Enquanto Volkswagen, Fiat e Renault apostam nos robotizados, a Chevrolet e a Toyota optam pelo câmbio automático convencional em sua estratégia para os modelos compactos. A japonesa Nissan, por sua vez, surpreendeu e trouxe uma nova geração de sua caixa CVT (relações continuamente variáveis) para o segmento, passando a oferecê-la na dupla March e Versa.

De custo elevado, esse tipo de câmbio era encontrado somente em modelos mais caros, como o sedã médio Toyota Corolla ou o bem-sucedido Honda Fit, por isso a Nissan merece alguns créditos pela decisão ao colaborar para difundir a tecnologia no "degrau" abaixo. De qualquer maneira, no caso da gama March e Versa, a caixa CVT é um opcional de R$ 4.800, porém ela oferece inúmeras vantagens. Uma das mais importantes é ajudar os carros a entregar baixo consumo. Segundo o Programa Brasileiro de Etiquetagem Veicular, o Versa CVT é capaz de registrar parciais de 11,6 km/l na cidade e 14,1 km/l na estrada utilizando gasolina, números que caem para 7,8 e 10 km/l, respectivamente, com etanol. Durante uma viagem de cerca de 80 quilômetros mantendo velocidades em torno de 100 a 120 km/h, o AUTOO alcançou média de excelentes 17,3 km/l no trecho! O carro estava abastecido com gasolina. 

Em nosso primeiro contato com o Versa 2017, pudemos avaliar a versão topo de linha Unique, que é tabelada em R$ 66.290 e agora só conta com o câmbio CVT. Pode parecer caro em um primeiro momento, mas uma olhada rápida no mercado nos revela que o pacote do Versa compensa frente aos rivais. O Fiat Grand Siena, por exemplo, custa R$ 63.411 com o kit Sublime, enquanto o Volkswagen Voyage Highline com todos os opcionais atinge R$ 65.649. Como “compensa” se ambos são mais baratos? Você pode ter se perguntado isso, mas basta dizer que as transmissões robotizadas estão longe de oferecer a mesma suavidade de funcionamento que a transmissão CVT do Versa.

Se a gente partir para a linha Chevrolet, o Prisma LTZ 1.4 automático custa R$ 61.990, enquanto outro concorrente forte para o Versa CVT, o Toyota Etios Sedã XLS, está nas lojas por R$ 60.455. O grande problema é que o Prisma fica devendo um motor mais potente (e eficiente) do que seu 1.4 8V, enquanto o bom motor 1.5 16V merecia uma transmissão com mais do que apenas 4 marchas como é o caso do Etios.  

 

Nissan Versa Unique 1.6 CVT

  • Resumo

    Preço

    R$ 66.290

    Categoria

    Sedã compacto

    Rivais

    Chevrolet Prisma, Fiat Grand Siena, Toyota Etios Sedã, Volkswagen Voyage

    Vendas em 2015

    17.412 unidades

  • Mecânica

    Motor

    1.6 16V flex

    Potência

    111 cv a 5.600 rpm

    Torque

    15,1 kgfm a 4.000 rpm

    Transmissão

    automática, CVT

  • Dimensões

    Medidas

    4,49 m de comprimento, 1,69 m de largura, 1,50 m de altura e 2,60 m de entre-eixos

    Peso

    1.100 kg

    Porta-malas

    460 litros

 

Com relação a lista de equipamentos de série do Versa Unique praticamente não há do que reclamar. No interior nós encontramos revestimento interno de couro, ar-condicionado automático e digital, computador de bordo e uma completa central multimídia com MP3 e DVD player, entrada auxiliar, navegador integrado e câmera de ré, dentre outras funções, reunidas na tela sensível ao toque de 6,2”. Uma característica marcante do três volumes é o amplo espaço interno, além do bom porta-malas para 460 litros. Poucos carros conseguem transportar 5 adultos com tanto conforto como o Versa.

É nítido como um aprimoramente que veio de carona com o câmbio CVT faz uma enorme diferença no Versa 2017. A equipe da Nissan promoveu uma ampla revisão no elementos antiruído do sedã e a cabine ficou bem mais silenciosa. Agora, o barulho do motor torna-se praticamente imperceptível. Algo necessário uma vez que o CVT muitas vezes costuma trabalhar com o motor em rotações mais elevadas.

O câmbio, menor e mais leve em relação a geração anterior, além de contar com menos atrito interno, tem o comportamento típico de um CVT: procura manter um padrão de rotação ideal do motor de acordo com a situação, algo que alguns condenam por achar “monótono” demais. Preferências à parte, é inegável que o CVT é uma transmissão bem eficiente e seu comportamento suave tem tudo a ver com um modelo de proposta urbana e familiar como o Nissan Versa.

Sem quaisquer alterações na suspensão ou conjunto de direção, o Versa 2017 mantém o comportamento neutro do sedã. As respostas do volante são bem calibradas, assim como a suspensão foca mais no bem estar dos ocupantes do que em oferecer uma dirigibilidade mais agressiva, algo mais do que esperado.

No resultado final, a Nissan acertou em cheio ao oferecer o câmbio CVT no Versa 2017. Com uma transmissão bem mais sofisticada que os rivais e uma boa lista de equipamentos de série, o modelo tem tudo para escalar algumas posições no ranking de vendas da categoria. Se você não quer gastar os quase R$ 70 mil da versão Unique, o Versa CVT também pode ser adquirido nas configurações SV (R$ 57.990) e SL (R$ 64.690).

 
 
Nissan Versa 2017
 
Nissan Versa 2017
Nissan Versa 2017
Nissan Versa 2017
 
Nissan Versa 2017
Nissan Versa 2017
Nissan Versa 2017
 
Nissan Versa 2017
Nissan Versa 2017
Nissan Versa 2017
 
Nissan Versa 2017
Nissan Versa 2017
Nissan Versa 2017
 
Nissan Versa 2017
Nissan Versa 2017
Nissan Versa 2017
 
Nissan Versa 2017
Nissan Versa 2017
Nissan Versa 2017
 
Nissan Versa 2017
Nissan Versa 2017
Nissan Versa 2017
 
Nissan Versa 2017
Nissan Versa 2017
 
 

O "Guru dos Carros", César Tizo se juntou ao time este ano e está à frente dos portais AUTOO e MOTOO. É o expert em aconselhar a compra de automóveis

César Tizo |