Audi Q5 é lançado no Brasil

Crossover terá duas versões, 2.0 TFSI, por R$ 205 840, e V6 3.2, por R$ 263 300

A grade dianteira é a marca registrada | Imagem: Audi

Pela missão que tem, já é possível entender a importância do Q5 para a Audi: ser o terceiro modelo mais vendido no Brasil, depois do A3 e do A4. O novo crossover alemão traz todas as características que agradam ao cliente dessa categoria. Tem porte avantajado, capacidade off-road comprovada, segurança e desempenho de sobra na cidade e na estrada, onde efetivamente é utilizado.

O Q5 é também a segunda experiência da Audi com utilitários esportivos – o primeiro foi o maior Q7 e o terceiro, o Q3, está em desenvolvimento para ocupar uma categoria menor, onde hoje atuam Captiva, Tiguan e CR-V, claro, mas com padrão “premium”.

Exceto pela altura, quase não se nota que o Q5 é um off-road. O design é limpo e moderno, faróis e lanternas exibem o sistema de leds – segundo a marca, dez vezes mais eficientes que as lâmpadas comuns –, e o nível de conforto é extremo.

A Audi diz que, ao pensar no projeto, quis justamente criar uma espécie de anti-SUV e que tivesse capacidade esportiva à altura de outros modelos da marca. E conseguiu. O Q5 que começa a ser vendido no Brasil possui os consagrados motores, câmbio e suspensão da marca.

Versões especiais

Estamos falando dos propulsores com injeção direta de combustível e turbo (2.0), da transmissão S tronic, com dupla embreagem, e da suspensão independente nas quatro rodas de múltiplos braços. Ou seja, é uma configuração de carro esportivo, o que o Q5 não nega já que acelera de 0 a 100 km/h em apenas 6,9 segundos e tem velocidade máxima de 234 km/h com o motor V6.

Além disso, tanto o motor 2.0 quanto o câmbio são versões mais desenvolvidas – enquanto o TFSI normal rende 200 cv, no Q5 ele gera 214 cv, já o câmbio possui sete marchas contra seis de outros modelos. O segredo para o desempenho superior do motor é o sistema AVS, que controla a abertura e o fechamento das válvulas.

A arquitetura do veículo foi pensada para oferecer mais espaço e para isso possui diferencial instalado em posição mais avançada, à frente da embreagem, o que permitiu um entre eixos maior, de 2,81 m. O Q5 traz toda a gama de auxílios eletrônicos que um modelo assim exige para manter o nível de segurança. Os freios são ABS com EBD, a controle de estabilidade (ESP), de tração (ASR) e dispositivos extras para auxiliar a frenagem, como o HBA e BA.

Dirigindo o Q5

Avaliamos o novo Audi durante um trajeto de mais de 100 km de estradas e uma pista off-road montada pela marca em Campinas. A primeira constatação é que o Q5 é grande, porém, o espaço tem limitações. Os bancos traseiros têm boa distância dos assentos dianteiros, mas o túnel central é imenso, o que conclui que a Audi quer que o Q5 leve apenas quatro pessoas.
O painel é familiar para quem já dirigiu outros Audi. Os instrumentos têm a mesma distribuição, o console central é dominado pelo sistema multimídia MMI que é controlado por botões localizados abaixo, na altura do seletor de CDs.

A base do console concentra o freio de estacionamento elétrico e o botão de partida à esquerda e as teclas de acionamento do sensor de estacionamento, ESP para trechos off-road e o HDA, o recurso de descida automática de ladeiras, que funciona acima de 10º de inclinação.

Dependendo da versão, o botão de partida do motor não existe e é preciso acioná-lo pelo painel, empurrando a chave. Como opcional, a marca oferece o Audi Drive Select, um equipamento interessante que muda o comportamento da suspensão, direção e do câmbio conforme o modo selecionado entre conforto, dinâmico ou “Auto” para que o carro escolha a opção mais indicada.

O Q5 avaliado possuía esse sistema, cujo funcionamento é nítido, sobretudo na suspensão, que se mostra mais sensível no modelo dinâmico, e no volante, mais pesado e ágil. Mas custa R$ 15 944 na versão 2.0 e R$ 17 040 no V6, valores que tornam o Q5 bem mais caro.

Com quase 1 800 kg, o Q5 com motor 2.0 TFSI é surpreendentemente ágil nas saídas, mas um pouco menos nas retomadas. O câmbio S tronic demonstra as mesmas respostas imediatas sentidas em outros modelos da marca, mas sua atuação é automatizada demais: mesmo que estejamos no modo esportivo e trocando manualmente as marchas pelo paddle-shift, o Q5 não permite que o giro do motor entre na faixa de corte.

A carroceria, mesmo no modo dinâmico, inclina com certa força nas curvas, mas o sistema de estabilidade atua prontamente para manter o veículo numa trajetória segura.

Na hora de andar na terra, o Q5 revelou um bom comportamento. A Audi não informou os ângulos de entrada e saída do modelo nem a altura do solo, mas o crossover passou por vários obstáculos sem nenhum raspão. Testamos também o HDA em duas pequenas rampas (veja galeria de fotos). Para funcionar de acordo, é preciso acionar o ESP off-road, que controla a dinâmica do veículo em outros parâmetros, por exemplo, freando a roda que está no ar em alguma manobra e distribuindo sua tração para outras rodas.

O HDA entra em ação numa velocidade padrão de 6 km/h, mas pode ser acelerado até 30 km/h, dependendo do comprimento da descida.

Outros detalhes que chamaram a atenção foram os faróis duplos de xenônio e o teto solar Sky Window, ambos de série. Entre os itens opcionais, dois fizeram falta. O piloto automático Adaptative Cruise Control, que possui radar para manter a distância do veículo da frente e o sistema de auxílio de estacionamento. O primeiro custa R$ 7 580 (2.0) e R$ 8 100 (V6) e o segundo, R$ 3 658 (2.0) e R$ 3 910 (V6). Há ainda o conjunto de som Bang & Olufsen, com dez alto-falantes.

Mercado restrito

O Q5 poderá ser adquirido em quatro versões de acabamento, 2.0 Attraction, 2.0 ambiente, 3.2 Ambiente e 3.2 Ambition. A maior diferença entre elas são as rodas, aro 18 na primeira, aro 19 na segunda e na terceira, e aro 20 na última. A Attraction responderá por 55% das vendas e o motor 2.0 como um todo, por 80% da procura.


A Audi, ao desejar que o Q5 seja seu 3º modelo mais vendido, quer a liderança desse segmento. Embora não tenham revelado a expectativa de vendas, o novo veículo deve emplacar cerca de 30 a 40 unidades por mês para atingir sua meta. Isso significa superar o BMW X3 e o Mercedes-Benz GLK, seus concorrentes mais diretos. No entanto, é menos que o Volvo XC60, mas o carro sueco está numa faixa de preço diferente e não deve disputar clientes com o Audi. O fato é que o Brasil ainda é mercado marginal para esse tipo de veículo, embora o crescimento da categoria seja grande nos últimos anos.

Recomendados por AUTOO

Youtube
Toyota Corolla Cross 2025 muda para encarar chineses

Toyota Corolla Cross 2025 muda para encarar chineses

Modelo ganhou novo visual e alguns equipamentos interessantes. Assista
Aviação
Maior avião brasileiro está combatendo incêndios no Pantanal

Maior avião brasileiro está combatendo incêndios no Pantanal

Embraer KC-390 da FAB pode ser convertido para avião bombeiro. Veja como funciona
MOTOO
Bajaj inaugura fábrica no Brasil

Bajaj inaugura fábrica no Brasil

Uma das maiores montadoras do mundo, a gigante indiana construiu fábrica própria em Manaus para produção de motocicletas