Ao lado dos sedãs médios, com a chegada das novas gerações do Chevrolet Cruze e do Honda Civic, o segmento das picapes médias também vive um ano agitado. Só em 2016 já tivemos a estreia de atualizações na Chevrolet S10 e na Ford Ranger, isso sem falar na chegada da nova geração da Toyota Hilux, a atual líder em vendas da categoria. Para os próximos meses ainda podemos esperar novidades interessantes, como a nova geração da Nissan Frontier, a estreia da Renault no segmento com a Alaskan e até mesmo a Mercedes-Benz planeja sua investida nas picapes médias com a aguardada Classe GLT.

Pensando em tudo isso, a Mitsubishi já preparou sua representante entre as picapes médias considerando os futuros adversários de peso que ela terá pela frente. A partir deste mês a rede de concessionárias da marca passa a comercializar a L200 Triton Sport, como passa a ser chamada, que chega em três versões, a de entrada GLS tabelada em R$ 131.990, a intermediária HPE (R$ 164.990) e a topo de linha HPE Top de R$ 174.990.

Por fora a picape mudou bem, mantendo poucas semelhanças com a L200 Triton vendida até então, que segue em linha com versões mais acessíveis. Como cabe a toda boa picape média, o visual da L200 Triton Sport traz uma grade dianteira robusta e bem pronunciada, como que anunciando toda a robustez do modelo. Para quem acha o cromado exagerado, é possível adquirir, como opcional, a grade dianteira nas tonalidades Carbono, Preto ou Cinza Grafite. Um detalhe interessante do modelo, é que os faróis passam a contar com iluminação diurna por LED, ajudando a cumprir a nova legislação federal que exige o uso dos faróis acesos nas estradas durante o dia. Na versão HPE Top, os faróis são do tipo bixenon, com regulagem de altura e lavadores integrados no para-choque.

A grande sacada no design, contudo, é vista mesmo na lateral da picape. Adotando uma técnica chamada de J-Line, a Mitsubishi conseguiu diminuir o entre-eixos da Triton Sport, portanto melhorando a dirigibilidade, porém conseguindo entregar um bom nível de espaço interno. Como pudemos constatar, dois adultos se instalam com conforto no banco traseiro, sobrando espaço para joelhos e cabeça. Outro ponto positivo é a inclinação de 25º do encosto do banco traseiro, o que ajuda aos ocupantes a encontrarem uma posição mais relaxada a bordo da picape. Na parte dianteira também não há do que reclamar do espaço, estando na média das concorrentes.

Por falar nas rivais, a capacidade de carga da caçamba é de 1.075 kg, portanto superior à da Chevrolet S10 High Country (1.049 kg) e Toyota Hilux SRX (1.000 kg). O espaço para o transporte de cargas ficou mais fundo, e conta com 1,52 m de comprimento, 1,47 m de largura e 47,5 cm de altura. Segundo a Mitsubishi, a caçamba também conta com uma fixação mais eficiente e um subchassi próprio, o que ajuda até na rigidez torcional do veículo como um todo. A equipe de design, por sua vez, tratou de criar um perfil mais harmônico para a junção entre a caçamba e a cabine. O resultado no geral agrada. A tampa traseira traz como principal atributo as dobradiças instaladas de uma forma que evitam que a peça caia de forma abrupta, uma solução interessante já que a tampa das caçambas de picapes médias costumam ser bem pesadas.

 
 
Mitsubishi L200 Triton 2017
 
Mitsubishi L200 Triton 2017
Mitsubishi L200 Triton 2017
Mitsubishi L200 Triton 2017
 
Mitsubishi L200 Triton 2017
Mitsubishi L200 Triton 2017
Mitsubishi L200 Triton 2017
 
Mitsubishi L200 Triton 2017
Mitsubishi L200 Triton 2017
Mitsubishi L200 Triton 2017
 
Mitsubishi L200 Triton 2017
Mitsubishi L200 Triton 2017
Mitsubishi L200 Triton 2017
 
Mitsubishi L200 Triton 2017
Mitsubishi L200 Triton 2017
Mitsubishi L200 Triton 2017
 
Mitsubishi L200 Triton 2017
Mitsubishi L200 Triton 2017
Mitsubishi L200 Triton 2017
 
Mitsubishi L200 Triton 2017
Mitsubishi L200 Triton 2017
Mitsubishi L200 Triton 2017
 
Mitsubishi L200 Triton 2017
Mitsubishi L200 Triton 2017
Mitsubishi L200 Triton 2017
 
Mitsubishi L200 Triton 2017
Mitsubishi L200 Triton 2017
Mitsubishi L200 Triton 2017
 
Mitsubishi L200 Triton 2017
Mitsubishi L200 Triton 2017
Mitsubishi L200 Triton 2017
 
Mitsubishi L200 Triton 2017
Mitsubishi L200 Triton 2017
Mitsubishi L200 Triton 2017
 
Mitsubishi L200 Triton 2017
Mitsubishi L200 Triton 2017
 
 

Na parte de motor e câmbio, quem para para analisar somente os números pode se sentir um pouco decepcionado, mas, como um estudo mais profundo, é possível notar que a L200 Triton Sport sai na frente das rivais. Seu motor 2.4 16V turbodiesel é o primeiro da categoria com construção utilizando apenas alumínio, o que permitiu uma redução de 30 kg no peso do “coração” da picape. Ele entrega 190 cv de potência e 43,9 kgfm de torque, o que pode parecer pouco frente a rivais como a Chevrolet S10 High Country, a mais potente do segmento com 200 cv e 51 kgfm, porém o segredo da Triton Sport reside no baixo peso. Com uma massa de 1.950 kg, ela alcança uma relação peso/potência de 10,2 kg/cv, número até melhor que os 10,5 kg/cv da Chevrolet S10 (2.101 kg) e seu 2.8 turbodiesel. Já na relação peso/toque, a S10 se sobressai com folga tendo que deslocar 41,19 kg/kgfm contra 44,41 kg/kgfm da Triton Sport. Logo, se você trabalha com a picape próxima ao regime máximo de carga tolerado, a S10 é uma opção mais interessante.

Além de entregar bom desempenho para a categoria, com aceleração de 0 a 100 km/h em 10,4 segundos, a Triton Sport registra parciais de 9,9 km/l na cidade e 11,7 km/l na estrada. A Chevrolet S10 estaciona em 8,4 e 10,4 km/l, respectivamente, e a Toyota Hilux SRX consegue 9 e 10,5 km/l. Vale destacar que a Triton Sport conta com um câmbio automático de 5 marchas (com borboletas no volante para trocas sequenciais), enquanto Hilux e S10 utilizam transmissões de 6 velocidades.

Assim como a Hilux SRX, a Triton Sport também traz um dos sistemas de tração 4x4 mais parrudos do mercado, incluindo aí a possibilidade de bloqueio do diferencial traseiro além dos modos 4x2, 4x4, 4x4 com bloqueio do diferencial central e 4x4 reduzida. A caixa de transferência, inclusive, é nova e está mais compacta que a anterior. O modo de seleção ocorre por meio de um prático seletor rotativo no console central de fácil operação.

A Triton Sport vai muito bem no off-road, conforme pudemos constatar em uma pista com obstáculos como um King de 35º, casca de ovos, dentre outros. A Mitsubishi optou por não oferecer um controle de descida, como a Hilux, porém justifica que a relação de 2,56:1 da marcha reduzida já atua com uma função semelhante. Na prática, ao deixar o câmbio com 1ª engatada o efeito é praticamente o mesmo.

Já que estamos falando de equipamentos, a Triton Sport HPE Top não deixa de oferecer um bom pacote por R$ 174.990, com destaque para os 7 airbags (incluindo o de joelho para o motorista), os controles de tração e estabilidade, revestimento interno de couro, central multimídia completa de 7” com navegador integrado e reprodutor de DVD, piloto automático, câmera de ré, chave presencial com partida por botão, dentre outros. 

 

Mitsubishi L200 Triton Sport HPE Top

  • Resumo

    Preço

    R$ 174.990

    Categoria

    Picape média

    Rivais

    Toyota Hilux, Chevrolet S10, Ford Ranger, VW Amarok

    Vendas em 2015

    14.416

  • Mecânica

    Motor

    2.4 16V turbodiesel

    Potência

    190 cv a 3.500 rpm

    Torque

    43,9 kgfm a 2.500 rpm

    Transmissão

    Automática, 5 marchas

  • Dimensões

    Medidas

    5,28 m de comprimento, 1,81 m de largura, 1,79 m de altura e 3,00 m de entre-eixos

    Peso

    1.950 kg

    Caçamba

    1.075 kg

 

Nesse ponto podemos dizer que a Chevrolet S10 High Country de R$ 170.990 é até mais vantajosa, uma vez que traz recursos avançados como os alertas de colisão e de permanência em faixa, partida remota com acionamento do ar-condicionado, rodas de liga leve aro 18” contra 16” na Triton Sport e o prático serviço OnStar. Ao menos a Triton Sport é bem mais barata do que os R$ 189.970 que a Toyota cobra pela Hilux SRX, que traz como único diferencial mais relevante os faróis com iluminação por LED, o sistema mais avançado e eficiente do momento.

Ao rodar, a Triton Sport mostra-se uma picape com um comportamento dinâmico bem próximo ao de Volkswagen Amarok e Ford Ranger, os modelos mais confortáveis e agradáveis de dirigir do segmento. Uma das soluções veio com a adoção de um feixe de molas mais longo para a suspensão traseira, o que permite uma atuação mais progressiva do conjunto. Com isso, a Triton Sport é mais suave quando enfrenta buracos ou lombadas, sem tantos sacolejos como notamos a bordo da Hilux.

Ponto positivo também vai para o sistema de direção, com diâmetro de giro de 11,8 metros, o melhor da categoria segundo a Mitsubishi, e com o volante registrando apenas 3,8 voltas de batente a batente. Isso se traduz em uma picape mais fácil de manobrar, em especial nas cidades, além de uma condução não tão anestesiada.

Para fisgar seus potenciais clientes, a Mitsubishi anunciou um plano de preço fixo para as seis primeiras revisões da Triton Sport, que totaliza R$ 5.469 no período e devem ser realizadas a cada 10.000 km. O preço do seguro também foi negociado com as seguradoras para girar em torno de 3,5% a 5% do valor do carro. O prazo de garantia é de 3 anos, semelhante ao que as rivais oferecem, porém vale destacar que a Ford concede 5 anos de cobertura para a Ranger.

Com um projeto bem moderno em relação às rivais, antecipando a busca por maior eficiência como também veremos nas futuras Renault Alaskan e Mercedes-Benz GLT, a Mitsubishi L200 Triton Sport desponta como uma das comprar mais interessantes da categoria. Resta saber se conseguirá convencer o público mais conservador, quase sempre adepto de Toyota e Chevrolet. Bom nome no mercado ela já possui, agora traz um conjunto ainda mais racional que a concorrência. Com isso, tem tudo para almejar bem mais que um quinto lugar no ranking de vendas.

O "Guru dos Carros", César Tizo se juntou ao time este ano e está à frente dos portais AUTOO e MOTOO. É o expert em aconselhar a compra de automóveis

César Tizo |