Difícil imaginar que o Classe E, da Mercedes-Benz, seja o sedã preferido dos taxistas alemães e de outros países europeus. Mas é verdade. Confortável, potente e espaçoso, o modelo faz bem o papel que no Brasil é trabalho de Astra, Logan e do velho Santana.

Mas, ao contrário daqui, na Europa isso não é demérito algum e você pode ver um Classe E táxi ao lado de um Classe E executivo sem problemas. Até mesmo um E 63 AMG...esse, contudo, não merece receber um taxímetro. A nova criação da unidade de veículos esportivos da Mercedes-Benz acaba de ser apresentada.

Baseado na nova geração do Classe E, revelada este ano, o E 63 AMG recebeu um novo motor V8 com nada menos que 525 cv de potência e 64,2 kgfm de torque. Nem mesmo o elevado peso do sedã impediu que a aceleração de 0 a 100 km/h fosse feita em apenas 4,5 segundos, equiparada a de muitos esportivos puros – a velocidade máxima é limitada eletronicamente a 250 km/h.

Transmissão inteligente

Mas o novo AMG não vive só de motor. O excelente câmbio de 7 marchas Speedshift dá sua contribuição com trocas velozes e quatro níveis de programação: C, de eficiência controlada, S, de esporte, S+, de esporte plus, e M, de manual. Além disso, a suspensão também possui padrões de ajuste de conforto a esportiva.

Como já anda virando tradição, o novo E 63 AMG é mais econômico que seus antecessores. São 12% a menos de consumo, em média, graças à novos equipamentos de controle do uso do combustível.

Visualmente, o E 63 AMG se diferencia da versão comum pelos para-choques mais altos e pronunciados, que incorporam lâmpadas de leds, além das imensas rodas aro 19 polegadas com pneus 255/35.

Apesar de ter sido mostrado agora, o novo Classe E só será vendido na Europa em agosto, ou seja, só chegará ao Brasil em quantidades modestas em 2010, na melhor das hipóteses.

Conheça os carros mais vendidos do Brasil nos últimos 10 anos

Ricardo Meier

Publisher do AUTOO, é o criador do site e tem interesse especial pelo sobe e desce do mercado, analisando os números de vendas de automóveis todos os meses

Ricardo Meier | http://www.jcceditorial.com.br/