Sai ano, entra ano e no mercado de picapes médias uma coisa é certa: a Nissan Frontier sempre é a lanterna da categoria. Isso acontece de forma ininterrupta desde 2013 e mesmo antes disso, com exceção de 2011 e 2012, quando o veículo japonês ficou à frente apenas da Amarok e da Ranger.

Ou seja, a Frontier não é a primeira opção dos consumidores desse tipo de veículo no Brasil. Mas isso não quer dizer que a Nissan faça um veículo ruim e que não tenha tentado mudar esse cenário na última década. Quem não se lembra dos comerciais do “pônei maldito”, que cutucavam a concorrência de uma forma tão velada que logo o Conar proibiu algumas peças de serem veiculadas?

Antes disso, a Nissan já havia decidido apostar no mercado brasileiro ao investir na produção nacional da picape. Mas talvez esteja aí um dos problemas: as gerações fabri cadas aqui sempre estiveram um tanto defasadas em relação a alguns concorrentes. De quebra, trata-se de um público muito fiel que prefere às vezes ficar numa marca (leia-se Toyota) mesmo que ele não tenha em mãos o melhor produto.

Mas a persistência da montadora japonesa não tem fim e desde 2017 a picape passou a ser um produto global e base para um projeto conjunto com a Renault e a Mercedes-Benz que deu origem a modelos derivados da Frontier.

Isso no entanto significou o fim da Frontier nacional. Para não deixar o segmento enquanto preparava sua produção na Argentina, a Nissan passou a trazer a picape do México apenas na versão mais equipada. Mas desde o final do ano passado, a Frontier argentina finalmente chegou às concessionárias brasileiras. E com ela mais versões finalmente estão disponíveis, incluindo a Attack, modelo intermediário que Autoo avaliou num longo percurso de quase 1.500 km.

Visual mais chamativo

O nome Attack já batizou versões mais antigas da Frontier, mas sem um grande impacto nas vendas e no público. A atual Attack, no entanto, surpreende. As intervenções estéticas conseguiram tirar o ar genérico do projeto da Nissan a ponto de o veículo ter chamado a atenção por onde passamos.

São aspectos pontuais e até simples como apliques pretos no capô, máscara negra no faróis e a inscrição “Attack” espalhada pela picape, quebrando um pouco a monotonia dos seus traços.

A Frontier Attack, entretanto, é mais interessante pelo conjunto equilibrado que oferece por um preço mais atraente que outras concorrentes. Em janeiro de 2019, o preço pedido era de R$ 153.590, ou quase R$ 20 mil a menos que a versão XE.

Em compensação, a Attack perde alguns itens de conforto com ar-condicionado digital, bancos de couro, ajuste elétrico do assento do motorista, câmera 360 graus para facilitar o estacionamento, o controle de cruzeiro, partida por botão e a central multimídia sem mapas,

Isso tudo faz falta? Para ser honesto, nem tanto. Talvez a opção de ter os mapas seja algo pequeno e que ajuda em viagens em que o Waze já acabou com seu pacote de dados, mas de resto são itens mais ligados a status do que à praticidade.

Em outras palavras, a Frontier Attack tem equipamentos que suprem essas necessidades como a câmera comum de ré ou o ar-condicionado de ajuste manual. É como se agora enfim a Frontier tivesse uma versão de preço mais acessível e com características mais ligadas ao campo, principal habitat desse tipo de veículo.

O que poderia melhor, sem dúvida, é a impressão de qualidade do acabamento onde imperam peças plásticas de aspecto simplório, mas isso é uma característica de muitos outros Nissans.

Como anda a Frontier Attack

A boa notícia é que a Nissan não mexeu na parte mecânica da Frontier Attack. Estão lá, portanto, o motor 2.3 biturbo a diesel com 190 cv de potência, a transmissão automática de 7 velocidades, a tração 4x4 de acionamento elétrico e a suspensão traseira independente multilink. O conjunto é, além de tudo, econômico: durante nossa avaliação que passou por estados como São Paulo, Paraná e Santa Catarina e diversos tipos de estradas e ruas, a Frontier facilmente rodou 12 km com um litro de diesel.

A picape deve apenas pela direção hidráulica um tanto lenta e pesada, mas compensa por ter um pouco mais de capacidade de carga que suas irmãs – 1.040 kg contra 1.000 kg da topo de linha LE.

Esse pacote se traduz numa picape de dirigibilidade acima da média para a categoria, com pouca inclinação da carroceria e um esforço menor de condução. Numa escala em que a líder Hilux é a mais “rústica” do segmento e a Amarok, a mais próxima de um carro de passeio, a Frontier está mais perto da rival da Volkswagen.

Essa tendência pode ser considerada positiva em um momento em que picapes com chassi monobloco como a Fiat Toro incomodam o reinado das velhas “caminhonetes”. Nesse sentido, a Frontier Attack pode ser considerada uma das melhores opções para quem busca uma picape robusta, capaz, com bom espaço interno e um certo nível de sofisticação – e aqui também com a vantagem de um visual mais atraente.

Agora, se a Frontier feita na Argentina vai quebrar o tabu de cinco anos na lanterna isso só o tempo dirá.

 
 
Nissan Frontier 2017
 
Nissan Frontier 2017
Nissan Frontier 2017
Nissan Frontier 2017
 
Nissan Frontier 2017
Nissan Frontier 2017
Nissan Frontier 2017
 
Nissan Frontier 2017
Nissan Frontier 2017
Nissan Frontier 2017
 
Nissan Frontier 2017
Nissan Frontier 2017
Nissan Frontier 2017
 
Nissan Frontier 2017
Nissan Frontier 2017
Nissan Frontier 2019
 
Nissan Frontier 2019
Nissan Frontier 2019
Nissan Frontier 2019
 
Nissan Frontier 2019
Nissan Frontier 2019
Nissan Frontier 2019
 
Nissan Frontier 2019
Nissan Frontier 2019
Nissan Frontier 2019
 
Nissan Frontier 2019
Nissan Frontier 2019
Nissan Frontier 2019
 
Nissan Frontier 2019
Nissan Frontier 2019
Nissan Frontier 2019
 
Nissan Frontier 2019
Nissan Frontier 2019
Nissan Frontier 2019
 
Nissan Frontier 2019
Nissan Frontier 2019
Nissan Frontier 2019
 
Nissan Frontier 2019
Nissan Frontier 2019
 
 

Ficha técnica

Nissan Frontier 2019 Attack 2.3 16V diesel automático 4x4 4p
Preço R$ 153.590 (12/2018)
Categoria Picape média
Vendas em 2017 4.057 unidades
Motor 4 cilindros, 2298 cm³
Potência 190 cv a 3750 rpm (diesel)
Torque 45,9 kgfm a 2500 rpm
Dimensões Comprimento 5,25 m, largura 1,85 m, altura 1,855 m, entreeixos 3,15 m
Peso em ordem de marcha 1985 kg
Tanque de combustível 80 litros
Porta-malas litros
Veja ficha completa

Publisher do AUTOO, é o criador do site e tem interesse especial pelo sobe e desce do mercado, analisando os números de vendas de automóveis todos os meses

Ricardo Meier | http://www.jcceditorial.com.br/