Ranger e Frontier devem apostar em versões com ''cara de mau'' no Brasil

Picapes médias são cotadas para estrear versões mais extremas no Brasil
Ford Ranger Raptor

Ford Ranger Raptor | Imagem: Divulgação

Em breve, muito provavelmente no Salão de São Paulo, em novembro, nós vamos descobrir se o que escrevemos aqui estava correto, mas, segundo algumas informações de bastidores, são grandes as chances que Nissan Frontier e Ford Ranger passem a contar com versões mais extremas, por assim dizer, aqui no Brasil.

No caso da Ranger, estaríamos falando da produção local da versão Raptor, versão oferecida em mercados Ásia-Pacífico e também confirmada para estrear na Europa.

Derivada do mesmo conceito adotado para a F-150 nos EUA, as picapes da Ford da linha Raptor devem entregar o melhor comportamento para o uso off-road, o que é realçado por um visual todo especial e dedicado para as picapes que levam a chancela da versão especial.

No caso da Ranger Raptor, ela conta com sistema de gerenciamento de terreno com seis modos de condução: normal; esportivo; grama e neve; lama e areia; pedra; e baja. Os freios usam discos dianteiros de 332x32 mm com pistões duplos e discos traseiros de 332x24 mm, ambos ventilados. Os pneus todo-terreno 285/70 R17 também foram especialmente desenvolvidos para a picape. Uma placa de aço especial de 2,3 mm faz a proteção sob o assoalho para garantir a integridade da picape.

O chassi da Ranger Raptor é super-reforçado e produzido com ligas de aço de alta resistência. Sua suspensão foi especialmente desenvolvida para enfrentar terrenos difíceis em alta velocidade com total controle e conforto, incluindo amortecedores FOX com “Position Sensitive Damping”, que adapta o funcionamento às condições da pista.

No visual, a Ranger Raptor tem grade dianteira inspirada na F-150 Raptor e inclui faróis de xenônio e faróis de neblina de LED. No interior, por sua vez, a Ranger Raptor conta com bancos e volante especiais e acabamento em couro com costura azul.

Na parte mecânica, pelo menos nos mercados onde já é oferecida, a Ranger Raptor traz um conjunto muito interessante. Ele é composto pelo motor 2.0 EcoBlue biturbo diesel configurado especialmente para esta versão, que entrega 213 cv de potência e 51 kgfm de torque. Além do sistema de tração integral, a picape conta com a nova transmissão automática de 10 marchas, o que deve proporcionar muita eficiência para a picape.

Já partindo para a Nissan, a japonesa deverá apostar em uma versão na mesma linha com “cara de mau” para a Frontier. Estamos falando a volta da versão Attack, que, inclusive, foi um dos destaques da Nissan no Salão de Buenos Aires em 2017.

A receita da Frontier Attack é bem parecida com a Ranger Raptor e inclui rodas de liga leve calçadas em pneus de perfil alto com grande apelo para o off-road, altura em relação ao solo elevada e um visual mais trabalhado do ponto de vista estético.

Vale a pena destacar que a Frontier Attack poderá marcar, para o mercado brasileiro, o início da comercialização da picape agora produzida na Argentina em substituição às unidades até então importadas do México.

Mecanicamente, entretanto, a Frontier Attack poderá manter a mesma configuração já oferecida nas demais versões da picape, no caso o motor 2.3 biturbo associado ao câmbio automático de 7 marchas.

Segundo dados oficiais do Renavam aos quais o Autoo tem acesso para elaboração de seu ranking de vendas, foram emplacadas em setembro deste ano 5 unidades da Frontier Attack modelo 2019, o que parece nos confirmar a tese de que a marca de fato investirá nessa versão.

Enquanto alguns modelos como a Volkswagen Amarok apela para motorizações maiores, no caso um V6 turbodiesel, com o intuito de transparecer mais força e robustez, Ford e Nissan podem investir em preparações específicas para o off-road com o objetivo de cativar um público que deseja um veículo preparado para esse fim. A disputa, com certeza, será bem interessante!