FCA retoma produção de Fiat e Jeep no Brasil; Volkswagen adia reinício

FCA volta a fabricar veículos em todas as suas plantas nacionais após 48 dias de suspensão de atividades
Acima a fachada da fábrica da FCA em Goiana (PE), de onde sairão boas novidades para o mercado brasileiro

Acima a fachada da fábrica da FCA em Goiana (PE), de onde sairão boas novidades para o mercado brasileiro | Imagem: Divulgação

A Fiat Chrysler Automobiles (FCA) do Brasil informou que retomou as atividades produtivas em todas as suas fábricas nacionais desde a última segunda-feira 11 de maio. A empresa, que produz os modelos da Fiat e da Jeep por aqui, permaneceu durante 48 dias com a fabricação de automóveis suspensa por conta da pandemia da Covid-19. A companhia informou que usou os exemplos de suas operações na matriz italiana e da Ásia para moldar o retorno.

De acordo com a FCA, a retomada é gradual e foi precedida pela adoção de um conjunto de medidas de padrão mundial em sanitização, reorganização de postos de trabalho e adaptação de espaços comuns, visando uma jornada segura para os cerca de 4.300 trabalhadores da fábrica da Fiat em Betim (MG) e os 1.500 que retornaram à planta de Goiana (PE), de onde saem os modelos da Jeep e a Fiat Toro.

As medidas de segurança incluíram preparação em casa para o trabalho, conduta na viagem nos ônibus que fazem o transporte para as fábricas, passos dos empregados dentro do ambiente fabril para evitar aglomerações e o retorno para casa ao fim do expediente. Além da obrigatoriedade do uso de máscaras, as fábricas agora contam até com câmeras térmicas para monitorar a temperatura dos funcionários e identificar possíveis casos de febre. 

O regime de home office continua a vigorar para todos os trabalhadores administrativos e não diretamente envolvidos nas atividades de produção, com o intuito de diminuir ao máximo o fluxo de pessoas nas fábricas. O mesmo princípio foi aplicado a todos os escritórios administrativos e regionais da FCA no Brasil.

De acordo com a empresa, as mesmas medidas foram implementadas com êxito para os cerca de 600 empregados da planta de motores de Campo Largo (PR) que voltaram ao trabalho em 4 de maio. Após 48 dias de paralisação, a FCA também realizou um processo de revisão de todo o maquinário das linhas de montagem para assegurar uma retomada segura.

A FCA informou ainda que o volume de produção seguirá uma rampa de crescimento no decorrer de maio, acompanhando a adaptação das plantas aos novos procedimentos e à demanda do mercado. Antes da suspensão das atividades, em 23 de março, o ritmo de produção era de 1.600 veículos por dia em Betim (MG) e de 1.000 veículos por dia em Goiana (PE).

Volkswagen 

Sem uma manifestação oficial da montadora até o momento, o Sindicato dos Metalúrgicos do ABC informa que o retorno às atividades por parte da Volkswagen foi adiado do dia 18 para o próximo dia 25 deste mês. “Neste momento de insegurança com relação à saúde dos trabalhadores, chegamos à conclusão que o ideal seria usar as folgas futuras agora. Nós já tínhamos quatro dias para trabalhar futuramente, agora teremos mais cinco, então ficaremos devendo nove folgas”, explicou Wagner Lima, coordenador da representação do sindicato na Volkswagen. Os trabalhadores da Volkswagen que estão em casa desde 23 março tiveram as férias coletivas estendidas até o fim do mês passado. No dia 20 de abril votaram, por meio de assembleia virtual no site dos Metalúrgicos do ABC, acordo com redução de jornada e garantia do pagamento do salário líquido a todos os trabalhadores, acrescenta o órgão representativo. 

Acima a unidade Anchieta, sede da Volkswagen do Brasil
Acima a unidade Anchieta, sede da Volkswagen do Brasil
Imagem: Divulgação

Assine a newsletter semanal do AUTOO!