O mercado dos sedãs médios é um dos mais concorridos de todo mercado e é totalmente dominado pelos japoneses, com Toyota Corolla, Honda Civic e Nissan Sentra no topo da lista. Ainda assim, para manter a posição conquistada este ano, a Nissan trouxe do México novidades para a linha 2016 do Sentra, a principal a série especial Unique - que, a bem da verdade, já existiu na geração anterior.

Entre as principais diferenças estão o acabamento mais requintado, interior com tons claros e acessórios como soleiras das portas iluminadas, tapetes e rodas esportivas exclusivas, entre outros itens. O Sentra 2016 também introduziu controles de tração e de estabilidade e a plataforma de mídias sociais Nissan Connect. Os preços do sedã médio começam em R$ 69.190.

A Nissan aprimorou a conectividade com o sistema Nissan Connect como item de série para a versão SL e a série especial Unique. O pacote de serviço do Nissan Connect é gratuito para os primeiros três anos após a data de compra do carro. É importante ressaltar que o funcionamento depende da compatibilidade do smartphone com o pacote de dados e do cadastro no app.

Versão Especial Unique

A maior novidade da linha 2016 é a série especial Unique, que tem o preço de R$ 87.490. Baseada na versão SL, a versão tenta atrair para a marca uma clientela que hoje busca mais requinte. Por R$ 5 mil a mais, há o acréscimo de itens estéticos atraente, além de vidros eétricos automáticos nas quatro portas.

O AUTOO andou na nova versão, que ficou muito mais agradável, com o interior claro, e a dirigibilidade contínua um ponto forte do modelo, agora reforçada pelos sistemas de estabilidade. Falta ao modelo, no entanto, um motor mais eficiente. O 2.0 16V de 140 cv não chega a empolgar e tem um consumo acima do esperado pelo que entrega. A transmissão CVT cumpre seu papel, é verdade, mas limita o sedã a uma tocada burocrática.

A Nissan acerta mesmo é em oferecer equipamentos que em rivais são apenas opcionais quando muito. Partida por botão, ar-condicionado de zona dupla, central multimídia e teto solar são raridade no segmento. Se você procurar algo parecido no Jetta, por exemplo, não vai encontrar – ou paga mais pelo Highline, com motor e câmbio superiores ou se contenta (por enquanto) com o 2.0 de 120 cv. No Cruze, os preços são levemente maiores para um carro com motor 1.8.

Não é à toa que o Sentra virou o mais vendido sedã do ‘segundo pelotão’. Sem contar Corolla e Civic, que vendem em outro patamar, o Nissan está quase mil unidades à frente do Cruze e distante de nomes fortes como o Jetta e o Focus Sedan (que, aliás, a Ford irá relançar este mês como Focus Sportback, para tentar tirá-lo do limbo).

A questão é que a diferença de preço do Sentra para esses rivais já foi maior, o que facilitava a decisão. Hoje esse ‘gap’ é pequeno, fruto provalvemente do bom desempenho de vendas. Sorte da Nissan, que traz o modelo do México por um custo de produção teoricamente inferior aos carros produzidos aqui, e sem pagar imposto de importação, afinal a montadora é a que tem a maior cota entre os modelos mexicanos. 

 
 
Nissan Sentra 2016: mais requinte na versão Unique Nissan Sentra 2016: mais requinte na versão Unique
Nissan Sentra 2016 Nissan Sentra 2016
Nissan Sentra 2016 Nissan Sentra 2016
Nissan Sentra 2016 Nissan Sentra 2016
Nissan Sentra 2016 Nissan Sentra 2016
Nissan Sentra 2016 Nissan Sentra 2016
Nissan Sentra 2016 Nissan Sentra 2016
Nissan Sentra 2016 Nissan Sentra 2016
Nissan Sentra 2016 Nissan Sentra 2016
Nissan Sentra 2016 Nissan Sentra 2016
Nissan Sentra 2016 Nissan Sentra 2016
Nissan Sentra 2016 Nissan Sentra 2016
Nissan Sentra 2016 Nissan Sentra 2016
Nissan Sentra 2016 Nissan Sentra 2016
Nissan Sentra 2016 Nissan Sentra 2016
Nissan Sentra 2016 Nissan Sentra 2016
Nissan Sentra 2016 Nissan Sentra 2016
Nissan Sentra 2016 Nissan Sentra 2016
Nissan Sentra 2016 Nissan Sentra 2016
Nissan Sentra 2016 Nissan Sentra 2016
Nissan Sentra 2016 Nissan Sentra 2016
Nissan Sentra 2016 Nissan Sentra 2016
Nissan Sentra 2016 Nissan Sentra 2016
 
 

Publisher do AUTOO é o criador do site e tem interesse especial pelo sobe e desce do mercado, analisando os números de vendas de automóveis todos os meses

Ricardo Meier |