Kia é a marca importada que mais perdeu mercado em 2012

Aumento do IPI fez montadora coreana cair 44,5%. Audi, Chery e JAC cresceram graças ao aumento do portfólio

Kia Picanto 2012 | Imagem: Kia

Em meados de setembro de 2011 os rumores sobre uma nova lei para carros importados tiraram o sono de muitas montadoras que atuam no Brasil. Alemãs, chinesas, coreanas, todas estavam prestes a tomar uma verdadeira rasteira. Em dezembro do mesmo ano, o aumento de 30% no Imposto sobre Produtos Insutrializados foi decretado e, junto dele, a iminente queda nas vendas dos carros trazidos de fora do Mercosul e México.

Agora, a Abeiva (Associação Brasileira das Empresas Importadoras de Veículos Automotores) divulgou o resultado dos primeiros quatro meses de 2012, e o efeito da mudança repentina começa a surgir.

Veja mais: Conheça os 10 carros mais baratos do Brasil

A marca que mais sofreu com a medida - que mirava no crescente déficit cambial - foi a Kia Motors. Ela já estava muito bem posicionada para abocanhar a fatia dos carros de entrada com o novo Picanto, até chegar o novo IPI. Segundo associação, em 2011 a Kia vendeu 25.198 unidades até abril, já neste ano foram apenas 13.996, uma queda expressiva de 44,5%.

As marcas orientais, por sinal, foram as que mais sofreram no período, conforme mostrou o levantamento da Abeiva. A sul-coreana SsangYong, por exemplo, teve uma queda de 37,3% nas vendas com os 1.556 carros vendidos em 2011 e os 975 deste ano.

Effa e Lifan também estão entre as primeiras com o maior índice de queda. Até abril do ano passado, a primeira havia vendido 3.044 unidades e a segunda, 986.  Após os aumentos estes números caíram para 2.068 e 693, respectivamente.

O sumiço de clientes também atingiu em cheio as marcas de luxo. A BMW vendeu 646 carros a menos em 2012 e agora amarga uma queda de 21,3%, assim como a Volvo que vendeu 1.142 carros até abril do ano passado, enquanto neste foram apenas 984 unidades.

Quem se deu bem?

Do outro lado da ponta, as chinesas JAC e Chery reagiram à medida com redução de margem e promoções. As duas marcas também se beneficiaram do aumento de seus portfólios, como a chegada do QQ e do J6, para manter um saldo positivo nos quatro primeiros meses de 2012. A marca do Faustão já vendeu 6.785 carros até abril e a Chery 6.575 - em 2011 os números foram de 2.553 e 3.480, respectivamente.

A Audi foi outra que, graças ao A1 (que não era vendido no Brasil até o começo de 2011) conseguiu manter números positivos. A marca alemã vendeu 1.339 carros este ano, contra 1.068 modelos emplacados no ano passado. Agora os importadores lutam para que o governo estipule cotas de importação sem o acréscimo de IPI para voltar a oferecer veículos a preços competitivos.

Venda de veículos importados no Brasil de janeiro a abril
Marca Vendas 2011 Vendas 2012 Variação (%)
Kia Motors 25.198 13.996  -44,5
SsangYong 1.556 975  -37,3
Effa 3.044 2.068  -32,1
Lifan 986 693  -29,7
BMW 3.029 2.383  -21,3
Volvo 1.142 984  -18,3
Changan 712 629  -11,3
Mini 805 726  -9,8
Hafei 2.212 2.171  -1,9
Suzuki 1.999 2.189  9,5
Chrysler 280 310  10,7
Audi 1.068 1.339  25,4
Land Rover 1.995 2.692  34,9
Dodge 819 1.232  50,4
Jeep 657 1.064  61,9
Chery 3.480 6.575  88,9
Jac 2.553 6.785  165,8

Assine a newsletter semanal do AUTOO!