Hoje para qualquer montadora é fundamental contar com alguns SUVs em sua linha para alcançar um bom volume de vendas. Se for automático então melhor ainda. Segundo contas da própria JAC, em 2017, por exemplo, 83,4% de todos os SUVs até R$ 100.000 que foram vendidos no Brasil eram equipados com transmissões automáticas. Logo, a presença desse tipo de câmbio é algo que não pode mais ser ignorada.

Pensando em dobrar suas vendas no Brasil em 2018, a JAC literalmente correu para lançar por aqui o T40 com sua nova opção automática CVT e dessa forma não perder o bonde andando. Um sinal dessa pressa é que o modelo ainda sequer chega bicombustível ao mercado. 

Ao contrário do T40 manual, que utiliza um 1.5 16V flex e segue em linha normalmente, a nova opção automática CVT chega ao Brasil com um 1.6 16V sob o capô movido apenas a gasolina. Segundo apuramos, o T40 CVT deve se tornar flex com a nacionalização prevista para ocorrer entre o fim de 2019 e o início de 2020.

O novo propulsor, de qualquer forma, agrada pelo alto nível de eficiência que sinaliza entregar com a presença de recursos como o duplo comando de válvulas variável. No 1.6 16V são originados 138 cv de potência a 6.000 rpm e 17,1 kgfm de torque a 4.000 rpm, valores muito bons considerando o deslocamento e que estamos falando de um propulsor aspirado. Apenas como comparação, o 1.5 flex presente na opção manual do T40 conta com 125 cv e 15,5 kgfm de torque quando abastecido com gasolina.

Essa boa evolução nos números de potência e torque trouxe mais desenvoltura ao novo T40 automático CVT, que mostra-se um modelo com respostas mais animadoras em relação ao manual. Segundo dados de fábrica, o T40 CVT acelera de 0 a 100 km/h em 11,1 segundos e pode alcançar 190 km/h de velocidade máxima, valores aceitáveis considerando a proposta do chinês.

O câmbio CVT também agradou em nosso primeiro contato. Seu funcionamento está alinhado com as demais caixas que encontramos inclusive em automóveis produzidos no Brasil (até mesmo porque muitos utilizam os mesmos fornecedores) e mesmo operando suas 6 “marchas virtuais” é rápida na operação e permite um manuseio mais direto do carro. Ponto positivo também nota-se para o isolamento acústico do T40 CVT. Em especial em momentos onde buscamos maior desempenho e a transmissão deixa o motor trabalhar em rotações mais altas, não foi percebido um ruído muito alto na cabine.

A combinação entre o câmbio CVT e a presença de recursos como o start-stop, que desliga o motor quando o carro encontra-se parado, tornam o T40 CVT um modelo bem econômico. Durante nossa avaliação com o modelo, alcançamos médias de 11,5 km/l na cidade e 12,5 km/l na estrada, o que podemos apontar como bons números. Um Honda WR-V, por exemplo, modelo com porte e proposta semelhantes ao JAC (inclusive os dois contam com câmbio CVT) entrega médias de 11,7 e 12,4 km/l, respectivamente.

Saindo do conjunto motor e câmbio e partindo para outros componentes do T40 CVT, o modelo mostra uma grata evolução de uma maneira geral. A JAC destaca que sua joint-venture na China com a Volkswagen ajudou muito em aprimoramentos recentes no modelo. Segundo o grupo brasileiro que representa a JAC por aqui, a empresa chinesa e a alemã estão trabalhando em uma versão elétrica do T40 para ser comercializada até mesmo na Europa, por isso o SUV compacto foi amplamente revisto pelo time de engenharia alemão.

A suspensão, por exemplo, mostra um bom salto em termos de solidez no funcionamento e boa calibração para nosso piso. O comportamento dinâmico do modelo também é muito correto. Apenas a direção poderia adotar respostas um pouco mais precisas e rápidas em nossa opinião.

De uma maneira geral, não é possível ouvir muitos ruídos de acabamento ou partes mecânicas a bordo do JAC T40 CVT, o que indica bons avanços em termos construtivos e de montagem.

O mesmo pode ser dito da parte interna. Apesar da ergonomia e o posicionamento de alguns comandos pedirem por melhorias (os ajustes do computador de bordo, por exemplo, ficam em uma posição nada intuitiva, do lado esquerdo do painel), o T40 CVT repete o feito da versão manual e mostra um bom nível de montagem.

Na nova versão automática o revestimento interno de couro é um item de série e contempla até a parte central do painel. Na comparação com o T40 manual, a única novidade fica por conta de um novo cluster, segundo a JAC um pedido de consumidores brasileiros. A nova peça, contudo, mostra uma grata melhora em relação ao T40 manual, mas os grafismos do velocímetro e do conta-giros poderia contar com números maiores e mais espaçados para facilitar a visualização.

Pelos R$ 69.990 que a JAC cobra pelo T40 CVT, exatos R$ 10.000 a mais que o T40 manual de entrada, é inegável que a novidade chega com um posicionamento de mercado bem interessante.

Além de recursos como o start-stop e o revestimento interno de couro já citados, o T40 CVT ainda chega ao país com os controles de tração e estabilidade, sensor de estacionamento dianteiro e traseiro, ar-condicionado automático, luzes diurnas com LED, piloto automático, dentre outros. A central multimídia traz uma boa tela de 8” e câmera de ré, mas fica devendo a praticidade que o Apple CarPlay e o Android Auto oferecem para conectar o smartphone ao equipamento e usar aplicativos de navegação, por exemplo.

Com esse conjunto, o JAC T40 CVT mira mesmo os consumidores de Hyundai HB20X (R$ 70.860 na versão Premium), Chevrolet Onix Activ (em promoção por R$ 65.190 com câmbio automático), dentre outros hatches de proposta aventureira, que podem enxergar no modelo chinês a opção de um modelo com preço semelhante, mas que entregue um visual mais próximo ao de um SUV compacto e não apenas um hatch “anabolizado”.

Sem dúvida nenhuma que, nesse contexto, o T40 CVT torna-se uma opção interessante, somando a isso o fato dos 6 anos de garantia que a JAC oferece ao modelo. A partir de agora, com as evoluções e a chegada da transmissão automática CVT por um preço competitivo, o T40 pode sim figurar em sua lista de compras e vale a pena uma passada em uma concessionária para ao menos conhecer mais de perto o modelo. A JAC estima que, do volume de 600 unidades/mês que pretende emplacar do T40 a partir de agora em nosso mercado, cerca de 450 serão com a transmissão automática CVT. 

 
 
JAC T40 2019
 
JAC T40 2019
JAC T40 2019
JAC T40 2019
 
JAC T40 2019
JAC T40 2019
JAC T40 2019
 
JAC T40 2019
JAC T40 2019
JAC T40 2019
 
JAC T40 2019
JAC T40 2019
JAC T40 2019
 
JAC T40 2019
JAC T40 2019
JAC T40 2019
 
JAC T40 2019
JAC T40 2019
JAC T40 2019
 
JAC T40 2019
JAC T40 2019
JAC T40 2019
 
JAC T40 2019
JAC T40 2019
JAC T40 2019
 
JAC T40 2019
JAC T40 2019
JAC T40 2019
 
JAC T40 2019
JAC T40 2019
JAC T40 2019
 
JAC T40 2019
JAC T40 2019
JAC T40 2019
 
JAC T40 2019
JAC T40 2019
JAC T40 2019
 
JAC T40 2019
JAC T40 2019
JAC T40 2019
 
JAC T40 2019
JAC T40 2019
JAC T40 2019
 
JAC T40 2019
JAC T40 2019
JAC T40 2019
 
JAC T40 2019
JAC T40 2019
JAC T40 2019
 
JAC T40 2019
JAC T40 2019
JAC T40 2019
 
JAC T40 2019
JAC T40 2019
JAC T40 2019
 
JAC T40 2019
JAC T40 2019
JAC T40 2019
 
JAC T40 2019
JAC T40 2019
 
 

Ficha técnica

JAC T40 2019 CVT 1.6 16V gasolina automático 4p
Categoria Aventureiro compacto
Vendas em 2017 1.063 unidades
Motor 4 cilindros, 1590 cm³
Potência 138 cv a 6000 rpm (gasolina)
Torque 17,1 kgfm a 4000 rpm
Dimensões Comprimento 4,135 m, largura 1,75 m, altura 1,568 m, entreeixos 2,49 m
Peso em ordem de marcha 1220 kg
Tanque de combustível 42 litros
Porta-malas 450 litros
Veja ficha completa

O "Guru dos Carros", César Tizo se juntou ao time este ano e está à frente dos portais AUTOO e MOTOO. É o expert em aconselhar a compra de automóveis

César Tizo |