Será que é páreo? Russos comparam picape da JAC com a Toyota Hilux

Caminhonete de origem chinesa custa metade do cobrado pela rival no mercado russo. Desconfiança ainda existe
JAC T6 Frison 2017

JAC T6 Frison 2017 | Imagem: Divulgação

Assim como no Brasil, a Toyota Hilux é a caminhonete dominante em seu segmento na Rússia. Só que uma estreia por lá colocou os russos em posição de dúvida em relação à picape japonesa. Por lá, a caminhonete JAC T6 estreou no final do ano passado e promete cumprir a mesma tarefa pela metade do preço.

Avaliadas pelo site russo Kolesa, a dupla foi testada em suas configurações topo de linha. A Toyota Hilux nessa configuração completa é a Exclusive Black, custando 3.152.797 rublos (cerca de R$ 230,2 mil), enquanto a JAC T6 na versão Full Extra sai por “míseros” 1.399.000 rublos (R$ 102,1 aproximadamente na conversão direta).

Além de os produtos chineses já serem normalmente mais baratos, a caminhonete da JAC tem uma vantagem em preço também por utilizar um propulsor a gasolina e ter câmbio manual, mesmo na configuração completa. O motor é um 2.0 turbo a gasolina de 177 cv de potência e 29,5 kgfm de torque, enquanto o câmbio é manual de seis marchas e a tração é 4x4 com reduzida.

A Toyota Hilux, por outro lado, lança mão de um conjunto bem mais próximo do que é oferecido no Brasil. Ela traz sob o capô o motor 2.8 turbodiesel de quatro cilindros entregando idênticos 177 cv de potência. A vantagem vem no torque, de 45,8 kgfm. Ao contrário da rival da JAC, o seu câmbio é o automático convencional de seis velocidades. A tração também é 4x4 com reduzida.

Entendendo que as caminhonetes na Rússia são muitas vezes um segundo veículo - mais voltado para o trabalho, enquanto um veículo de passeio cumpre as funções familiares -, os russos do Kolesa não se apegaram ao lado estético de Hilux e T6, mas apontaram que as medidas das rivais, incluindo o entre-eixos de quase 3 m e as caçambas, eram praticamente as mesmas.

Ao se olhar o interior, os russos ficaram mais interessados no design da JAC T6 e também na escolha de materiais mais requintados, enquanto a Toyota Hilux transpareceu muita sobriedade. Em termos de conforto de rodagem, o modelo japonês se mostrou interessante na terra, mas de comportamento mais suave na estrada. A JAC se mostrou mais acertada para a rua, mas muito firme em terrenos acidentados.

Se até agora parecia que a chinesa T6 estava encarando a Hilux em pé de igualdade, com pontos altos e baixos para ambas, a tradição da Toyota falou mais alto na ergonomia. Muito elogiada na Hilux, recebeu várias críticas na JAC. Desde botões de difícil acesso a falta de regulagem suficiente para bancos e volante, rodar muito tempo na T6 foi definido pelos russos como “cansativo” em longas jornadas.

No final das contas, o site russo não quis dar uma vitória clara para nenhuma das duas. A Toyota Hilux foi definida como a mais preparada para os severos invernos russos e para servir de único carro da família. Pelo preço, a JAC T6 pareceu a melhor escolha para o trabalho pesado. Mesmo assim, foi ressaltado que o mercado russo ainda é muito receoso dos produtos chineses.

Picape da JAC no Brasil

Desde 2018 já era dada como certa a estreia da primeira caminhonete média da JAC em nosso mercado. No entanto, o tempo foi passando e a situação da empresa por aqui não melhorou. Até que a marca decidiu apostar fortemente nos modelos elétricos, oferecendo o carro 100% elétrico mais barato do Brasil, o iEV20 (R$ 139.990).

Nessa mudança estratégica, a JAC confirmou que traria a sua caminhonete média apenas com propulsor elétrico, junto a outros lançamentos eletrificados, em setembro do no ano passado. Seu nome oficial passou a ser iEV330P, sendo P de picape. Custando R$ 279.900, é a única picape elétrica disponível no mercado brasileiro. Ela entrega 150 cv de potência e 33,6 kgfm de torque. Sua autonomia declarada entre cargas é de 320 km. 

Toyota Hilux 2020
Toyota Hilux 2020
Imagem: Divulgação