As carrocerias Landaulet são caracterizadas pela capota parcialmente aberta, sendo que somente os passageiros do banco traseiro gozam do vento nos cabelos. Foi um estilo muito famoso nas décadas de 1920 e 1930 entre os abastados, mas com o tempo perdeu força até praticamente desaparecer, ficando limitado somente a séries muito restritas de marcas premium. É o caso do único exemplar do Lexus LS 600h com o teto semi-recortado.

O veículo foi criado pela Lexus, a divisão de luxo da Toyota, especialmente para servir ao casamento do príncipe de Mônaco Albert II com a plebeia Charlenne Wittstock – a cerimônia está marcada para 2 de julho deste ano. Após os votos, o novo casal real desfilará a bordo do LS 600h Landaulet pelas ruas do principado monegasco. A propósito, esse ainda será um passeio ecológico, pois o modelo tem motorização híbrida gasolina/elétrica.

Lexus LS 600h Landaulet
Divulgação

A parte traseira da capota é construída em policarbonato e seu manuseio é totalmente manual

De acordo com a Lexus, a conversão do LS 600h sedã para o formato Landaulet consumiu mais de 2.000 horas de trabalho até ser completado. O projeto começou com maquetes digitais e a adaptação da carroceria foi totalmente manual. Com a ausência do teto fixo, a marca teve de reforçar as estruturas laterais do carro com fibra de carbono e kevlar. Já o canopi transparente que cobre a sessão traseira do veículo foi confeccionada em policarbonato de 8 mm de espessura e apenas 26 kg de peso. A peça é encaixada ou retirada manualmente.

Lexus LS 600h Landaulet
Divulgação

No Landaulet, os passageiros viajam na parte traseira com os cabelos ao vento

No final das celebrações em Mônaco, o único, e primeiro, Lexus parcialmente conversível ficará exposto no Museu Oceanográfico do principado. A marca japonesa, entretanto, já avisou que não produzirá mais exemplares do LS 600h Landaulet.

Thiago Vinholes

|