Há carros que parecem um belo terno feito por um alfaiate: eles vestem bem. O A3 Sedan é desses raros modelos sob medida. É um sedã com pegada de cupê, vem equipado com um conjunto mecânico para lá de eficiente, equipamentos de tirar o chapéu e ainda não compromete no espaço interno. Até o design melhorou em 2017 com a primeira reestilização.

Mas o que soa como uma receita perfeita na verdade tem uma “deficiência”: o A3 Sedan não é um utilitário esportivo. Esse papel cabe ao Q3, hoje o modelo mais vendido da Audi no Brasil.

É uma pena porque por melhor que o Q3 seja (e ele é outro desses modelos que você gosta logo de cara) não tem o charme do sedã. Hoje, no entanto, pouca gente enxerga essa beleza preferindo trocar a silhueta esguia do A3 pelo porte do SUV.

O resultado é que o A3 Sedan é um carro com público cada vez menor. A versão Ambition avaliada pelo AUTOO, com motor 2.0 TFSI (turbo com injeção direta) então vende quase nada – nos últimos três meses foram apenas 44 unidades emplacadas no país (6% do total do modelo).

E qual a razão dessa falta de interessados? Certamente o preço bastante salgado (R$ 161 mil) e que beira os R$ 180 mil se você levar alguns opcionais tentadores. Com esse valor é possível levar para sua garagem um Jeep Compass, sim um SUV, na versão Trailhawk com motor diesel e tração 4x4 (escolha feita por nada menos que 1.017 clientes entre setembro e novembro).

Não precisamos ir muito longe. O próprio Q3 com motor 2.0 sai por um preço parecido embora sem alguns dos seus diferenciais tecnológicos. Mas, enfim, vale a pena comprar o A3 Sedan 2.0?

Quase autônomo

Se você é fã de sedãs com pegada esportiva e busca um carro de porte entre compacto e médio o A3 é uma opção quase que única no mercado. Apenas a Mercedes-Benz oferece algo parecido, o CLA. Já as demais ou têm modelos grandes ou menos sofisticados.

O próprio A4 é hoje um veículo de grandes dimensões, menos afeito ao ambiente urbano, mas custa pouco mais que o A3 Sedan 2.0 (R$ 166 mil). É no desempenho que o modelo avaliado acaba se sobressaindo: com o motor de 220 cv de potência e 35,7 kgfm de torque, o A3 vai de 0 a 100 km/h em 6,9 segundos e pode chegar a 250 km/h (a partir daí é limitado eletronicamente).

Mesmo sendo um carro veloz ele não é gastão. O consumo verificado ficou acima de 10 km/l (o A3 2.0 só bebe gasolina). Ou seja, dá para se divertir sem se preocupar com a conta no posto de combustível. De quebra, o Audi oferece a opção de selecionar o modo de direção entre esportivo, econômico, padrão e personalizado que altera vários aspectos do veículo.

Além do motor turbo com injeção direta, o A3 vem equipado com um câmbio de dupla embreagem de seis marchas com opção de trocas manuais por borboletas atrás do volante. A tração é dianteira e as rodas são de aro 17 com pneus de baixo perfil 225/45.

Um dos recursos mais bacanas do A3 2.0 é o ACC, o controle de cruzeiro adaptativo. Com ele é possível ajustar a distância a ser mantida do carro à frente e deixar o carro controlar isso automaticamente. Ou seja, quase um veículo autônomo, algo que chegou a ser realidade quando o sistema Active Lane Assist estava disponível no modelo.

Painelzão

A unidade avaliada pelo AUTOO estava, é claro, equipada com os opcionais, incluindo aí o Virtual Cockpit, um painel de instrumentos digital e configurável e que estreou no Brasil a bordo do TT. Ele é parte de um pacote que traz ainda o sistema de navegação MMI Plus, interface para smartphone e volante com a base achatada. O preço desse conjunto era de R$ 16 mil. Como são úteis e indispensáveis num carro dessa categoria, é de se considerar que o A3 Sedan 2.0 custe R$ 177 mil, um valor bastante alto. O Virtual Cockpit, aliás, deveria ser de série. O recurso é muito prático e intuitivo, permite que você priorize as informações mais importantes incluindo um imenso mapa do navegador.

Se parecesse futurista nesse sentido, o A3 peca pelo painel e console minimalista. O desenho horizontal com poucos elementos passa uma impressão de simplicidade comparado a de outros carros cujos interiores são mais “carregados”. Apesar disso, não faltam equipamentos: o ar-condicionado é de dupla zona, há os comandos de acionamento da central logo à frente da manopla do câmbio e o freio de estacionamento é elétrico.

 
 
Audi A3 Sedan 2017
 
Audi A3 Sedan 2017
Audi A3 Sedan 2017
Audi A3 Sedan 2017
 
Audi A3 Sedan 2017
Audi A3 Sedan 2017
Audi A3 Sedan 2017
 
Audi A3 Sedan 2017
Audi A3 Sedan 2017
Audi A3 Sedan 2017
 
Audi A3 Sedan 2017
Audi A3 Sedan 2017
Audi A3 Sedan 2017
 
Audi A3 Sedan 2017
Audi A3 Sedan 2017
Audi A3 Sedan 2018
 
Audi A3 Sedan 2018
Audi A3 Sedan 2018
Audi A3 Sedan 2018
 
Audi A3 Sedan 2018
Audi A3 Sedan 2018
Audi A3 Sedan 2018
 
Audi A3 Sedan 2018
Audi A3 Sedan 2018
Audi A3 Sedan 2018
 
Audi A3 Sedan 2018
Audi A3 Sedan 2018
Audi A3 Sedan 2018
 
Audi A3 Sedan 2018
Audi A3 Sedan 2018
Audi A3 Sedan 2018
 
Audi A3 Sedan 2018
Audi A3 Sedan 2018
Audi A3 Sedan 2018
 
Audi A3 Sedan 2018
Audi A3 Sedan 2018
Audi A3 Sedan 2018
 
Audi A3 Sedan 2018
Audi A3 Sedan 2018
Audi A3 Sedan 2018
 
Audi A3 Sedan 2018
Audi A3 Sedan 2018
Audi A3 Sedan 2018
 
Audi A3 Sedan 2018
Audi A3 Sedan 2018
 
 

Espaço de Polo

Se o porta-malas do A3 não compromete (são 425 litros) é o espaço interno que pode decepcionar quem espera um carro médio – lembrando que o Audi atua numa faixa de mercado onde estão sedãs imensos como o Ford Fusion.

O cockpit tem dimensões semelhantes às do Polo, um carro compacto. O A3 ganha praticamente no espaço longitudinal, algo esperado afinal seu entreeixos é maior. Possivelmente ele deva ser equivalente ao Virtus, o novo sedã que a Volkswagen lançará em janeiro.

Tudo no seu lugar

Dito isso, é hora de andar no A3 Sedan 2.0. E que prazer ele proporciona. A posição de dirigir é baixa e muito ergonômica. Os comandos são acessíveis e de fácil assimilação. Damos partida no botão elétrico no centro do console e o motor turbo desperta sem alarde. Trazemos a manopla do câmbio para a posição D, soltamos o freio elétrico e o A3 começa a se mover de forma branda, uma característica do conjunto mecânico que parece tranquilo até ser instado a responder.

O imenso painel digital mostra que a era dos instrumentos analógicos está mesmo no fim. O volante esportivo tem dimensões maiores do que se espera mas seu manuseio é fácil graças à atuação eletroidráulica. A suspensão independente nas quatro rodas é firme e sofre um pouco com o piso irregular, mas em asfalto liso quase que flutua.

Se o A3 Sedan 1.4 já possui uma aceleração respeitável a versão 2.0 sobra. Basta um pouco de ímpeto na condução para ver o A3 querer sair como um desembestado pelas ruas. Na estrada, então, com seu teto solar panorâmico, é um convite para ir longe.

Várias facetas

O A3 Sedan 2.0 agrada por isso: ser um carro de múltiplas facetas. Faz bem o papel de carro executivo, é divertido de dirigir, consegue levar uma família e bagagem e também pode ser econômico e prático na cidade. Só não assume a tarefa de veículo off-road, muito menos tem algo a ver com isso. E aí é que ele sofre. É como se ele fosse um tenro filé num restaurante vegetariano: por mais apetitoso que seja não há tanta gente atraída pelo que oferece.

Ficha técnica

Audi A3 Sedan 2018 Ambition 2.0 16V gasolina automático 4p
Preço R$ 160.990 (12/2017)
Categoria Sedã médio
Vendas em 2017 2.819 unidades
Motor 4 cilindros, 1984 cm³
Potência 220 cv a 4500 rpm (gasolina)
Torque 35,7 kgfm a 4400 rpm
Dimensões Comprimento 4,456 m, largura 1,796 m, altura 1,416 m, entreeixos 2,637 m
Peso em ordem de marcha 1295 kg
Tanque de combustível 50 litros
Porta-malas 425 litros
Veja ficha completa

Publisher do AUTOO, é o criador do site e tem interesse especial pelo sobe e desce do mercado, analisando os números de vendas de automóveis todos os meses

Ricardo Meier |