Depois de confirmar que continuará como parte da General Motors, a Opel pôs as mãos na massa para seguir em frente com projetos elétricos baseados na tecnologia desenvolvida para o Chevrolet Volt.

Além do Ampera, que nada mais é que uma versão do modelo americano, a Opel apresenta agora o Flextreme GT/E, um conceito elegante e que investe não só na eletricidade, mas também na eficiência aerodinâmica.

É sabido que, mais do que nunca, o menor atrito possível com o ar se traduz em menos consumo e emissões. No caso dos híbridos e elétricos, isso é mais vital porque o rendimentos das baterias ainda está distante do tanque de combustível. Os modelos mais avançados rodam pouco mais de 100 km sem recarga e esta ainda é um tanto demorada.

Portanto, quanto menos se gastar, melhor. O GT/E, por exemplo, possui um Cx de apenas 0,22, equivalente a de muitos esportivos. Isso foi conseguido por várias maneiras, entre elas, uma parte frontal sem grandes entradas de ar, retirada de maçanetas e retrovisores – substituídos por sensores e câmeras -, pneus de baixo atrito com o solo e até spoilers laterais que são acionados a grandes velocidades para melhorar o fluxo de ar.

Receita do Volt

O Flextreme GT/E foi concebido como um cupê de quatro lugares e medidas generosas. Seu entreeixos é de 2,9 m e sua largura beira 1,9 m, ou seja, se entrasse em produção seria um modelo grande. Por isso o desempenho para um carro que possui apenas um motor 1.4 a gasolina como gerador é otimista.

O GT/E vai de 0 a 100 km/h em 9 segundos e ultrapassa os 200 km/h. A autonomia apenas com a energia das baterias de lítio é de 60 km, mas pode superar 500 km se o motor entrar em ação.

Por enquanto, a Opel flerta com a tecnologia, mas ainda não apresentou um modelo próprio de produção e pode ficar para trás das suas rivais europeias. O Flextreme GT/E estará exposto no Salão de Genebra dentro de alguns dias.

Ricardo Meier

Publisher do AUTOO, é o criador do site e tem interesse especial pelo sobe e desce do mercado, analisando os números de vendas de automóveis todos os meses

Ricardo Meier | http://www.jcceditorial.com.br/