Mais uma lufada de esperança para os importadores prejudicados com a alta do IPI, anunciada há duas semanas pelo governo federal. O Ministério da Fazenda decretou que veículos importados do Uruguai não vão incorporar a nova alíquota (que pode chegar a 55%), embora não tenham 65% de suas peças produzidas dentro do Mercosul – e sim importadas de China e Coréia do Sul.

Com a decisão, que deve entrar em vigor dentro de 15 dias, Chery e Kia serão beneficiadas. A chinesa monta no país vizinho, com peças trazidas da China no esquema CKD (Completely Knock-Down), o Tiggo, vendido no Brasil por R$ 52.990, enquanto a coreana monta o caminhão Bongo. Já a Lifan, por meio da Effa Motors, monta no Uruguai os modelos 320 e 620. Recentemente, a empresa suspendeu as atividades de sua linha de montagem, alegando estoque elevado. Com a nova decisão do governo, a montadora pretende voltar ao normal antes do que planejava – aguarda, apenas, a regulamentação do novo acordo.

Rodrigo Mora

|