A Kawasaki realizou na noite da última segunda-feira (31) uma noite de lançamentos em São Paulo. A principal estrela da festa foi, sem dúvida, a inédita Ninja H2. A superesportiva foi revelada na última edição do Salão de Milão, no ano passado, e destaca-se pelo visual futurista e, especialmente pelo motor de 4 cilindros e 998 cc com compressor, que chega a 210 cv de potência. O modelo chega em julho, importado do Japão, mas já pode ser encomendado por R$ 120 mil. A marca adiantou que serão trazidas ao País 28 unidades da H2.

Embora ela brilhe muito – graças também a sua pintura que contém partículas de prata - a H2 dividiu os holofotes com mais 5 novidades da Casa de Akashi. Uma das mais aguardadas, sem dúvida, foi a naked Z300, que chega em julho. O preço, todavia, não foi divulgado ainda.

Outro lançamento foi a nova Versys 1000, que chega em abril por R$ 53.900. Seu motor foi aperfeiçoado e isso lhe rendeu 2 cv a mais, subindo dos 118 para 120 cv de potência com torque máximo de 10,4 kgfm. A marca confirmou para julho a chegada da Versys 1000 Gran Tourer ABS, versão indicada para percorrer grandes distâncias, especialmente por contar com malas laterais. O preço ainda não foi definido.

Sa versão mais “mansa”, a Versys 650, também foi destaque no evento. Renovada, a moto parte dos R$ 32.990 para a versão sem ABS e chega aos R$ 35.990, equipada com o sistema de freios antitravamento. Chega neste mês.

Para os amantes do estilo custom, a novidade foi a Vulcan S. Equipada com o mesmo motor bicilíndrico de 649 da Versys 650 - ER-6n e Ninja 650 também utilizam o propulsor. São 61 cv e 6,4 kgfm de torque e o câmbio é de seis marchas. Ela chega em junho e o preço ainda não foi revelado.

Para as crianças, a marca trouxe a lindinha KLX 110, já á venda por salgados R$ 7.990.

 
 
Kawasaki Ninja H2 Kawasaki Ninja H2
Kawasaki Ninja H2 Kawasaki Ninja H2
Kawasaki Ninja H2 Kawasaki Ninja H2
A Kawasaki Ninja H2 está chegando ao Brasil A Kawasaki Ninja H2 está chegando ao Brasil
Kawasaki Ninja H2 Kawasaki Ninja H2
Kawasaki Ninja H2 Kawasaki Ninja H2
A superbike H2 possui um turbocompressor e pode ser reservada por R$ 120 mil A superbike H2 possui um turbocompressor e pode ser reservada por R$ 120 mil
A aguardada Kawasaki Z300 chega em julho A aguardada Kawasaki Z300 chega em julho
 
 

Ninja H2, a cereja do bolo

A Ninja H2 é a versão de rua da Ninja H2R, cujo motor de 4 cilindros com compressor chega a gerar impressionantes 310 cv. Para ter um comportamento mais civilizado, a Kawasaki baixou a potencia da moto para 210 cv - o que já é muito para uma moto de 238 kg em ordem de marcha.

Moto turbinada?

Sim. O propulsor de quatro cilindros e 998 cm3 gera 200 cv a 11.000 rpm, porém os 10 cv extras são obtidos graças ao supercharger acoplado a ele. O torque também impressiona, 13,6 kgfm aos 10.500 rpm. O motor funciona em conjunto com câmbio de 6 marchas e possui a ajuda de um "quick-shifter" para a troca de marchas rápidas, sem o uso de embreagem.

O compressor foi desenvolvido especialmente para a moto, com o auxílio de outras empresas como a Gas Turbine & Machinery Company e a Corporate Technology Division. Aqui, vale uma breve explicação. Um compressor é qualquer dispositivo que eleva a pressão do ar de admissão acima da pressão atmosférica. Tanto os compressores como os conhecidos turbocompressores fazem isso, o que muda é a fonte de energia de cada um. Os turbos são acionados pela massa do fluxo dos gases do escapamento, que fazem a turbina girar. Já os compressores são acionados mecanicamente, por correia ou corrente a partir do virabrequim do motor.

Do futuro, mas sem esquecer o passado

Tanto quanto sua potência, ela impressiona pelo visual futurista. Os recortes aerodinâmicos, que incluem pequenas asas na carenagem, reforçam o estilo agressivo. Apenas a pintura, merece um capítulo à parte. Os componentes de prata misturados à tinta criam um efeito espelhado na carenagem. Até o logo que ela ostenta é diferente dos demais produtos da linha. Batizado de Kawasaki River o símbolo de longa data do grupo Kawasaki que remete aos anos 1870 é usado apenas em modelos com significância histórica. Embora ela seja a moto mais moderna da linha Kawasaki, sua inspiração veio do passado. Em 1972, a H2 era um modelo equipado com motor 2 tempos e 748,2 cc, a Mach IV 750. O nome H2, lembrado pela aceleração extrema do modelo antigo, foi utilizado para batizar a novidade.

Japonesa feita à mão

As soldas do quadro feito em treliças de aço de alta tensão são feitas à mão e toda a moto é montada artesanalmente. A suspensão dianteira é de alta performance Kayaba AOS-II com separaçãoo entre ar e óleo e a traseira é do tipo monochoque totalmente ajustável – vale destacar o uso de balança monobraço no modelo, o que não é tradição nos modelos Kawasaki. Os freios ABS contam com discos semi-flutuantes Brembo de 330 mm de diâmetro e pinças com fixação radial e quatro pistões opostos. Na traseira o disco é simples de 250 mm.

 

A eletrônica atua bastante na H2 para auxiliar o piloto. Entre os principais sistemas, há controle de tração com 9 modos, sistema de ajustes do freio motor, troca rápida de marchas (quick shift) e sistema de controle de largada que ajuda a evitar empinamento e derrapagem. 

Karina Simões

Karina Simões |