Qual peça comprar: genuína, original ou genérica?

Peças de reposição são classificadas em três categorias. Veja qual é a ideal para você
Bloco do motor 1.6 SCe que agora passa a ser fabrica pela Curitiba Injeção de Alumínio

Bloco do motor 1.6 SCe que agora passa a ser fabrica pela Curitiba Injeção de Alumínio | Imagem: Divulgação

Na hora de fazer manutenção, principalmente fora das concessionárias, há sempre uma dúvida: qual peça devo utilizar, original, genuína ou genérica? Abaixo nós explicamos como cada uma é feita e qual seria a melhor escolha para o seu carro.

Genuínas

O CESVI Brasil (Centro de Experimentação e Segurança Viária) afirma que as peças genuínas são peças de reposição que seguem as mesmas especificações da linha de montagem do carro, cumprindo as características técnicas no momento da fabricação. Esses produtos são apresentados na embalagem da marca e são comercializadas apenas na rede de concessionários.

Originais

Apesar do nome, elas não são utilizadas na linha de montagem, mas podem ter as mesmas características das peças genuínas, principalmente por sua adequação ao projeto. Elas podem, ou não, apresentar as mesmas especificações técnicas e qualidade de um produto genuíno, podendo ter divergências entre o material usado, à resistência proporcionada e à durabilidade. Direcionadas ao mercado independente, normalmente não ostentam o logo da fabricante do veículo.

Genéricas

Conhecidas como "paralelas", as peças genéricas são produzidas por empresas que desevolvem os equipamentos para produzi-las. Na fabricação há o nome da empresa que produziu, como um selo ou logo, e essas peças são direcionadas para o setor de autopeças e oficinas independentes, como atacados, postos de combustíveis e centros automotivos. Essas peças também são vendidas nas concessionárias, pois são homologadas pela montadora e trazem custo menor para o comprador.