A Ford percebeu que a Honda pode incomodar seu modelo que já foi líder entre os sedãs de grande porte e resolveu contra-atacar. Reestilizado, o novo Fusion 2017 chega ao Brasil com uma novidade feita sob medida para enfrentar o novo Civic 1.5 turbo Touring. É a versão SEL 2.0 Ecoboost que não por acaso custa praticamente o mesmo que o modelo japonês: R$ 125.500, apenas R$ 600 mais caro que o Honda.

Ele é a principal novidade do Fusion, que agora ganhou uma leve reestilização. A grade frontal permanece a mesma, mas o para-choque dianteiro também foi alterado com moldura dos faróis de neblina de LEDs mais ressaltados. Na traseira, um friso cromado atravessa literalmente toda a extensão, cortando lanternas e tampa do porta-malas.

A Ford também introduziu mais conteúdo no sedã que também briga com os modelos premium Classe C (Mercedes-Benz), Série 3 (BMW) e A4 (Audi). Todas as quatro versões têm rodas aro 18 (desenhos diferentes para cada uma delas), chave presencial, partida por botão, central Sync 3 (que fala com o Android Auto e o Carplay) e sistema de monitoramento de pneus.

A versão de entrada SE 2.5 flex segue à venda por R$ 121.500, aumento de R$ 7.100 em relação ao Fusion 2016. Com a chegada da SEL 2.0, essa versão deve servir apenas para uso corporativo, acredita a Ford.

Com motor de 248 cv (14 cv a mais que antes), o SEL 2.0 Ecoboost custa R$ 125.500 e oferece 38 kg de torque já 1.750 rpm. Ela deve ser uma das mais vendidas do modelo.
As versões Titanium e Titanium AWD (tração integral) seguem no portfólio, mas custam agora R$ 138.000 (+R$ 8.600) e R$ 154.500 (+ R$ 9.100), respectivamente.

A Titanium traz agora monitoramento de ponto cego, bancos dianteiros com ajustes elétricos e aquecimento, ‘lane assist’ e som da marca Sony com 12 alto-falantes, entre outros itens. Já o Titanium AWD tem como principal destaque o ACC, controle de cruzeiro adaptivo que permite uma direção semiautônoma. Além disso, há também sistema de detecção de pedestres e park assist de segunda geração – espera-se que bem melhor que o primeiro, que era bem impreciso.

 
 
Ford Fusion 2017 reestilizado
 
Ford Fusion 2017 reestilizado
Ford Fusion 2017 reestilizado
Fusion 2017: poucas mudanças no visual, mas mais conteúdo
 
Fusion 2017: poucas mudanças no visual, mas mais conteúdo
Fusion 2017: poucas mudanças no visual, mas mais conteúdo
Ford Fusion 2017
 
Ford Fusion 2017
Ford Fusion 2017
Ford Fusion 2017
 
Ford Fusion 2017
Ford Fusion 2017
Ford Fusion 2017
 
Ford Fusion 2017
Ford Fusion 2017
Ford Fusion 2017
 
Ford Fusion 2017
Ford Fusion 2017
Ford Fusion 2017
 
Ford Fusion 2017
Ford Fusion 2017
Ford Fusion 2017
 
Ford Fusion 2017
Ford Fusion 2017
Ford Fusion 2017
 
Ford Fusion 2017
Ford Fusion 2017
 
 

Perdendo espaço para os alemães

Até 2014, o Fusion reinava absoluto entre os sedãs maiores que os médios como o Corolla e o Civic. Naquele ano foram emplacados 12,3 mil carros, 64% a mais que o segundo colocado, o BMW Série 3. No entanto, com a nacionalização dele e também do Classe C, o modelo da Ford caiu para a 3ª colocação no ano passado e mantém essa posição em 2016, embora esteja perto dos alemães.

Com o facelift e a nova versão mais em conta é possível que ele volte a assumir a 1ª colocação, mas fato é que a concorrência apertou agora.

Ricardo Meier

Publisher do AUTOO é o criador do site e tem interesse especial pelo sobe e desce do mercado, analisando os números de vendas de automóveis todos os meses

Ricardo Meier |