A Toyota não aceitou receber a culpa pelos acidentes ocorridos em Minas Gerais, após o tapete de nove unidades do Corolla deslizar e prender o acelerador contra o assoalho. A montadora japonesa diz respeitar a decisão do Ministério Público mineiro de proibi-la de vender o sedã no Estado, mas promete recorrer do veredicto.

Em comunicado oficial, a Toyota esclarece que:
1) “A campanha de recall do pedal do acelerador anunciada pelas afiliadas da Toyota Motor Corporation não afeta os modelos vendidos no mercado brasileiro. Os componentes dos modelos usados nas regiões atingidas pelo recall são diferentes dos componentes usados nos veículos Toyota vendidos no Brasil.”

2) “A decisão do Ministério Público de Minas Gerais é baseada em alguns casos de aceleração involuntária reportados por clientes. Após análise desses casos, a Toyota identificou que o retorno do pedal do acelerador foi afetado pelo mau posicionamento ou instalação incorreta do tapete do motorista, assim como pelo uso de tapetes não genuínos, incompatíveis com o projeto do veículo.”

No comunicado, a filial brasileira da Toyota também afirma que reconhece e lamenta os acidentes ocorridos com o Corolla 2009 (nenhum caso foi registrado com os antigos modelos), mas assegura que “os veículos não apresentam qualquer defeito que possa vir a causar aceleração involuntária” e que “os tapetes genuínos Toyota foram projetados para assegurar perfeita montagem no veículo e desde que instalados corretamente não apresentam possibilidade de interferir no movimento do pedal”.

Conheça os carros mais vendidos do Brasil nos últimos 10 anos

Rodrigo Mora

|