Bravo, Idea, Linea e Freemont dão adeus ao Brasil

Fiat aposentou os quatro modelos no começo de 2017, cujas vendas seguiam apenas por conta do estoque
Fiat Freemont 2016

Fiat Freemont 2016 | Imagem: Divulgação

A Fiat começou 2017 com uma ‘faxina’ em seu portfólio. Como já era esperado, os modelos Idea, Bravo e Linea deixaram de ser oferecidos oficialmente – o que resta nas concessionárias é estoque ainda do primeiro semestre. E até o mexicano Freemont, uma versão da Fiat do Dodge Journey (que, a princípio, segue à venda), saiu de cena. Ele era outro modelo cujas vendas caíram demais em 2016.

O fim da produção do Idea, Bravo e Linea já havia sido revelado pelo site Autos Segredos, conforme fontes da linha de montagem. A montadora, no entanto, negou argumentando que os três seriam vendidos conforme a demanda.

No entanto, era claro que esses automóveis já haviam perdido mercado a ponto de não serem mais viáveis comercialmente.O mesmo ocorreu com o SUV Freemont, que já deveria ter sido substituído por uma nova geração do Journey, mas que foi suspensa pela FCA.

De quebra, a Fiat também eliminou duas versões de entrada do Palio (Fire) e do Siena (EL), ambas da primeira geração. Além deles, não consta mais do site da marca a versão comercial do Doblò, embora o modelo de passageiros siga com um volume respeitável de vendas.

Atualização em curso

As mudanças no line-up da Fiat estão sendo gestadas desde o ano passado. A marca perdeu uma enorme fatia de participação do mercado, que ficou menor e mais seletivo. Com isso, a ideia parece ser enxugar a quantidade de modelos e focar em produtos mais atraentes – ou seja, é provável que a perua Weekend e o Doblò sejam os próximos a deixar o mercado.

Caso isso se confirme, no final de 2017 deverão restar os seguintes carros de passeio em ordem de preço:

- Fiat Mobi
- Fiat Uno
- Fiat X6H (sucessor do novo Palio, Punto e Bravo)
- Fiat X6S (sucessor do Grand Siena e Linea)
- Fiat 500 (com importação mais pontual)
- Fiat X6P (sucessora da Strada)
- Fiat Toro

Falta, evidentemente, nesse cenário um SUV compacto e, embora o presidente da FCA já tenha deixado claro que esse segmento é quase exclusivo da Jeep nunca se pode subestimar o clamor da rede de concessionários que certamente está feliz com as ótimas vendas da picape Toro.

É certo que até que o país saia da crise econômica, as vendas de carros zero km deve se concentrar na faixa que vai de R$ 45 mil a R$ 100 mil e onde as três novidades esperadas para 2017 (a nova família X6) ficará e complementará a Toro. Outra certeza é que o volume de vendas de outros anos não deverá ser repetido, porém, a margem de lucro será sem dúvida maior e isso conta mais numa época como a que vivemos.

Assine a newsletter semanal do AUTOO!