mas desde que utilizando o Biodiesel puro (B100).

“Já tendo sido pioneiro no uso, em larga escala, de um combustível automotivo proveniente de fonte renovável, o álcool etílico, o Brasil pode agora, também, dar outro grande exemplo de cuidado com a preservação ambiental, ao autorizar o uso, em larga escala, de veículos de passeio, e também de veículos de carga de pequeno porte movidos exclusivamente a biodiesel que, como já está bem estabelecido, reduz consideravelmente a emissão de gás carbônico e de poluentes particulados, em valores que podem chegar a até oitenta por cento, em relação aos veículos movidos exclusivamente a óleo diesel”, explica o texto do PL 3029/2011.

“Ademais, cabe salientar que, em razão de suas peculiaridades de clima e solos agricultáveis, o Brasil pode transformar-se num imenso produtor de uma enorme variedade de vegetais que possam servir como matéria-prima para a produção do biodiesel”, complementa o texto.

O PL 3029/2011 contou com um parecer favorável para sua aprovação emitido pelo relator, o Deputado Mário Negromonte Jr. (PP-BA), e foi pautado na reunião deliberativa ordinária da Comissão de Minas e Energia da Câmara dos Deputados no último dia 5, porém o requerimento para discussão do projeto foi retirado de pauta a pedido do Deputado Coronel Armando. Segundo o parlamentar que fez o requerimento, o assunto ainda precisa ser mais debatido pelo novo Governo e também analisado em profundidade pela Petrobras e demais técnicos.

Críticos da medida alegam que que atualmente não há biodiesel puro (B100) nas bombas, o que pressupõe a instalação de novos sistemas nos postos dedicados ao B100 para que o projeto seja efetivamente cumprido na prática. E quando (e se) isso acontecer, não há garantias de que o consumidor efetivamente abastecerá com biodiesel puro, porque os motores que queimam B100 são motores diesel. Além disso, seria quase que impossível fiscalizar se as dezenas de milhares postos de combustível do país estarão vendendo somente biodiesel ou diesel fóssil para estes veículos.

Mas fica a pergunta: será que ainda é válido discutirmos a liberação de carros de passeio a diesel no Brasil?

Como é possível notar em alguns países, notadamente os europeus, os carros movidos a diesel perderam grande parte de seu apelo em especial após o “dieselgate”, escândalo protagonizado pelo grupo Volkswagen em que alguns de seus modelos poluíam mais do que o permitido e mascaravam esses resultados por meio de um software no sistema de injeção.

Com isso e a nova orientação da industria automotiva global focando em veículos eletrificados (híbridos e elétricos), muitas cidades e grandes capitais europeias já deixaram claros seus planos para banir de suas ruas e avenidas automóveis movidos a diesel.

Os motores a diesel são mais caros que os propulsores flex ou gasolina atuais, porém contam com um projeto mais robusto e chegam a ser até 35% mais eficientes que os motores a gasolina em alguns casos, com consumo que pode facilmente superar a marca de 20 km/l. Apesar de emitirem menos gás carbônico, o grande problema dos veículos movidos a diesel é que eles liberam no ambiente óxidos de nitrogênio em concentração muito alta, além de material particulado fino, material que penetra mais fácil no organismo, causando várias doenças. Durante a greve dos caminhoneiros em 2018, por exemplo, pesquisa apontou uma queda de até 78% na poluição como uma das consequências da imobilidade veicular.

No Brasil, os carros de passeio a diesel estão proibidos desde 1976. A legislação vigente, contudo, permite algumas brechas. Se o veículo oferecer capacidade de carga, com motorista e passageiro, superior a uma tonelada, ele pode receber o propulsor em questão. O mesmo ocorre com aqueles que contem com tração 4x4 e reduzida.

Vale a pena lembrar que já corre no Senado uma proposta para proibir carros novos com motores a combustão no Brasil a partir de 2060. Se a medida efetivamente avançar nos próximos anos, dificilmente alguma marca estaria disposta a arcar com os custos para lançar carros de passeio a diesel por aqui em especial sabendo que o segmento teria um prazo de duração determinado.

E você, é a favor ou contra a liberação de carros de passeio a diesel no Brasil? Acha a medida interessante?

César Tizo

O "Guru dos Carros", César Tizo se juntou ao time este ano e está à frente dos portais AUTOO e MOTOO. É o expert em aconselhar a compra de automóveis

César Tizo | http://www.jcceditorial.com.br/