Está cada vez mais comum os veículos já virem equipados com computador de bordo, o que facilita a vida do proprietário em diversos aspectos. Um deles é saber se o veículo está consumindo muito combustível, pois a maioria dos computadores já mostram essa informação. Mas alguns deles apresentam falhas no cálculo, fazendo com que a medida "tanque a tanque" ainda seja a mais confiável. Mas para isso é necessário saber como fazer esse procedimento, você sabe? Abaixo damos dicas simples de como verificar se o seu carro está consumindo muito combustível e se o computador de bordo dele é preciso.

Para calcular é simples: peça para o frentista abastecer até completar o tanque e "travar" a bomba. A partir daí é só zerar o hodômetro parcial e, no próximo abastecimento (de preferência no mesmo posto e na mesma bom, realizando o mesmo procedimento), verificar quantos litros foram usados para completar o tanque novamente. Fazendo a divisão de quilômetros rodados pela quantidade de litros obtemos a média de km/l.

Para saber a quantidade de dinheiro gasto por quilômetro rodado o raciocínio é basicamente o mesmo: complete o tanque e zere o hodômetro. Assim que for abastecer novamente, encha o tanque e anote quantos reais gastou. Supondo que você gastou R$ 100 no reabastecimento e percorreu 400 quilômetros, a conta será: R$ 100 dividido por 400 km, dando como resultado R$ 0,25 (25 centavos) por quilômetro percorrido.

Acompanhar o consumo do seu veículo, seja ele qual for, é importante para identificar variações que podem representar falhas mecânicas, elétricas, combustível de má qualidade e até mesmo se o seu modo de condução está inapropriado. Ou seja, o consumo pode mudar de acordo com o modo de condução e se o trecho percorrido é na cidade ou estrada. Lembre-se que quem pisa fundo gasta mais, é a lei do consumo.

No caso dos carros flex

Uma dica que pode ajudar quem é dono de automóveis bicombustíveis é uma conta simples para verificar se o etanol ou a gasolina é o combustível mais vantajoso. 

Basta você verificar o preço cobrado pela gasolina e multiplicar o mesmo por 0,7. Para o etanol compensar, ele precisa custar menos do que o resultado obtido. Caso o valor do etanol e o obtido no resultado forem iguais, então o uso da gasolina ou do etanol fica a critério do motorista na hora de abastecer. 

Por exemplo, supondo que a gasolina seja oferecida em determinado posto por R$ 4,50 o litro. Multiplicando o valor por 0,7, teremos R$ 3,15 de resultado. Logo, para valer a pena, o etanol precisa custar menos do que R$ 3,15. 

Via de regra, ao utilizar gasolina em carros flex você consegue maior autonomia graças ao menor consumo. Já o etanol, por sua vez, confere mais desempenho ao veículo. 

Vinicius Montoia

|