A Ford apresentou nesta semana na Europa o novo Ka, rebatizado como Ka+, ou Ka Plus. Ao contrário do que parece, não se trata da versão sedã como no Brasil e sim do hatch. A razão é que os europeus tinham à disposição outro Ka, considerada a segunda geração e baseada na plataforma do Fiat 500. Como o novo é maior e segue outra proposta, aparentemente a marca quis enfatizar esse aspecto.

É mais um passo da Ford em direção a um portfólio global em vez de optar por soluções locais como a do antigo Ka. Embora não dito claramente, o Ka+ será importado da Índia, que produz uma versão mais longa do modelo, e terá como missão competir com modelos como o Dacia Sandero e o Kia Rio, diferentemente do antecessor, que fazia mais o papel de carro ‘butique’, segundo a imprensa europeia, espécie de veículo para jovens, descolado e minimalista.

A marca passa a aceitar encomendas do modelo, mas só iniciará as entregas em outubro com preço a partir de 9,9 mil euros (pouco mais de R$ 38 mil).

Nariz virado

Espera-se que a Ford tenha aprendido a lição com o EcoSport e melhorado o conteúdo e acabamento do novo Ka europeu. O irmão SUV chegou à Europa com pompa, mas virou mico e veículo criticado com frequência pela pobreza geral.

 
 
Ford Ka 2017
 
Ford Ka 2017
Ford Ka 2017
Ford Ka 2017
 
Ford Ka 2017
Ford Ka 2017
Ford Ka 2017
 
Ford Ka 2017
Ford Ka 2017
Ford Ka 2017
 
Ford Ka 2017
Ford Ka 2017
Ford Ka 2017
 
Ford Ka 2017
Ford Ka 2017
Ford Ka 2017
 
Ford Ka 2017
Ford Ka 2017
Ford Ka 2017
 
Ford Ka 2017
Ford Ka 2017
Ford Ka 2017
 
Ford Ka 2017
Ford Ka 2017
 
 

No caso do Ka+, nota-se que o interior ganhou conteúdo como ar-condicionado digital, painel de instrumentos mais bem acabado além de um console central que aposentou a peça já cansada do Fiesta, com o rádio de inúmeros botões.

O acabamento parece um pouco superior, mas a imprensa europeia reagiu com certa desconfiança justamente pela má impressão do EcoSport.

O Ka+ usará motores 1.2 de quatro cilindros e 65 cv de potência, mas haverá uma versão mais potente, Zetec, com 84 cv e capaz de ir de 0 a 100 km/h em 13,3 segundos. Outros equipamentos incluídos foram o aquecimento dos bancos, controle de cruzeiro, seis airbags e ESP.

Carro errado na hora errada

As primeiras críticas do carro mostram que os europeus não assimilaram bem a ideia de receber um veículo pensado para mercados em desenvolvimento.

O jornal The Telegraph, da Inglaterra, foi cético: “Por que o novo Ford Ka+ é o carro errado na hora errada”, cravou em sua manchete. Para ele, a Ford deveria ter pensado num modelo mais atraente e pequeno, voltado para os jovens.

A revista francesa L´Automobile considerou os “plásticos bastante básicos e um interior sem imaginação”, mas elogiou o maior espaço interno. Já a revista britânica Auto Express definiu o modelo como “prático como o Fiesta, mas com custos menores”.

À parte as críticas, a Ford foca num segmento que é o segundo mais vendido na Europa e onde ela não tem grande representatividade. Mas para vingar, o Ka terá de ser mais que um “plus”.

Ricardo Meier

Publisher do AUTOO é o criador do site e tem interesse especial pelo sobe e desce do mercado, analisando os números de vendas de automóveis todos os meses

Ricardo Meier |