Peugeot 408 só vende mais que alguns chineses e o caríssimo híbrido Prius, da Toyota. Até o importado Cerato de uma combalida Kia pós-Inovar Auto emplaca mais que o sedã argentino.

Foram apenas 1,2 mil unidades unidades até outubro, 40% do volume emplacado pelo irmão hatch, o 308. É essa complicada realidade que o novo 408 passa a encarar agora. Como havia antecipado no Salão de Buenos Aires, a Peugeot aplicou no modelo a mesma solução vista no 308, um retoque paliativo distante da nova geração dos modelos médios da marca na Europa.

Estão incluídos nesse ‘pacote’ a nova frente, que adapta o estilo da Peugeot atual ao visual anterior. Rodas de desenho modificado e lanternas com elementos renovados completam o tapa de estilo. Por dentro, um painel repensado e mais agradável e que traz recursos legais como o Mirrorscreen, que permite espelhar smartphones.

 
 
Novo Peugeot 408 Novo Peugeot 408
Peugeot 408 2016 Peugeot 408 2016
Peugeot 408 2016 Peugeot 408 2016
Peugeot 408 2016 Peugeot 408 2016
Peugeot 408 2016 Peugeot 408 2016
Peugeot 408 2016 Peugeot 408 2016
Peugeot 408 2016 Peugeot 408 2016
Peugeot 408 2016 Peugeot 408 2016
Peugeot 408 2016 Peugeot 408 2016
Peugeot 408 2016 Peugeot 408 2016
Peugeot 408 2016 Peugeot 408 2016
Peugeot 408 2016 Peugeot 408 2016
 
 

Motor legal, motor dispensável

O novo 408 também recebeu aprimoramentos técnicos. A suspensão, que antes era um tanto dura, está agora mais macia, segundo a Peugeot. O sedã seguiu a tendência do grupo PSA e passa a ser equipado com o motor 1.6 THP flex, que já está presente no SUV 2008 e no hatch 308. Ele atua em conjunto com uma transmissão automática de seis velocidades, exclusiva dessa versão, batizada de Griffe.

É o conjunto ideal para o Peugeot, mas custa R$ 86.990, até mais que o C4 Lounge Tendance com o mesmo motor e câmbio. Para quem não quer gastar tanto, a marca oferece também o 408 Allure por R$ 75.990. O problema é que aí você leva o motor 2.0 aspirado de 151 cv e o já cansado câmbio de quatro marchas herdado desde os tempos do 307 Sedan, seu antecessor. E ainda perde sensor de estacionamento dianteiro, câmera de ré, teto solar, bancos em couro perfurado e rodas diamantadas.

Clientes fieis

Com essa sacudida, o Peugeot 408 pode até reconquistar clientes e melhorar um pouco sua posição no ranking, mas convém não esperar muito. Os clientes de sedãs médios são muito fieis e procuram carros confiáveis e de boa revenda. Nesse aspecto, embora o 408 tenha evoluído muito comparado ao antecessor 307 Sedan, é o modelo da Peugeot que mais sofre com a imagem de pós-venda arranhada da marca. Pelo jeito, ele ainda deve segurar a lanterna por algum tempo. 

Ricardo Meier

Publisher do AUTOO é o criador do site e tem interesse especial pelo sobe e desce do mercado, analisando os números de vendas de automóveis todos os meses

Ricardo Meier |