Novo Honda City faz Toyota mudar de estratégia na Índia

Marca vai apostar em substituto do Yaris Sedã com proposta mais interessante
Acima o Maruti Ciaz, base para o novo Toyota Belta indiano

Acima o Maruti Ciaz, base para o novo Toyota Belta indiano | Imagem: Divulgação

Estamos falando de um país distante, mas considerando as semelhanças econômicas entre Brasil e Índia, ambos mercados emergentes, é sempre bom ficarmos de olho nas estratégias que as fabricantes adotam para o país asiático.

Uma movimentação que ganha força na potência oriental é a possível troca que a Toyota vai realizar na Índia para o seu rival do Honda City.

Segundo apurações da imprensa especializada indiana, o Toyota Yaris Sedã deverá ser descontinuado por lá para abrir espaço para o Toyota Belta. O três volumes, na verdade, nada mais é do que um Maruti Ciaz vendido na Índia que passará a ser oferecido também pela Toyota (com todas as modificações que a fabricante julgar necessárias, obviamente).

Ao menos na Índia, a Toyota e a Suzuki (Maruti Suzuki por lá) contam com um amplo acordo de colaboração, por esse motivo o compartilhamento de modelos é comum entre as duas empresas.

Na Índia, o Toyota Yaris Sedã dificilmente consegue superar a marca de mil emplacamentos ao mês, portanto uma participação extremamente reduzida considerando o potencial do país.

Aqui no Brasil, o Yaris Sedã até que conta com uma aceitação relativamente boa, somando 5.146 emplacamentos de janeiro até abril deste ano. É um volume distante do total de 23.986 unidades do Chevrolet Onix Plus que chegaram às ruas no mesmo período, mas o Toyota ainda consegue ficar na frente do Nissan Versa (4.142 emplacamentos), Fiat Cronos (2.879) e Honda City (2.304).

A grande questão é que a movimentação da Toyota no mercado indiano surge da necessidade de oferecer um produto mais competitivo após a estreia da nova geração do Honda City. De acordo com a imprensa indiana, o Belta é um modelo de maior valor agregado em relação ao Yaris Sedã, com mais condições de enfrentar o rival em especial levando em conta as profundas evoluções que o City passou a entregar em sua nova geração.

Além de uma cabine ampla e com bom espaço interno, uma preferência entre o público de países emergentes, o Honda City avançou consideravelmente no que diz respeito ao nível de acababamento, eficiência e tecnologia.

Recebendo o mesmo motor 1.5 presente no Civic Touring, mas sem turbo e preservando a injeção direta (capaz de entregar 121 cv e 14,8 kgfm de torque), o Honda traz até um novo sistema de telemática da fabricante (Honda Connect), o qual permite controlar algumas funções do carro de forma remota pelo smartphone.

Com isso, o Toyota Belta pode se mostrar uma alternativa mais competitiva em relação ao novo Honda City, superando tudo o que o Yaris Sedã atual é capaz de entregar.

Vale destacar que a nova geração do Honda City está prevista para o Brasil, estreando por aqui no fim deste ano.

A evolução para o modelo é vital, uma vez que hoje o três volumes da Honda sequer oferece os controles de tração e estabilidade, uma das razões para explicar seu volume de vendas tão baixo no Brasil hoje em dia. Com a renovação completa do produto, certamente o Honda City ganhará um apelo muito maior por aqui. A Honda, inclusive, já confirmou que planeja incrementar o nível de seus carros vendido por aqui com a introdução do pacote Honda Sensing de assistentes de condução ao longo dos próximos anos. Vamos ver se tudo isso será motivo suficiente para a Toyota alterar algo em sua estratégia também em nosso mercado.

Acima o Maruti Ciaz, base para o novo Toyota Belta indiano
Acima o Maruti Ciaz, base para o novo Toyota Belta indiano
Imagem: Divulgação