Renault quer fazer sedã para emergentes

Vice-presidente de design da marca confirma projeto de um sedã voltado para o mercado asiático

Nova identidade da marca é obra de Acker | Imagem: Renault

Nesta segunda-feira (24), Laurens van den Acker, Vice-Presidente de Design do Grupo Renault, encontrou-se com jornalistas brasileiros para falar sobre a nova estratégia de design da marca francesa, que vigora desde 2009, quando o executivo assumiu o cargo.

No entanto, Acker deixou escapar que a marca está trabalhando em um sedã que substituirá o extinto top de linha Laguna, modelo que inclusive foi produzido no Brasil de 1996 até o ano de 2002. Por enquanto, sabemos apenas que o sedã está sendo desenvolvido com foco no mercado asiático.  

Hoje, a divisão brasileira da Renault disponibiliza um único representante no segmento de sedãs, o Fluence, também pensado especialmente para o mercado da América Latina e Ásia. Embora os crossovers estejam em evidência no momento, o executivo não descarta a importância de contarem com bons representante no categoria de sedãs. Atualmente, o sedã da marca francesa está posicionado como o quarto mais vendido do nicho, mesmo disputando a tapas uma fatia do mercado com os líderes Toyota Corolla, Honda Civic, e Chevrolet Cruze.

Não é novidade que países emergentes são a bola da vez no cenário automotivo mundial e, por isso, Acker afirma que mais da metade do line-up de veículos da marca francesa sofre influências externas. O vice-presidente de design ainda comentou a importância do mercado emergente e disse que não se sente confortável com essa nomenclatura, já que países como a China estão mais desenvolvidos do que muitos países europeus.

“Há alguns anos os modelos eram pensados para a Europa e depois víamos em quais mercados eles se encaixavam. Agora, desenhamos os carros primeiro para a Ásia ou América Latina. Se não fosse por esses mercados, provavelmente o Duster não existiria”, concluiu.

Carros para cada etapa da vida.

O principal destaque da nova identidade visual da Renault, sem dúvida, é o enorme emblema da marca centralizado na dianteira dos novos modelos. No entanto, o grande responsável pela mudança, Laurens van den Acker, afirma que a ideia é fazer carros para cada estágio da vida de seus clientes. Segundo ele, cada etapa da vida é ilustrada por um dos quatro protótipos (Frendzy, Captur, R-Space e DeZir) apresentados desde o Salão do Automóvel de Paris de 2010.

Assine a newsletter semanal do AUTOO!