Rio de Janeiro é a cidade mais congestionada do Brasil

Confira lista com as cidades onde os engarragamentos são mais frequentes no país
Rio de Janeiro

Rio de Janeiro | Imagem: Divulgação

A TomTom, empresa especializada na criação de dispositivos de navegação, divulgou nesta quarta-feira (22) seu TomTom Traffic Index 2016, um interessante levantamento que mostra como se comportou o trânsito em várias cidades ao redor do mundo no ano passado.

Para os cariocas, a notícia não é animadora uma vez que a cidade do Rio de Janeiro (RJ) foi apontada pelo índice como a mais congestionada do Brasil em 2016. Segundo o TomTom Traffic Index, os cariocas gastam, em média, 47% mais tempo parado no trânsito a qualquer hora do dia. A situação se agrava bem mais em momentos isolados de pico no fim do dia, onde é gasto um tempo 81% maior nos deslocamentos em comparação com as mesmas vias em situações de tráfego livre.

Depois da cidade do Rio de Janeiro, quem aparece em segundo lugar é Salvador, com um tempo adicional de percurso de 40% nos horários de pico. Logo em seguida estão Recife (37%), Fortaleza (35%) e São Paulo (30%) fechando o ranking das cinco cidades mais congestionadas do Brasil.

Isolando as cidades da América do Sul, o Rio de Janeiro continua no topo do ranking mais congestionadas da região. Ele é seguido pela chilena Santiago, com 43% de tempo extra gasto nos engarramentos, aparecendo logo depois Buenos Aires (42%), Salvador e Recife.

No mundo, o local com o pior trânsito constado pela pesquisa é a Cidade do México, onde os motoristas gastam 66% mais tempo nos congestionamentos em relação aos momentos em que o tráfego flui normalmente. Logo depois aparecem Los Angeles (45%), São Francisco (39%), Vancouver (39%) e Nova York (35%).

Segundo os responsáveis pelo estudo, o nível de congestionamentos ao redor do mundo aumentou cerca de 13% desde 2008. “Mas, de forma interessante, há diferenças surpreendentes entre os continentes. Enquanto os congestionamentos na América do Norte aumentaram em 17%, na Europa eles aumentaram apenas 2%. O fato pode estar relacionado ao crescimento econômico na América do Norte e à depressão econômica no restante da Europa. Os dados europeus podem ser fortemente influenciados pelos países do sul da Europa como Itália (-7%) e Espanha (-13%), onde ocorreram reduções marcantes nos congestionamentos de trânsito nos últimos oito anos”, conclui o relatório da empresa.