Com bem mais de 5 metros de comprimento, as picapes médias estão longe de incluir o item praticidade para o uso diário em sua lista de atributos. Mas é inegável que robustez desses modelos, bem como a posição de dirigir bem elevada e a sensação de poder sobre o trânsito que esse tipo de veículo proporciona, cativam muita gente.

E é pensando justamente nesse público que a Toyota preparou a nova Hilux com motor 2.7 flex. Se a ideia é rodar muito mais no asfalto procurando uma vaga para estacionar no shopping do que encarar uma trilha pesada no off-road, a tração apenas no eixo traseiro faz muito mais sentido do que investir em um caro conjunto de tração 4x4. “Nós acreditamos que a Hilux 2.7 atende um perfil de público mais urbano, portanto a tração 4x2 deverá ser a mais procurada”, explica Roger Armellini, gerente geral de marketing da Toyota. 

A grande sacada da marca também reside em oferecer a Hilux 2.7 somente com câmbio automático, o que faz dela a única opção da categoria com motor flex e transmissão que dá um descanso para o pé esquerdo. Algo muito conveniente para o trânsito cada vez mais intenso das cidades grandes. 

Claro que a Toyota também não esqueceu do público que faz questão de contar com tração nas 4 rodas (também é oferecida a versão SRV 4x4), porém, seguindo a ideia de consumidor a qual se destina, o AUTOO decidiu avaliar a Hilux flex na sua versão mais equipada com tração 4x2, a SRV, tabelada em R$ 120.800. Ela é a versão mais interessante da Hilux 2.7, uma vez que a diferença de R$ 9.100 para a opção de entrada SR (R$ 111.700) é amplamente justificada pela lista de equipamentos de série. 

O que ela traz

Se a ideia é comprar um carro robusto e equipado, a Hilux 2.7 SRV 4x2 cumpre a proposta com competência. Além dos controles de tração e estabilidade, ela traz o assistente de reboque (TSC); banco do motorista com ajuste elétrico de distância, inclinação e altura; ar-condicionado automático digital; revestimento interno de couro e uma completa central multimídia com GPS, DVD player, TV digital, câmera de ré, dentre outros recursos. Longe de ser uma versão espartana, é difícil reclamar que faltam equipamentos ou conforto a bordo da picape.

Na hora de dirigir

Na dinâmica a Hilux flex lembra bem a irmã a diesel, com uma pequena diferença no conforto ao rodar. Talvez a ausência do sistema de tração 4x4 torna a passagem por pisos esburacados uma tarefa menos sofrida em relação à Hilux diesel 4x4, que sacoleja sem muita dó dos passageiros. Contudo, é algo que quem compra um veículo dessa categoria sabe que vai encarar. Apesar da cabine refinada, não se esqueça de você está a bordo de um produto concebido originalmente para o trabalho pesado.

Mesmo assim, a direção da Hilux é precisa e atua na velocidade adequada para um carro com o porte de uma picape média. Lenta em relação a um carro de passeio, ela atua na medida em um veículo que requer muito mais reações cuidadosas do que precipitadas. Bem neutra nas curvas, desde que feitas com parcimônia, é bom saber que, na pior das hipóteses, a Hilux 2.7 SRV conta com controle de estabilidade.

Na hora de acelerar, é claro que o motor 2.7 flex não entrega a mesma valentia do 2.8 turbo, porém nosso contato com a picape abastecida com etanol não foi ruim. Beneficiado pelo novo duplo comando de válvulas variável, recurso novo para o bloco 2.7, os 25 kgfm de torque são conta de movimentar a Hilux sem sofrer. As 6 marchas bem escalonadas da transmissão também fazer a sua parte e, se você quiser, é possível controlar as trocas na alavanca.

Apesar do desempenho aceitável para uma picape de quase 2 toneladas, só esteja preparado (a) para parar bastante no posto de combustível. Segundo dados do Programa Brasileiro de Etiquetagem Veicular, a Hilux 2.7 flex percorre apenas 4,8 km/l na cidade e 5,6 km/l na estrada com etanol, números próximos ao que apuramos em nossa avaliação. Com tanque com capacidade para 80 litros, a autonomia da Hilux flex com etanol gira em torno de 416 quilômetros.

Toyota Hilux SRV 2.7 flex 4x2

  • Resumo

    Preço

    R$ 120.800

    Categoria

    Picape média

    Rivais

    Chevrolet S10, Ford Ranger

    Vendas em 2015

    32.684 unidades

  • Mecânica

    Motor

    2.7 16V, flex

    Potência

    163 cv (E) / 159 cv (G) a 5.600 rpm

    Torque

    25 kgfm a 4.000 rpm

    Transmissão

    Automática, 6 marchas

  • Dimensões

    Medidas

    5,33 m de comprimento, 1,85 m de largura, 1,81 m de altura e 3,08 m de entre-eixos

    Peso

    1.860 kg

    Capacidade de carga

    850 quilos

 

Vale a pena comprar?

Se você é fã de picapes e não abre mão de um modelo robusto como a Hilux, a nova versão flex se justifica se você não tem o costume de percorrer grandes distâncias com frequência ou vai usar o modelo apenas na cidades. Nesse caso seu conjunto mecânico, mesmo com tração 4x2 nas rodas traseiras, é suficiente. Porém, se você percorre estradas em péssimas condições, precisa transportar muita coisa na caçamba ou vai encarar longos deslocamentos, fique de vez com a Hilux diesel. Nesse caso, o menor consumo e a elevada autonomia do propulsor a diesel são mais vantajosos.  

Recomendamos a versão avaliada aqui, a SRV, por contar com os importantes controles de tração e estabilidade, além de oferecer os equipamentos de conforto que se espera de um veículo com preço na faixa de R$ 120.000.

 
 
Toyota Hilux 2017
 
Toyota Hilux 2017
Toyota Hilux 2017
Toyota Hilux 2017
 
Toyota Hilux 2017
Toyota Hilux 2017
Toyota Hilux 2017
 
Toyota Hilux 2017
Toyota Hilux 2017
Toyota Hilux 2017
 
Toyota Hilux 2017
Toyota Hilux 2017
Toyota Hilux 2017
 
Toyota Hilux 2017
Toyota Hilux 2017
Toyota Hilux 2017
 
Toyota Hilux 2017
Toyota Hilux 2017
Toyota Hilux 2017
 
Toyota Hilux 2017
Toyota Hilux 2017
Toyota Hilux 2017
 
Toyota Hilux 2017
Toyota Hilux 2017
Toyota Hilux 2017
 
Toyota Hilux 2017
Toyota Hilux 2017
Toyota Hilux 2017
 
Toyota Hilux 2017
Toyota Hilux 2017
 
 

O "Guru dos Carros", César Tizo se juntou ao time este ano e está à frente dos portais AUTOO e MOTOO. É o expert em aconselhar a compra de automóveis

César Tizo |