Além do início da produção do A3 Sedan em território nacional, a Audi comemorou em 2015 seus resultados em vendas no mercado nacional. A empresa alemã fechou o ano como líder no segmento premium. De janeiro a dezembro, a marca conseguiu emplacar 17.539 unidades no País, o que representa um crescimento de 40,4% em relação ao mesmo período de 2014.

Em dezembro, foram 2.297 carros Audi vendidos no Brasil, ou seja, um crescimento de 66,2% sobre novembro, superando o recorde de agosto, quando 1.942 exemplares foram vendidos. A linha A3 Sedan foi o destaque da fabricante no mês passado, com 909 unidades comercializadas.

“Estamos extremamente felizes em terminar o ano na liderança, conquistando um recorde histórico de vendas e dando sequência a um ano de bastante sucesso para a Audi no país. Apesar da crise, crescemos mais de 40% em 2015. Isso mostra que nossa estratégia tem sido acertada, e seguiremos por esse caminho neste novo ano que acaba de começar”, afirma Jörg Hofmann, presidente e CEO da Audi do Brasil.

De acordo com a marca, essa alta em vendas é resultado do trabalho iniciado em 2013, quando a Audi identificou o país como um mercado-chave para o crescimento internacional da marca. A empresa anunciou sua estratégia de 360 graus, que consiste em investimentos em todas as áreas de negócio, como pós-vendas, marketing e na produção local. Esse planejamento já começou a dar resultados em 2014, quando a empresa cresceu 90% no país, o maior crescimento registrado entre todas as montadoras do mercado nacional. 

Para 2016 a Audi anunciou que pretende continuar crescendo, e confirmou o lançamento da nova geração do Q7, dos reestilizados A1 e RS3 e do esportivo TTS. Ainda neste semestre a marca vai começar a vender o Q3 nacional.

“Esperamos enfrentar um cenário desafiador em 2016, mas continuaremos trabalhando intensamente para cumprirmos a proposta de manter um crescimento a longo prazo, oferecendo produtos de qualidade e excelência no atendimento em vendas e pós-vendas. Nosso objetivo é manter o foco para que possamos vender 30 mil carros por ano até 2020”, completa Hofmann. 
 

Redação

Redação |