Só olhares muito atentos conseguirão notar logo de cara o que muda na linha Volkswagen Golf 2018, incluindo suas carrocerias hatchback e a station wagon Variant, tema de nossa avaliação neste teste.

Por se tratar apenas de uma atualização de meio ciclo, a marca alemã não mexeu muito em seu modelo de médio porte. Por fora, os para-choques foram redesenhados, assim como os faróis, que ganham luzes de uso diurno de LED para todas as versões. O hatch, nas versões Highline e GTI, passa a contar com faróis full-LED substituindo os de xenônio.

Dentro da gama, as rodas contam com novo desenho e as lanternas traseiras passam a ser de LED para o Golf e o Golf Variant. Um traço bem discreto, que também é uma novidade para a linha 2018, é a ligação da grade do radiador com os faróis, que ganhou uma nova faixa cromada (no GTI essa faixa é dupla, cromada e vermelha). Outro detalhe estético: o sensor do piloto automático adaptativo (ACC) foi realocado e está agora atrás do logotipo Volkswagen, saindo da parte inferior do para-choque.

Para as versões Highline e GTI do Golf é oferecida a função de animação para os indicadores de direção (os piscas “fluem” no sentido indicado). Nessas versões, o Golf também pode ser reconhecido, na traseira, pela mudança de posição dos LEDs quando se aciona os freios do carro. Semelhante ao que ocorre no Volkswagen Passat, os LEDs passam da horizontal para a vertical quando os freios são acionados. No Golf Variant, tema da nossa avaliação, o para-choque traseiro também é novo.

Por dentro, como não poderia ser diferente, o reforço na linha 2018 envolveu melhorias para a central multimídia. O aparelho que é oferecido de série nas versões Comfortline e Highline (Composition Media) foi modificado e agora tem tela colorida sensível ao toque de 8” com desenho “envidraçado”, mais limpo (há apenas dois botões físicos) e com aparência de um tablet.

A central em questão é equipado com sistemas de espelhamento de smartphones por meio das plataformas Android Auto, Apple CarPlay e Mirrorlink, além de entradas para cartão SD, auxiliar, USB e conexão Bluetooth. A central multimídia Discover Media, por sua vez, é mais avançada e integra navegador. Ela é um item de série para o Golf GTI e oferecido como opcional para as versões Highline, como é o caso da Golf Variant que avaliamos.

Um detalhe importante é que o Golf GTI 2018 produzido no Brasil também recebeu o painel de instrumentos digital programável, que conta com tela colorida de 12,3”. Nela, as informações de navegação podem ser implementadas em 2D ou 3D. A resolução é de 1.440 x 540 pixels. Na outra ponta, uma grande novidade para o Golf 2018 brasileiro foi a introdução do motor 1.0 TSI para a versão de entrada Comfortline, mas esse é um tema para outra avaliação.

Importada do México, a station wagon Golf Variant é uma das raras representantes de uma categoria que em outros tempos foi símbolo de carro familiar. Hoje, o grande apelo da perua é servir de alternativa para quem tem cerca de R$ 100.000 para comprar seu próximo carro, precisa de espaço para pessoas e bagagens, mas não quer um utilitário esportivo. O Golf Variant também agrada em cheio quem procura um modelo bem mais dinâmico e com foco no comportamento ao volante. Em alguns momentos a calibração da suspensão, em especial com as rodas aro 17” (opcionais), pode até transparecer uma certa rigidez exagerada.

Com uma carroceria mais baixa do que estamos acostumados, em grande parte para melhorar a aerodinâmica, a Golf Variant exige cuidado em algumas valetas e saídas de garagem, já que é fácil raspar a parte inferior do para-choque. O que definitivamente você não precisa se preocupar, ao contrário de um SUV médio, é com a rolagem da carroceria. Basta apenas desfrutar as reações bem diretas e rápidas do modelo.

O motor 1.4 TSI, com turbo e injeção direta, continua sendo um dos pontos fortes do modelo. Além de aceitar etanol ou gasolina, sobra vigor na Golf Variant sobretudo por seus 25,5 kgfm de torque. Oferecida no Brasil somente com a transmissão automática de 6 marchas, segundo a Volks o Golf Variant acelera de 0 a 100 km/h em 9,1 segundos e segue até a velocidade máxima de 207 km/h quando abastecido com etanol, números muito bons e mais do que adequados para o uso diário. Com gasolina, a station é capaz de entregar médias de 11,1 km/l na cidade e 13 km/l na estrada, valores bem aceitáveis considerando o desempenho que ela entrega.

Além do refinamento na hora de dirigir, um ponto que deve agradar muita gente é o alto nível de tecnologia embarcada que o Golf Variant pode oferecer, algo relevante nessa faixa de preço. 

A station parte de R$ 102.990 na versão Comfortline ou R$ 113.490 na opção Highline avaliada aqui. De série ela conta com 7 airbags, os sensores de estacionamento dianteiro e traseiro, bloqueio eletrônico do diferencial, controles eletrônicos de estabilidade e tração, dentre outros. Na linha 2018, a versão Comfortline recebeu o reforço do volante multifuncional revestido de couro com aletas para trocas de marcha, retrovisor interno eletrocrômico, piloto automático, câmera de ré, rodas de liga leve aro 16” com novo desenho, sensor de chuva e o acendimento automático dos faróis figurando entre os itens de série.

A opção Highline, por sua vez, acrescenta chave presencial, ar-condicionado automático digital com duas zonas, sistema start-stop (desliga e liga o motor em paradas de semáforo) e bancos revestidos de couro (no Golf Variant Highline os bancos dianteiros trazem função de aquecimento). Tudo bem que custa R$ 9.990, preço bem elevado, mas é possível colocar na Golf Variant Highline o “Pacote Premium”, que traz para a station a conveniência do assistente de estacionamento, piloto automático adaptivo, sistema de frenagem autônoma de emergência, dentro outros assistentes de condução avançados que também colaboram muito para a segurança.

Na parte interna, o Golf Variant beneficia seus ocupantes com um bom nível de espaço interno sobretudo pela largura generosa de sua carroceria. O espaço longitudinal para as pernas dos passageiros no banco traseiro é bom, porém o túnel central muito elevado complica um pouco acomodar com conforto um 5º passageiro na station. Pensando na aplicação familiar da Golf Variant, certamente isso poderia ser revisto em uma próxima geração.

Não há do que reclamar do porta-malas na station wagon, algo bem relevante nesse tipo de modelo. É possível acomodar até 505 litros de bagagem no compartimento ou 605 litros de você considerar o volume até a altura dos encostos de cabeça do banco traseiro, capacidade suficiente para atender uma família sem muitas complicações. Com o banco traseiro rebatido, cria-se uma área para 1.620 litros de bagagem na cabine da station. Logo, temos aqui um modelo versátil como toda boa perua deve ser.

Uma guerreira solitária que vende em média 50 unidades/mês, a Golf Variant é um modelo que vale a pena você conhecer se deseja comprar um carro nessa faixa de preço. Com um projeto ainda moderno e avançado, a station wagon oferece ainda um conjunto mecânico bem eficiente e um pacote de tecnologia dos mais sofisticados que você pode encontrar hoje em dia. É um carro de nicho, mas que entrega muitas qualidades a seu dono.

 
 
Volkswagen Golf Variant 2018
 
Volkswagen Golf Variant 2018
Volkswagen Golf Variant 2018
Volkswagen Golf Variant 2018
 
Volkswagen Golf Variant 2018
Volkswagen Golf Variant 2018
Volkswagen Golf Variant 2018
 
Volkswagen Golf Variant 2018
Volkswagen Golf Variant 2018
Volkswagen Golf Variant 2018
 
Volkswagen Golf Variant 2018
Volkswagen Golf Variant 2018
 
 

Ficha técnica

Volkswagen Golf Variant 2018 Highline 1.4 16V flex automático 4p
Preço R$ 113.490 (08/2018)
Categoria Familiar médio
Vendas em 2017 630 unidades
Motor 4 cilindros, 1395 cm³
Potência 150 cv a 4500 rpm (gasolina)
Torque 25,5 kgfm a 1500 rpm
Dimensões Comprimento 4,562 m, largura 1,799 m, altura 1,468 m, entreeixos 2,635 m
Peso em ordem de marcha 1327 kg
Tanque de combustível 50 litros
Porta-malas 605 litros
Veja ficha completa

O "Guru dos Carros", César Tizo se juntou ao time este ano e está à frente dos portais AUTOO e MOTOO. É o expert em aconselhar a compra de automóveis

César Tizo |