Basta sair de um aeroporto na Alemanha para se deparar com dezenas deles: taxistas a bordo de seus sedãs de luxo alemães. O mais famoso deles é o Classe E, da Mercedes-Benz, o meio termo entre o ‘popular’ Classe C e a ‘limusine’ Classe S.

Mas na Europa, ao contrário do Brasil, ser favorito de taxistas não significa um demérito. Executivos rodam ao lado de táxis compartilhando o mesmo ambiente silencioso, motor potente e a qualidade reconhecida dos carros alemães.

Ou seja, ambos têm motivo para comemorar agora que a Mercedes-Benz lançou a nova geração do Classe E no Salão de Detroit. É a quinta do modelo, conhecida pelo código W213 – o primeiro Classe E oficialmente nasceu em 1993, a propósito. Ele aposentará o W212, que chegou ao mercado mundial em 2009 com um design um tanto exótico, com faróis em formato de diamante e linhas bastante retas – suavizadas em 2013 quando recebeu um facelift.

Agora, o Classe E está longe disso, seguindo o mesmo conceito de traços fortes visto no Classe C. Aliás, a Mercedes foi tão bem sucedida nesse sentido que o sedã lembra demais seus irmãos, o que nem sempre é um bom sinal.

Estacionamento remoto

A receita para fazer o novo Classe E é a de sempre: reduzir peso, aumentar a rigidez torcional, aumentar o espaço interno (graças ao entre-eixos de quase 3 metros), equipá-lo com motores mais eficientes e menores e investir em tecnologia para deixar seus donos embriagados de orgulho como o sistema de estacionamento automático feito de fora do veículo.

Os motores disponíveis vão de um 2.0 turboalimentado com 184 cv ou 241 cv a dois turbodiesel de 195 e 285 cavalos de potência. A clientela ‘sustentável’ terá a seu dispor o E350e, um plug-in híbrido com 279 cv de potência combinada.

A novidade em termos de transmissão é a nova caixa 9G-Tronic, de dupla embreagem e, como está no nome, nove marchas. O sedã também repousa sobre um sistema de suspensão “Direct Control” com os modos Comfort e Sport – além da suspensão a ar “Air Body Control”.

 
 
Mercedes-Benz Classe E 2017 Mercedes-Benz Classe E 2017
Mercedes-Benz Classe E 2017 Mercedes-Benz Classe E 2017
Mercedes-Benz Classe E 2017 Mercedes-Benz Classe E 2017
Mercedes-Benz Classe E 2017 Mercedes-Benz Classe E 2017
Mercedes-Benz Classe E 2017 Mercedes-Benz Classe E 2017
Mercedes-Benz Classe E 2017 Mercedes-Benz Classe E 2017
Mercedes-Benz Classe E 2017 Mercedes-Benz Classe E 2017
Mercedes-Benz Classe E 2017 Mercedes-Benz Classe E 2017
Mercedes-Benz Classe E 2017 Mercedes-Benz Classe E 2017
Mercedes-Benz Classe E 2017 Mercedes-Benz Classe E 2017
Mercedes-Benz Classe E 2017 Mercedes-Benz Classe E 2017
Mercedes-Benz Classe E 2017 Mercedes-Benz Classe E 2017
Mercedes-Benz Classe E 2017 Mercedes-Benz Classe E 2017
Mercedes-Benz Classe E 2017 Mercedes-Benz Classe E 2017
Mercedes-Benz Classe E 2017 Mercedes-Benz Classe E 2017
Mercedes-Benz Classe E 2017 Mercedes-Benz Classe E 2017
 
 

Em termos gerais, o Classe E tem 4,922 metros de comprimento e 2,939 de entreeixos. O interior, esse sim, surpreende pelo bom ótimo acabamento e opções. Ele é dominado por uma enorme tela de LCD que engloba o cluster (painel de instrumentos) e o console central, isso na versão, digamos, mais futurista – para os fãs mais ortodoxos, há uma opção de cluster analógico.

O novo Classe E estreia algumas tecnologias interessantes como controles sensíveis ao toque no volante e o sistema Car-to-X, que permite trocar informações com outros veículos.

Salão do Automóvel de São Paulo

O sedã será lançado na Europa e Estados Unidos em meados deste ano e deve chegar ao Brasil até o final de 2016, não sem antes participar do Salão do Automóvel de São Paulo em outubro. Pena que no Brasil os taxistas não possuem incentivos para comprá-lo.

Ricardo Meier

Ricardo Meier |