Com pinta de Golf, up! 2018 chega às lojas

Volkswagen trabalha a imagem do hatch subcompacto para oferecer mais sofisticação e equipamentos, além de uma leve reestilização
Volkswagen up! 2018

Volkswagen up! 2018 | Imagem: Divulgação

É com essa carinha inspirada no Golf que o up! 2018 chega ao mercado brasileiro em abril. A Volkswagen promoveu a primeira reestilização no subcompacto, mas focou mesmo em melhorar o pacote de itens e também melhorar a percepção de qualidade do modelo de entrada.

A nova linha 2018, que inclui a série limitada Connect, ficou levemente maior que a anterior. Graças aos novos para-choques, mais protuberantes, o up! ganhou nada menos que 8,4 cm de comprimento, a maior parte advinda da nova frente.

O que chama a atenção por fora é a aparência de ‘Golf’ do up! 2018. Os faróis ganharam novo desenho interno e a ‘grade’, um friso vermelho que lembra o hatch médio. As versões com motor TSI ganharam um emblema na coluna B (atrás do motorista) para evidenciar o que se esconde no capô.

Uma boa sacada da Volkswagen foi trocar as rodas aro 13 por 14 polegadas para valorizar a impressão de um carro maior – um dos problemas desses pequenos hatches no Brasil. A versão TSI mantém o aro 15. Em resumo, aquela mexida discreta que a marca alemã prefere fazer – há quem goste e que não goste.

Painel mais esmerado

Se por fora as diferenças são sutis, por dentro o up! parece ter recebido um cuidado maior – ainda tivemos contato com o carro pessoalmente. O toque de ‘Golf’ é o novo volante multifuncional, de série a partir da versão intermediária Move up!. Quer dizer, ‘novo’ em termos, já que é usada por vários outros carros da VW.

O painel de instrumentos continua a ser analógico com três conjuntos separados, mas eles são maiores agora e com iluminação em LED. O console central também ganhou um ‘upgrade’ com direito a uma moldura em formato de diamante e interior com revestimento laminado. O rádio também tem uma interface mais bonita e sofisticada e agora o up! traz um suporte para celular no topo do console que pode ser usado com um aplicativo ‘Maps & More’.

Mais itens de série

Como a versão de entrada Take up! só é interessante com o pacote opcional que inclui ar-condicionado e direção elétrica, itens obrigatórios hoje em dia, é a partir da Move up! que o hatch deve ser analisado.

Essa versão passa a contar com o volante multifunção, rodas de liga 14 polegadas, faróis de neblina, computador de bordo, sensor de estacionamento e retrovisores externos com luzes de direção e função ‘tilt-down’ (que o direciona para baixo para facilitar manobras).

A versão high up! vem com sensores crepuscular e de chuva além do sistema ‘Coming & Leaving Home’ que mantém o carro iluminado até 30 segundos após travado. Ele também estreia as ‘cornering lights’, faróis que são rotacionados nas curvas para aumentar a segurança.

Na ponta dos pés

A Volkswagen não mexeu na parte mecânica e nem precisava. O up! dispõe de dois motores extremamente eficientes, ambos de três cilindros. O aspirado, com 82 cv, e o TSI, turbo, com 105 cv. Curiosamente, a VW testou um up! TSI com pneus de 14 polegadas com baixo arrasto e obteve um resultado no Inmetro de 1,40 MJ/km, um número extremamente baixo – a versão com pneus maiores mantém os 1,44 MJ/km.

A Volkswagen ainda não revelou os preços do up! 2018 – a informação deve ser divulgada no evento de lançamento nas próximas semanas -, mas é seguro esperar um reajuste pequeno, se ele existir. Embora um veículo moderno e global, o up! sofre num mercado que valoriza a percepção de valor associada ao tamanho.

Em outras palavras, como justificar um carro tão pequeno custar R$ 46 mil na versão Move, o mesmo que alguns concorrentes bem maiores? Por mais que o aproveitamento interno seja bom e que o up! seja extremamente econômico, não é uma tarefa fácil.

Como o Brasil tem um mercado de automóveis distorcido essa tarefa torna-se muito complicada. Aqui deveríamos comprar Golf em vez de Gol, Corolla em vez de Etios sedã, CR-V no lugar de HR-V, mas o poder compra do brasileiro de classe média não permite isso. A saída é apelar para esses ‘super compactos’ como Onix ou Ka, algo que o up! 2018, por mais que se esforce para ‘ficar na ponta dos pés’, não é.