“Nossos colegas estão trabalhando na última plataforma de veículos que não contam com emissão zero. Nós estamos gradualmente descontinuando motores a combustão até chegarmos ao mínimo absoluto”. A relevante declaração foi feita por Michael Jost, estrategista-chefe para a marca Volkswagen, durante uma conferência nos arredores da sede da empresa em Wolfsburg, na Alemanha. Com isso, uma coisa fica clara na estratégia da marca para os próximos anos: a próxima geração de carros com motores a gasolina ou diesel da Volkswagen na Europa, renovação que deverá ocorrer a partir de 2026, deverá ser a última a contar com esses propulsores.

Fato é que a pressão cada vez maior por parte das autoridades governamentais e do próprio público em geral por carros mais econômicos e menos poluentes está de certa forma “forçando” os grandes grupos automotivos a migrar de vez para a eletrificação de seus automóveis. Com a importante declaração de Jost, fica claro que a Volkswagen vai migrar de vez sua linha de veículos para modelos com propulsão elétrica.

A ideia do conglomerado alemão é contar, por volta de 2030, com com cerca de 300 opções elétricas ou híbridas em sua gama de modelos contando todas as marcas do grupo e contemplando não só em automóveis, mas colocando nessa lista também motos (a VW atualmente administra a Ducati), caminhões, vans e demais veículos.

De acordo com Jost, o executivo da Volkswagen acrescenta que após 2050 só restarão modelos do grupo com motores a combustão em regiões onde a infraestrutura para carregamento de veículos elétricos é insuficiente.

“Problemas como a poluição gerada por motores a diesel em grandes cidades podem ser resolvidos com motores mais avançados, porém a grande ameaça no longo prazo ainda permanece a emissão de gases nocivos e que colaboram para o aquecimento global”, acrescenta Jost, explicando os motivos pelos quais a Volkswagen deverá abandonar o uso de motores a combustão nos próximos anos.

O grupo Volkswagen, que atualmente reúne 12 marcas automotivas, vai gastar cerca de US$ 50 bilhões nos próximos 5 anos para se consolidar como uma fabricante de automóveis elétricos e autônomos.

Parceria com a Ford

Já nos EUA, o CEO da Volkswagen, Herbert Diess, declarou que a marca poderá usar parte da capacidade fabril da Ford nos EUA para fabricar carros da empresa alemã.

A declaração ocorre após pressões por parte do presidente dos EUA, Donald Trump, que ameaça aumentar as tarifas de importações para automóveis importados caso as fabricantes não invistam mais na produção local.

A Ford, por sua vez, declara que em seu memorando de entendimento com a Volkswagen existem “potenciais colaborações em várias áreas”, mas que é “prematuro compartilhar detalhes adicionais neste momento”.  

César Tizo

O "Guru dos Carros", César Tizo se juntou ao time este ano e está à frente dos portais AUTOO e MOTOO. É o expert em aconselhar a compra de automóveis

César Tizo | http://www.jcceditorial.com.br/