Não há dúvida que o programa Inovar-Auto poderia ser melhor do que é. Ele poderia ter eliminado os motores pouco eficientes, deveria ter reduzido impostos de quem aposta em tecnologia e não aumentar ainda mais de quem não tem ‘fábrica’ no país. Sim, entre aspas porque muitos modelos hoje ‘produzidos’ no país chegam praticamente prontos do exterior.

Mas há de se reconhecer que o Inovar-Auto também acelerou a aposentadoria de muitos veículos que não só seguiam no mercado, mas até lideravam segmentos.

A baixa mais recente foi o Classic, versão sedã do Corsa de primeira geração, que era vendida há duas décadas pela Chevrolet. Confiável, acessível e bastante ‘sólido’, o Classic teve seus méritos para seguir em produção por tanto tempo, mas estava no limite de um mercado e legislação mais exigentes.

Antes dele foram aposentados modelos como o Uno Mille, Gol Special, Kombi, entre outros, além de outros que até eram atuais, mas que perderam apelo com o tempo. Mas, afinal, quais são os ‘velhinhos’ do mercado brasileiro agora? AUTOO levantou os 10 modelos mais antigos à venda no país. O critério foi o lançamento no Brasil da geração original – não contam reestilizações, mesmo pesadas como a do Fox, que é quase outro carro hoje, porém, ainda sobre a mesma plataforma. Confiram:

1º Fiat Palio Fire – Ano de lançamento 1996

Um dos carros mais baratos do país, o Palio Fire sobrevive por uma boa razão: ao contrário de outros concorrentes da sua época, ele se beneficiou de um projeto moderno que assimilou airbags e freios ABS. Por isso segue à venda, mas distante dos seus bons tempos. Ele é, essencialmente, o mesmo carro desde 1996, quando foi lançado.

2º Fiat Siena Fire – Ano de lançamento 1997

Assim como o hatch, o sedã Siena também segue a mesma receita de longevidade, mas custa bastante – a versão de entrada sai por R$ 36,8 mil. Por isso, suas vendas hoje são bem modestas, mal chegando a 3 mil unidades por mês, isso incluindo o Grand Siena, uma nova geração.

3º Fiat Weekend – Ano de lançamento 1997

A perua Palio Weekend chegou ao mercado na mesma época do Siena, em 1997, e agradou. Quem não se lembra da propagando do peixinho triste? Mas, ao contrário do hatch e do sedã, não ganhou uma nova geração já que o segmento de peruas está desaparecendo. Hoje a Weekend (ela perdeu o primeiro nome recentemente) ocupa um modesto 57º no ranking geral de vendas.

4º Fiat Strada – Ano de lançamento 1998

Se seus irmãos andam próximos do ocaso, a Strada é um fenômeno: lidera com folga o segmento de picapes compactas e se reinventou nos últimos anos com novidades com o diferencial blocante, a cabine dupla e as versões Adventure. Deve ganhar uma sucessora nos próximos anos, aproveitando a experiência com a bem sucedida Toro.

5º Renault Clio – Ano de lançamento 1999 (no exterior 1998)

A segunda geração do Clio segue à venda no Brasil, mas já teve a morte anunciada. A Renault vai substituí-lo com o Kwid, um compacto meio SUV meio hatch que será lançado em breve. Enquanto isso, o Clio é uma das poucas opções de compacto acessível no mercado, uma ironia para um carro que foi um dos primeiros hatches ‘premium’ do país.

 
 
Renault Clio 2013
 
Renault Clio: aposentadoria confirmada
Renault Clio 2013
Fiat Strada 2016
 
Fiat Strada: fenômeno de vendas
Fiat Strada 2016
Fiat Siena 2016
 
Fiat Siena já teve tempos melhores
Fiat Siena 2016
Nissan Frontier 2015
 
Nissan Frontier só terá sucessora em 2018
Nissan Frontier 2015
Fiat Doblò Adventure Extreme
 
Fiat Doblò: boa aceitação até hoje
Fiat Doblò Adventure Extreme
Fiat Idea Essence
 
A Fiat diz que o Idea segue enquanto houver demanda, mas ela anda sumida
Fiat Idea Essence
Fiat Palio Fire
 
Fiat Palio, o mais antigo do mercado com a aposentadoria do Classic
Fiat Palio Fire
Hyundai Tucson 2016
 
Hyundai Tucson já está na 3ª geração, mas a primeira ainda vende bem no Brasil
Hyundai Tucson 2016
Volkswagen Fox 2016
 
Volkswagen Fox, o carro metamorfose
Volkswagen Fox 2016
O Fiat Palio Weekend Adventure Locker, em 2008, é o primeiro carro feito no Brasil a contar com diferencial blocante para o eixo dianteiro
 
A Weekend já foi uma perua desejada. Hoje sofre com a falta de interessados no segmento
O Fiat Palio Weekend Adventure Locker, em 2008, é o primeiro carro feito no Brasil a contar com diferencial blocante para o eixo dianteiro
 
 

6º Fiat Doblò – Ano de lançamento 2001 (no exterior 2000)

Versátil, o Doblò sempre teve boa aceitação no Brasil, a despeito do visual pouco atraente. Espaçoso, o modelo até hoje vende bem como veículo de passeio ou carga. Mas estamos com a primeira geração ainda, atualizada na mesma época em que a Europa recebia a segunda geração do modelo.

7º Volkswagen Fox – Ano de lançamento 2003

O Fox é uma das maiores metamorfoses já vistas no mercado de automóveis. Nasceu há 13 anos como um compacto com elementos de minivan e a meta ousada de ser o sucessor do Lupo na Europa, o carro urbano da Volks. De um começo em que só era vendido com 2 portas, com um painel minimalista e interior de acabamento pobre, o Fox evoluiu para um visual atraente, muita tecnologia a bordo e status de compacto premium.

8º Fiat Idea – Ano de lançamento 2005 (no exterior 2003)

O Idea foi a resposta da Fiat ao crescimento das minivans no início da década passada. Ele trouxe o visual da versão italiana, mas usava a base de outros compactos da marca no Brasil. Teve uma fase boa com direito a versão Adventure, mas, assim como outras minivanas, perdeu espaço para os SUVs compactos. Embora há quem diga que foi aposentado, a Fiat ainda garante que ele segue em linha.

9º Hyundai Tucson – Ano de lançamento 2005 (no exterior 2004)

O Tucson foi um dos responsáveis por mudar a imagem ruim que a Hyundai tinha no Brasil, dos tempos da vans de passageiros como a H100. De visual simpático e preço em conta, o SUV médio dominou o segmento por muitos anos a ponto de a importadora CAOA decidir montá-lo numa fábrica própria no país. Se reveza com seu sucessor, o ix35, entre os mais vendidos da categoria até hoje, onze anos após ser lançado.

10º Nissan Frontier – Ano de lançamento 2006 (no exterior 2004)

Picapes são veículos que demoram geralmente uma década para pular uma geração. Foi o caso da líder Hilux, que mudou no ano passado, justamente 10 anos após a anterior. Agora, quem está no final da fila é a Frontier, que segue sendo produzida na segunda geração no Paraná. Sua sucessora será produzida na Argentina em 2018 e até lá a nacional continua em linha, mas com vendas cada vez mais discretas.

Ricardo Meier

Publisher do AUTOO é o criador do site e tem interesse especial pelo sobe e desce do mercado, analisando os números de vendas de automóveis todos os meses

Ricardo Meier |