Não que a Fiat não tenha criado alguns modelos mais sofisticados e clássicos em sua história – basta ver alguns exemplos como o próprio (e novo) 500 ou o Spider, mas na maior das vezes a marca teve muitas dificuldades para estar no segmento de cima.

Uma ironia, afinal ela é dona da Ferrari, Maserati e Alfa Romeo, marcas de prestígio no mercado de luxo. Mas não é que agora, ao se juntar a Chrysler, a Fiat tenha descoberto como fazer um carro mais requintado e, sobretudo, atraente?

Já deu para sacar que estamos falando da Toro, a inusitada (para dizer o mínimo) picape nem compacta nem média, muito menos de trabalho e mais com cara de lazer e família.

Sim, a Toro é desses carros que dificultam a vida de jornalistas especializados. Ficamos quebrando a cabeça para defini-la, mas o público em si não se importa. Cabe no meu bolso? É bem equipada? Leva o que eu preciso? Então pode chamar de qualquer definição, até mesmo a invenção da Fiat, SUP (Sport Utility Pick-up, algo como picape utilitária esportiva).

O importante é que a Toro é, sobretudo, um carro versátil. Faz vários papéis sem reclamar: serve como carro do dia a dia, leva uma família, mas não cinco adultos fortinhos, tem equipamentos esperados, versões competitivas, é diversão certa no fim de semana e, claro, leva uma tonelada na caçamba, de fácil acesso porque você não vai precisar escalá-la para colocar qualquer objeto.

Ainda tem a cereja no bolo: a Toro é bonita, mais bem resolvida que a Renault Oroch, por exemplo.

Anda bem e é prazerosa de dirigir

No evento de lançamento, andamos em quase todas as versões – faltou a Freedom manual 4x4 apenas. Da Freedom manual 4x2 podemos dizer que câmbio manual não combina com a picape. Claro, tem que respeitar o consumidor e o câmbio de 6 marchas cumpre o papel, mas a Toro não nasceu para carregar geladeira nem ser veículo de companhia telefônica, com todo respeito.

Sobram as automáticas, Freedom 1.8 flex (6 marchas) e Volcano (2.0 diesel e 9 marchas) sem falar na série especial Opening Edition, baseada na Freedom e desde já obrigatória para quem pensa na primeira opção.

A Volcano traz quase tudo que se vê no primo Renegade – sim, você enxerga o Jeepinho em todos os cantos, embora o design em geral tenha assinatura própria. Há teto solar, o mesmo conjunto mecânico, central multimídia, ar-condicionado de duas zonas, painel com tela LCD no centro, mas um acabamento levemente mais simples. Além disso, nada de freio de estacionamento elétrico, como no SUV, você vai usar a velha e manjada alavanca.

O motor turbodiesel 2.0 de 177 cv parece falar mais alto que no Renegade, mas não por andar mais e sim pelo ruído um pouco mais presente. Será que é uma forma de mostrar que é uma picape como uma S10 ou Hilux? A Fiat diz que não.
A direção elétrica direta e o escalonamento sempre preciso das nove marchas já começam a agradar desde a partida. A suspensão bem ajustada em quase nada lembra as desengonçadas picapes com chassi e carroceria separadas. A Toro tem boa visibilidade embora a área envidraçada seja um tanto estreita.

Pulamos para a Freemont 1.8 flex e, surpresa, a aparência geral é bem semelhante. Não há partida por botão, o comando da tração integral é substituído por uma entrada de 12V e a tela no painel de instrumentos está menor, mas o aspecto é o de um carro ainda bem equipado.

O acabamento também muda: saem alguns apliques no painel e os bancos de couro, por exemplo. Mas estamos falando de um carro que custa R$ 40 mil a menos – dá para levar um Uninho de brinde com esse dinheiro.

O motor E.torQ Evo é a novidade. Ele deu conta do recado nos trechos em que andamos. Tem mais potência (7 cv) e torque, agora beirando os 20 kgfm, mas ficou no ar a dúvida de ver a Toro flex carregada. A transmissão de 6 marchas Aisin não compromete a tocada, que é mais suave e menos barulhenta que a da Volcano.

 
 
Fiat Toro 2017
 
Fiat Toro 2017
Fiat Toro 2017
Fiat Toro 2017
 
Fiat Toro 2017
Fiat Toro 2017
Fiat Toro 2017
 
Fiat Toro 2017
Fiat Toro 2017
Fiat Toro 2017
 
Fiat Toro 2017
Fiat Toro 2017
Fiat Toro 2017
 
Fiat Toro 2017
Fiat Toro 2017
Fiat Toro 2017
 
Fiat Toro 2017
Fiat Toro 2017
Fiat Toro 2017
 
Fiat Toro 2017
Fiat Toro 2017
Fiat Toro 2017
 
Fiat Toro 2017
Fiat Toro 2017
Fiat Toro 2017
 
Fiat Toro 2017
Fiat Toro 2017
Fiat Toro 2017
 
Fiat Toro 2017
Fiat Toro 2017
Fiat Toro 2017
 
Fiat Toro 2017
Fiat Toro 2017
Fiat Toro 2017
 
Fiat Toro 2017
Fiat Toro 2017
Fiat Toro 2017
 
Fiat Toro 2017
Fiat Toro 2017
Fiat Toro 2017
 
Fiat Toro 2017
Fiat Toro 2017
Fiat Toro 2017
 
Fiat Toro 2017
Fiat Toro 2017
Fiat Toro 2017
 
Fiat Toro 2017
Fiat Toro 2017
Fiat Toro 2017
 
Fiat Toro 2017
Fiat Toro 2017
Fiat Toro 2017
 
Fiat Toro 2017
Fiat Toro 2017
Fiat Toro 2017
 
Fiat Toro 2017
Fiat Toro 2017
Fiat Toro 2017
 
Fiat Toro 2017
Fiat Toro 2017
Fiat Toro 2017
 
Fiat Toro 2017
Fiat Toro 2017
Fiat Toro 2017
 
Fiat Toro 2017
Fiat Toro 2017
Fiat Toro 2017
 
Fiat Toro 2017
Fiat Toro 2017
Fiat Toro 2017
 
Fiat Toro 2017
Fiat Toro 2017
 
 

4 lugares e meio

Resta saber do espaço, um dos diferenciais dessas novas picapes ‘compactas-médias’. Por fora, a Toro tem um porte parecido com algumas picape médias como a L200 (embora mais baixa) e é bem maior que a Oroch – que a Fiat nem quer que chamem de rival.

Já por dentro ela compartilha com a picape da Renault um espaço apenas razoável. Pois é, elas levam cinco pessoas, mas como um hatch médio não tão espaçoso. Claro que são melhores que as Stradas e Saveiros da vida, mas falta espaço transversal para levar cinco pessoas – no máximo 4 adultos e uma criança.
No porta malas, opa, caçamba, a situação é mais generosa. A Toro tem 820 litros de capacidade, o dobro de alguns SUVs, e leva uma tonelada sem pestanejar.

E a bendita tampa repartida, alguém certamente vai perguntar? Bem, é uma ideia que parece boa porque facilita o acesso ao compartimento, mas passa uma certa fragilidade. Como não tem onde se apoiar, a parte de cima tem um jogo grande se você forçar um pouco. Outro ponto é a perda da extensão da caçamba no caso de deixá-la aberta. Para compensar isso, a Fiat oferece um acessório que cria um ponto de apoio para quem precisa levar objetos mais longos.

 

 

Fiat Toro Freedom 1.8 aut. 2017

  • Resumo

    Preço

    De R$ 76.500

    Categoria

    Picape compacta-média

    Rivais

    Renault Oroch

    Vendas em 2015

    estreia este ano

  • Mecânica

    Motor

    1.8 flex 16V

    Potência

    139 cv a 5.750 rpm (E)

    Torque

    19,3 kgfm a 3.750 rpm (E)

    Transmissão

    Automática de 6 velocidades

  • Dimensões

    Medidas

    4,915 m de comprimento, 1,84 m de largura, 1,68 m de altura e 2,99 m de entreeixos

    Peso

    1.619 kg

    Caçamba

    820 litros (1.000 kg)

 

 

Vou de flex

A Fiat diz que a Toro diesel vai responder pela maior parte das vendas assim como ocorre com o Renegade. Pode ser mesmo, mas é fato que ela tem muito mais rivais para fazer o cliente pensar. Já a Freedom flex, por R$ 76.500, serve como uma alternativa bacana para quem não quer pagar quase R$ 90 mil por um utilitário esportivo compacto, por exemplo. E não tem ninguém com quem brigar entre os modelos com caçamba. Seja lá qual for a escolha, a Fiat acertou ao menos em uma coisa: agora ela sabe fazer um carro premium.

Publisher do AUTOO é o criador do site e tem interesse especial pelo sobe e desce do mercado, analisando os números de vendas de automóveis todos os meses

Ricardo Meier |