Enquanto marcas como Toyota, General Motors e Ford se descabelam para contar o prejuízo que tiveram com a crise financeira mundial no ano passado e tentar reduzir as perdas, a Ferrari só tem motivos para estar rindo a toa. A companhia do cavalinho rampante conseguiu vender, em 2008, 6 587 unidades, o que significa um aumento de 2% em relação ao ano anterior.

Apesar de o número positivo ir contra o que tem se visto na indústria automobilística, o que mais impressiona mesmo é o lucro que a marca teve no período. Para se ter uma idéia, os benefícios totais da companhia cresceram 27%, situando-se em 339 milhões de euros. O retorno de vendas, por sua vez, aumentou em 17,6%.

O que se pode resumir disso tudo? Simples, mesmo com a grave crise econômica global, a companhia de Maranello está conseguindo vender automóveis mais caros e, ao mesmo tempo, reduzindo seus custos operacionais. A linha de personalização de veículos que a marca introduziu também é responsável por parte do número positivo.

Para 2008, entretanto, a Ferrari não espera um ano tão bom quanto o de 2008, já que a crise continua e, desta vez, está presente desde o início da contagem anual. “O clima econômico de 2009 permanece incerto com a crise e é difícil dizer como evoluiremos com isso. É improvável que consigamos repetir o desempenho do ano passado. Teremos de ver quão forte será nosso baque”, explicou Luca di Montezemolo, presidente da companhia.

Redação

|