A era dos faróis felinos acabou na Peugeot. Nesta semana, a marca francesa revelou o 508, modelo que é sua nova referência no segmento de luxo e que inaugura oficialmente o novo visual de seus carros.

Por isso, saem de cena os conjuntos ópticos alongados e a “boca” exagerada para dar lugar a um estilo sóbrio e elegante onde esses elementos são apenas parte discreta de um desenho mais amplo. E menos francês. A Citroën já havia deixado um pouco o exotismo ao criar o novo C5, mas sua irmã Peugeot foi além. O abismo entre o 508 e os demais modelos da marca é tão grande que até a inscrição “Peugeot” foi aplicada à grade frontal para dirimir qualquer dúvida.

As linhas do 508 não são tão desconhecidas assim. A Peugeot havia antecipado suas formas no conceito “5 by Peugeot”, que é praticamente a versão sedã do modelo. O 508, aliás, tem uma dupla missão: substituir o 407 e também o mais luxuoso 607. Ou seja, é uma espécie de rival de Mercedes-Benz Classe C e BMW Série 3 além do Toyota Camry e Honda Accord, para citar alguns modelos.

O interior é outro ponto que rompeu com o passado. Os instrumentos estão dispostos de maneira convencional e sequer lembram as soluções adotadas em outros Peugeot. A marca, aliás, anuncia novidades em matéria de propulsão. O modelo terá, por exemplo, um sistema batizado de e-HDi, que une o motor diesel ao recurso Start-Stop.

Mais para frente, o conceito Hybrid4, que usa motores a combustão com elétricos e tração integral, também fará parte do portfólio. A Peugeot mostrará o sedã e a perua no Salão de Paris, em outubro, mas o 508 só começa a ser vendido no início de 2011 na Europa. Ainda no ano que vem, o veículo será produzido na China, um mercado promissor para esse tipo de carro. O resto do mundo ainda é uma incógnita, inclusive o Brasil.

Ricardo Meier

Publisher do AUTOO, é o criador do site e tem interesse especial pelo sobe e desce do mercado, analisando os números de vendas de automóveis todos os meses

Ricardo Meier | http://www.jcceditorial.com.br/