Um recurso que pode prevenir “milhares de batidas por ano”, segundo a NHTSA, agência que regulamenta o setor viário nos EUA, os sistemas de frenagem de emergência deverão se tornar um item de série nos carros produzidos na terra do Tio Sam a partir de 2022.

A NHTSA anunciou que estabeleceu um acordo com as 10 principais fabricantes instaladas no país, que representam juntas 99% do mercado, para incorporar o recurso em seus carros. Além das três principais fabricantes norte-americanas (GM, Ford e Chrysler), também compõem o acordo a Honda, Fiat, Toyota, dentre outras.

Segundo pesquisa do Insurance Institute for Highway Safety, o sistema de frenagem de emergência poderia ter evitado mais de 20% das colisões registradas nos EUA. Considerando que 5 milhões de acidentes do tipo foram contabilidados no país, a redução significa prevenir 1 milhão de ocorrências.

Vale destacar que os sistemas de frenagem de emergência mais modernos podem tanto acionar os freios quando o motorista não realiza a manobra ou até mesmo aumentar a potência da frenagem caso o condutor não aplique a pressão correspondente com a necessidade. A tecnologia conta com uma série de radares e câmeras para operar e atualmente é oferecida em grande parte em modelos de luxo.

Vamos torcer para que o movimento iniciado nos EUA também se espalhe para os demais mercados ao redor do mundo. Sem dúvida seria uma excelente iniciativa.

Conheça os carros mais vendidos do Brasil nos últimos 10 anos

César Tizo

O "Guru dos Carros", César Tizo se juntou ao time este ano e está à frente dos portais AUTOO e MOTOO. É o expert em aconselhar a compra de automóveis

César Tizo | http://www.jcceditorial.com.br/