O Conselho Nacional de Trânsito (Contran) proibiu a instalação de faróis de xenônio em todo o Brasil. A medida, publicada no Diário Oficial nessa quarta-feira (8), libera somente os veículos que já trazem o equipamento de fábrica e veículos que obtiveram autorização pelo órgão oficial até o último dia 7 de junho. Quem for pego com as luzes diferenciadas, caracterizadas pelo tom azulado, será multado em R$ 127,69, além de 5 pontos na carteira de habilitação.

Segundo nota do Contran, o farol de xenônio irregular emite um facho de luz tão forte que pode ofuscar a visão de outros motoristas e provocar acidentes. O Departamento Nacional de Trânsito (Denatran) também passa a proibir a instalação dos kits, que atualmente é vendido em lojas de autopeças e oficinas especializadas em manutenção de faróis. O mesmo vale para motocicletas, veículos comerciais e caminhões.

Mas por que carro importado pode?

A instalação de lâmpadas de xenônio não é tão simples quanto a dos faróis convencionais. Quando acesa, a luz do xênon é até três vezes mais forte que os sistemas normais, que usam lâmpadas de tungstênio. Por isso pode ofuscar tanto quem vê o carro de frente quanto quem o enxerga pelo retrovisor. No entanto, se manejado corretamente facho emitido pode ser muito mais eficiente para dirigir a noite e, principalmente, sem ofuscar quem vem ou quem vai. Essa, a propósito, é principal vantagem deste tipo de farol.

Mas para funcionar corretamente os carros têm de possui canhões de luzes especiais, que contam com um filtro óptico especifico, e o tão essencial controle de altura dos faróis, que pode ser controlado de forma manual ou automática, no caso dos automóveis mais sofisticados. Esse recurso serve para nivelar o facho de luz para cima ou para baixo, que pode variar de acordo com a carga a bordo no veículo. Outro item exigido são os lavadores de bulbos, um equipamento que esguicha um jato d’água nos bulbos dos faróis.

O único carro fabricado no Brasil com faróis de xenônio de série é o Toyota Corolla na versão top de linha 2.0 Altis, que já vem devidamente paramentada com os equipamentos exigidos pelo Contran. Alguns veículos da Citroën e Peugeot, por outro lado, têm o sistema de controle de altura dos faróis, no entanto, para receberem luzes de xênon ainda precisariam dos lavadores e os canhões especiais, itens que o sedã C4 Pallas importado da Argentina possui.

Thiago Vinholes

|