Os 100 anos de picapes Chevrolet no mundo

Conheça um pouco da trajetória das picapes da marca Chevrolet a redor do mundo e no Brasil
Acima uma ilustração da Chevrolet One-Ton de 1918, o início das picapes da marca

Acima uma ilustração da Chevrolet One-Ton de 1918, o início das picapes da marca | Imagem: Divulgação

A Chevrolet lançou nesta semana a série especial S10 100 Years para comemorar o centenário de sua produção de picapes ao redor do mundo, modelo tipicamente norte-americano e que tem muita tradição também entre conterrâneas como a Ford e a Chrysler, atualmente com a marca RAM.

Segundo a GM, a gigante norte-americana já produziu mais de 85 milhões de picapes ao redor do mundo desde 1918, quando introduziu nos EUA a One-Ton, um modelo muito rústico que surgiu como um veículo de carga para transportar peças nas próprias fábricas da GM.

Durante a apresentação da S10 100 Years, a GM contou com o apoio de uma série de colecionadores que levaram algumas picapes clássicas da marca até o campo de provas da marca em Indaiatuba (SP), onde produzimos o vídeo abaixo. Infelizmente a qualidade não ficou muito boa, porém vale pela oportunidade de conhecer alguns modelos em detalhes:

A GM também preparou uma interessante linha do tempo sobre sua linha de picapes no Brasil e no mundo, que compartilhamos abaixo:

1918 One-Ton: A primeira picape de produção comercial da Chevrolet foi inspirada em veículos utilizados nas fábricas da marca para mover peças de um lugar para outro. Em termos mais simples, esse é um exemplo do princípio “a forma segue a função”. Era um chassi rolante com cabine aberta, motor de quatro cilindros em linha e uma estrutura que permitia aos clientes instalarem a carroceria que melhor se encaixava a suas necessidades, e não passava dos 40 km/h. Um elemento de design marcante é o emblema da gravata borboleta na cor azul escura, quase preta, com proporções e tipo de fonte que remetiam à sofisticação da época, visual muito próximo ao do logo adotado na série comemorativa de 100 anos.

1929 Series AC: O modelo foi a primeira picape da Chevrolet projetada com cabine fechada, dando origem a um conceito que se mantém até hoje, visando a maior proteção e comodidade dos passageiros. É também nessa época que as picapes começam a ganhar mais elementos estéticos, como a possibilidade de diferentes combinações de cores para a carroceria. Tinha motor V6 econômico para a época.

1938 Half-Ton: A primeira picape projetada no então recém-inaugurado Centro de Design de Harley Earl, o primeiro executivo de design da GM. A partir deste ano, observa-se que as picapes começam a ganhar identidade própria para diferenciar-se dos automóveis de passeio. As proporções realmente evoluíram, criando uma picape mais baixa e mais longa com uma grade estilizada e para-lamas elegantes e alongados.

1947 Série 3100: Referência mundial quando o assunto é picapes vintage, foi lançada com “design avançado” porque era maior, mais forte e sofisticada. A grade horizontal de cinco barras substituía os modelos verticais do passado e acabou se transformando numa espécie de assinatura das picapes Chevrolet a partir de então. Os para-lamas passavam a ser mais integrados à carroceria, e os faróis deslocados para as extremidades do veículo, o que o fazia parecer mais “parrudo”. O resultado foi um visual charmoso e com ótimas proporções. No Brasil, inaugurou a categoria “picape leve” e era usada inclusive como carro de passeio, uma tendência até os dias de hoje. Anos depois, começou a ser produzido em São Caetano do Sul com design e sobrenome exclusivos, a 3100 Brasil.

1955 Série 3124: Devido à sua beleza, o modelo Task Force ficou conhecido por aqui como “Marta Rocha”, a Miss Brasil de 1954 e eleita uma das mulheres mais bonitas do mundo no ano seguinte. Foi a primeira picape Chevrolet a adotar o estilo Fleetside - a linha de cintura da caçamba alinhava-se à da cabine e à dos para-lamas, compondo um formato completo e elegante da dianteira à traseira. Também foi a primeira picape da marca a utilizar-se do recurso da reestilização ao longo dos anos para manter-se atualizada e competitiva comercialmente.

1967 C10: O design esguio, marcado pelas linhas retas da carroceria, remetia ao estilo mais moderno e funcional para melhor aproveitamento do espaço na caçamba e na cabine. Trazia para-brisa panorâmico, com melhor visibilidade. A lateral da carroceria tinha uma linha que seguia em direção à traseira. A barra na grade dianteira conectava o centro do farol com a gravata borboleta —elemento consistente até hoje. Neste período a pintura metálica foi introduzida, permitindo destacar vincos da carroceria que antes não eram aparentes. Um modelo homônimo e de estilo parecido fez muito sucesso no Brasil do fim dos anos 60 até início dos anos 80, intervalo em que as picapes começaram a ganhar itens antes exclusivos de carros de luxo, como a direção hidráulica.

1985 Série 10/20: Uma das picapes brasileiras mais emblemáticas que segue a tendência de estilo da década, com linhas retas, faróis e lanternas envolventes. Vinha com retrovisor do lado direito e a caçamba inovava com ganchos nas bordas que facilitavam a amarração da carga. Como o nome sugere, a série se dividia em duas configurações: a “série 10”, com capacidade de carga de 0,5 tonelada e a “série 20”, que carregava até 1 tonelada. Eram sempre precedidas de uma letra que indicava o tipo do combustível utilizado: A (etanol), C (gasolina) e D (diesel).

1988 Silverado: Foi a primeira picape cujo design fora influenciado pela aerodinâmica, e até por isso parecia muito avançada para o seu tempo. Essa mesma lógica se aplicou ao interior, com um painel de instrumentos baixo, envolvente e com elementos de aparência futurista. Chegou ao Brasil nos anos 90 com pequenas modificações, como nos faróis e nas lanternas, essencialmente para atender o código de trânsito local. Principalmente pelo seu visual disruptivo para a época, é considerada hoje um veículo clássico em mercados onde foi comercializada.

2004 Montana: Seguindo a tradição de oferecer também picapes compactas derivadas de automóveis, como a Chevy 500 e a picape Corsa, a Chevrolet lançou no Brasil a Montana, que se diferenciava das antecessoras pela cabine mais espaçosa e por ter a maior caçamba da categoria - perfeita para um carro de carga mais acessível e prático para o dia a dia. A segunda geração da Montana foi apresentada em 2010, com forte inspiração no estilo do Agile, mantendo porém o conceito de cabine estendida e step side lateral para facilitar o acesso aos itens transportados.

2012 Nova S10: Baseada na S10 norte-americana, a brasileira foi lançada em 1995 como uma opção de picape média, útil tanto para o trabalho como para o lazer. A segunda geração do modelo cresceu e logo se destacou pelo porte poderoso e, ao mesmo tempo, refinado, seguindo a nova escola de design das picapes Chevrolet no mundo. Trouxe de volta ainda o aspecto da resistência, ainda que altamente influenciado pela aerodinâmica. Atualmente, diferencia-se das concorrentes pelo rodar altamente confortável e por ser a única a oferecer conectividade total. 

Assine a newsletter semanal do AUTOO!