Europa determina que carros ecológicos façam barulho

Medida de segurança prevê que a partir de 2019, novos veículos elétricos e híbridos devem produzir ruído para minimizar acidentes com pedestres

e-Golf é a versão elétrica do principal hatch da Volks. | Imagem: Divulgação

Novos carros elétricos e híbridos que forem comercializados na Europa deverão emitir algum tipo de ruído a partir de 2019. A determinação partiu da Comissão Europeia, que alega que a medida de segurança deve minimizar o número de acidentes envolvendo pedestres, especialmente os cegos. Em baixa velocidade, apenas a rodagem dos pneus não emite ruído suficiente para que um pedestre cego perceba sua proximidade.

Com a nova medida, modelos como o e-Up, da Volkswagen, em que o som artificial atualmente opcional, terá que oferecer o sistema como padrão em toda a Europa. Já a Renault oferece o Zoe EV  equipado com um gerador de ruídos. No entanto, o Twizy atualmente não sai de fábrica com o sistema de emissão sonora.

A japonesa Nissan já disponibilizava o Leaf com sons artificiais,  em resposta à preocupação pública sobre o silêncio dos veículos elétricos e híbridos, diz a marca. Porém, seu sistema funciona apenas em velocidades abaixo de 40 km/h e pode ser desligado pelo condutor, algo que não será permitido sob as novas regras.

A alemã Audi também desenvolveu um som sintético especial para os carros elétricos da linha e-tron. Batizado de e-Sound Audi, o recurso foi desenvolvido com a ajuda de um software especial e o som é regenerado a cada milésimo de segundo, pelo próprio carro.

Leis semelhantes já existem nos Estados Unidos, onde todos os veículos elétricos devem emitir um ruído em velocidades abaixo de 18 km/h.