Tipo de transporte que responde por 60% das movimentações de cargas e 90% dos deslocamentos de passageiros, o transporte terrestre ainda carece de muito investimento, segundo revela o Anuário CNT do Transporte revelado nesta segunda-feira (30).

A profunda pesquisa realizada pela Confederação Nacional do Transporte (CNT) revela que ao longo dos últimos 15 anos a malha rodoviária do país cresceu 23,2%, uma média de apenas 1,5% ao ano. De acordo com o relatório, o Brasil contava com 170,9 mil quilômetros de estradas pavimentadas, número que subiu para 210,6 mil em 2015.

O Estado de Minas Gerais é que tem a maior parte das vias pavimentadas, com 25.823,9 km, seguido por São Paulo (24.976,6 km), Paraná (19.574,1 km), Bahia (15.910,7 km) e Goiás (12.760,6 km). Já aqueles que têm menor malha pavimentada são Amazonas (2.157,0 km), Acre (1.498,2 km), Roraima (1.462,8 km), Distrito Federal (908,0 km) e Amapá (528,1 km).

Além de deficiente para suprir as necessidades do país, a malha rodoviária ainda encontra-se em péssimas condições. Outra pesquisa também realizada pela CNT em 2015 revela que 48,6% do pavimento da extensão avaliada em algumas rodovias do país mostrava-se regular, ruim ou péssimo. Se levadas em conta as condições gerais das estradas, incluindo sinalização e geometria da via, o número atinge 57,3% das vias com problema.

Outro dado interessante do Anuário CNT do Transporte é a constatação de que o Brasil foi o responsável pela fabricação de 83,6% dos veículos comercializados no Mercosul em 2014, o que equivale a cerca de 3,1 milhões de unidades. A vizinha Argentina, por sua vez, foi a responsável por outros 16,4% da produção. O México segue na liderança da América Latina, com uma produção de 3,4 milhões de veículos no ano em questão.

Conheça os carros mais vendidos do Brasil nos últimos 10 anos

César Tizo

O "Guru dos Carros", César Tizo se juntou ao time este ano e está à frente dos portais AUTOO e MOTOO. É o expert em aconselhar a compra de automóveis

César Tizo | http://www.jcceditorial.com.br/