O Accord é um dos carros mais importantes da história. Foi ele o primeiro veículo japonês produzido em território norte-americano, em 1982, época em que os automóveis estrangeiros eram vistos com desprezo pelo público. Não demorou para que ele mudasse esse conceito e virasse um dos carros mais vendidos do país, vencedor de vários prêmios da imprensa especializada.

No Brasil, o sedã foi um dos primeiros modelos da Honda a desembarcar após a abertura das importações, mas só teve seu grande momento em nosso mercado em 2005 quando foi produzido no México e acabou sendo um dos primeiros veículos a se beneficiar da isenção de impostos de importação entre os dois países.

Mas tudo mudou quando a Honda decidiu substituir o Accord pelo crossover CR-V na linha de montagem mexicana. Com isso, a carreira do sedã caiu no ostracismo no Brasil. A nova geração, mesmo bela e bem equipada, vem agora do Japão e custa caro – R$ 99.800 na versão EX 2.0 e R$ 144.500 na versão top EX com motor V6.

Apesar da pouca aceitação – apenas 300 carros em 2010 e o 10º lugar no ranking da categoria -, a Honda lançou nesta véspera de Natal a linha 2011 do modelo. As mudanças foram sutis e se concentraram na parte externa.

Na frente, a grade ganhou mais elementos cromados e um novo desenho do para-choque. Na traseira, um extensor das lanternas faz com que o conjunto invada a tampa do porta-malas. De quebra, as rodas mudaram de desenho.

Preços, equipamentos e motorização continuam as mesmas de antes. Ou seja, a carreira de um dos ícones da indústria automobilística continuará discreta no Brasil.

Ricardo Meier

Publisher do AUTOO, é o criador do site e tem interesse especial pelo sobe e desce do mercado, analisando os números de vendas de automóveis todos os meses

Ricardo Meier | http://www.jcceditorial.com.br/