Poucas marcas têm um comportamento tão previsível quanto a Volkswagen. A marca prefere esperar a incursão de suas congêneres em diversos segmentos, ver quais iniciativas estão se dando bem e chegar depois em determinada categoria, mas com um produto bem atraente. Foi assim com a Amarok, por exemplo, que trouxe o câmbio automático de 8 marchas e motor 2.0 biturbo diesel ao segmento.

Em breve, provavelmente a partir de 2018, a Volkswagen promete inaugurar sua incursão por um dos segmentos mais agitados no Brasil e na Europa. Estamos falando dos SUVs compactos, que por aqui tem no Honda HR-V a referência a ser vencida, sendo que atualmente ele lidera o ranking de vendas da categoria.

Para isso, a Volkswagen vai seguir sua lógica e investir pesado no modelo. O T-Roc será baseado na nova plataforma MQB A0, uma evolução da arquitetura modular da marca para modelos com motor transversal que estreou na geração mais recente do Seat Ibiza. Por aqui, ela também dará vida à nova família que a Volkswagen está preparando para recuperar parte da participação perdida no mercado brasileiro, que será composta pela volta do Polo, o sedã Virtus e uma picape compacta-média do porte da Fiat Toro, além, é claro, do T-Roc. 

Em uma iniciativa algumas vezes adotada pelas montadoras, a Volkswagen convidou alguns veículos da mídia especializada europeia e norte-americana para avaliar o T-Roc ainda em suas últimas etapas como um veículo de teste. As fotos do modelo, ainda com alguns disfarces, você confere na galeria de fotos logo no fim desse texto.

No geral, o Volkswagen T-Roc agradou e promete movimentar a categoria por aqui quando chegar às lojas. Pelo menos durante a avaliação dos jornalistas europeus, a Volkswagen deixou escapar que ele terá, dentre as opções de motores a gasolina, o novo 1.5 TSI, com turbo, injeção direta e sistema de desativação de cilindros para entregar um ótimo compromisso entre desempenho e baixo consumo. Acima dele estará o nosso conhecido 2.0 TSI, que será a opção para quem procura mais performance. Eles poderão trabalhar em conjunto com o câmbio de dupla embreagem e 6 marchas na Europa, bem como opções com o sistema de tração integral 4Motion foram confirmadas por lá.

Aqui no Brasil, é bem possível que a Volkswagen ofereça o T-Roc com o motor 1.0 TSI (algo que também deverá ocorrer na Europa), bem como reservar o 1.6 16V para versões de entrada. A exemplo do que ocorreu com o Golf VII, o câmbio deverá trocar a dupla embreagem pela caixa automática convencional, com conversor de torque e 6 marchas, transmissão mais robusta e menos sujeita a ruídos em nossos pisos quase sempre longe do estado ideal de conservação. Um eventual T-Roc 2.0 TSI nos parece algo distante por uma questão de preço, contudo quando notamos o Honda HR-V Touring explorar o terreno na casa de R$ 105.000, parece que a Volkswagen terá uma brecha interessante nessa fatia do segmento. O mesmo ocorre para a oferta da tração integral 4Motion. Hoje são raros os modelos que oferecem tração integral e câmbio automático. No segmento, apenas o Jeep Renegade a diesel e os Suzuki Vitara e S-Cross conta com o recurso.

No resumo das avalições, o T-Roc agradou quem teve a oportunidade de conduzir o modelo no deserto de Kalahari, na região Sul do continente africano. Segundo o francês Le Figaro, o “T-Roc aproveita os benefícios da plataforma MQB A0 com entre-eixos de 2,59 m para entregar generoso espaço interno. O porta-malas também conta com uma boa capacidade ligeiramente superior aos 400 litros”.

O pessoal da norte-americana Motor Trend, por sua vez, esperava um pouco mais de desempenho do T-Roc com motor 1.5 TSI de 150 cv. Para eles, o SUV nessa configuração “parece mais lento nas acelerações do que um MINI Countryman ALL4, sendo que o 2.0 TSI parece mais adequado ao SUV”, pelo menos na opinião da revista.

Um ponto muito destacado entre os jornalistas que participaram dessa apresentação prévia do T-Roc é que ele será um modelo bem peculiar dentro da linha Volkswagen, começando por oferecer uma boa gama de itens de persoanlização. Será possível, por exemplo, escolher uma pintura contrastante para o teto, bem como o painel deverá ter elementos que permitirão algum tipo de personalização por parte dos clientes. “Trata-se de um modelo que vai inaugurar uma era mais emocional para a Volkswagen”, destacam os ingleses da Autocar, onde o T-Roc avaliado, ainda como um protótipo, recebeu 4 estrelas na avaliação.

O nome T-Roc, aliás, foi caracterizado pela Volkswagen como a junção da letra “T”, para fazer uma referência aos irmãos maiores Tiguan e Touareg, com a palavra “Roc”, uma modificação de “rock” e que, segundo a VW, “se refere ao caráter off-road do modelo e, de outra maneira, faz uma referência à imagem poderosa e avant-garde que o formato crossover entrega”.

Em seu veredito, a equipe da What Car? Também traçou um panorama animado para o futuro SUV compacto da Volkswagen. “Está claro que o Volkswagen T-Roc vai merecer um lugar na lista de compras de quem procura um modelo nesse segmento baseado em suas qualidades dinâmicas e no espaço interno”, concluem os ingleses.

 
 
Volkswagen T-Roc 2018
 
Volkswagen T-Roc 2018
Volkswagen T-Roc 2018
Volkswagen T-Roc 2018
 
Volkswagen T-Roc 2018
Volkswagen T-Roc 2018
Volkswagen T-Roc 2018
 
Volkswagen T-Roc 2018
Volkswagen T-Roc 2018
 
 
César Tizo

O "Guru dos Carros", César Tizo se juntou ao time este ano e está à frente dos portais AUTOO e MOTOO. É o expert em aconselhar a compra de automóveis

César Tizo | http://www.jcceditorial.com.br/