Uma volta, com emoção, no Linea Racing

AUTOO acelerou fundo no autódromo de Interlagos o carro de corrida da Fiat com motor de 230 cv

Segundo a Fiat, o carro atinge até 230 km/h | Imagem: Fiat

“Já guiou um carro de corrida?”, me perguntou Daniel Simonetti, assessor de imprensa da Fiat, enquanto eu afivelava o cinto de segurança no cockpit do Linea Racing. Respondi – “Já guiei um Porsche, serve?”. Balançando a cabeça e já com medo do que eu poderia aprontar, o representante da marca retrucou – “Te prepara, rapaz. Não é fácil dirigir esse bicho!”.

Ao mesmo tempo que um carro de corrida tem de ser simples, para facilitar a manutenção e reduzir peso, ele é complexo na hora de dirigir, ao menos nos primeiros momentos. É difícil até para entrar na cabine, que é toda encarcerada por tubos de aço que formam a “gaiola” de proteção para o piloto, capaz de resistir a pancadas realmente violentas.

O banco é do tipo concha, envolvendo o corpo do motorista da altura das pernas até a cabeça, e o cinto de segurança possui cincos pontos de ancoragem: um de cada lado da cintura, dois correndo pelos ombros e mais um entre as pernas. A sensação de ir totalmente preso ao banco não é nada confortável, pois limita os movimentos do tórax e peitoral. Mas, por outro lado, ir “amarrado” ao assento aumentou minha sensação de segurança a bordo do carro. A armadura tubular também me ajudou a me sentir mais “indestrutível”.

“Esse tipo de sensação não é algo muito bom em um carro desses”, alertou Simonetti, que destemidamente foi escolhido para me acompanhar no test-drive no circuito de Interlagos. Após rezar para uma dezena de santos, o assessor deu a partida no Linea de corrida e me explicou mais uma série de detalhes de como guiá-lo. Lembro de algo sobre “tomar cuidado” e “vai com calma, você não é piloto”...

Pé na tábua!

Simonetti apostou R$ 1 que eu não conseguiria sair com o carro dos boxes de primeira, igual havia ocorrido com os demais jornalistas presentes no evento. Perdeu uma moeda... O Linea de corrida é muito bruto e exige um motorista com braços firmes. Não que eu seja piloto, mas entendi rápido como deveria conduzir o tal do “bicho” que me levaria a mais de 200 km/h.

A embreagem parece pesar uns 100 kg, o mesmo vale para o pedal do freio, que ou freia muito ou não freia nada. “Você precisa ‘montar’ em cima do pedal, tem que por força no movimento”, explicou o assessor. Já o controle do câmbio é disparado a parte mais divertida desse carro. Ele é do tipo sequencial de competição, com uma enorme alavanca ao lado do volante, que ao ser puxada sobe uma marcha e com um empurrão reduz. Ao todo são 6 velocidade para “brincar”.

O mais interessante é avançar as marchas sem precisar aliviar o pedal do acelerador ou pressionar a embreagem. Já nas reduções o mais indicado, para preservar o carro, é embrear. Quando ocorrem as mudanças é possível sentir um estalo na transmissão, que tem de suportar com tranquilidade os 230 cavalos de potência gerados pelo motor 1.4 T-Jet. Esse mesmo propulsor, mas com 152 cv, era usado na versão T-Jet do Linea, que acabou descontinuada.

A suspensão também foi toda otimizada para competições e em nada lembra as usadas em carros de rua. Nesse Linea o amortecimento é quase nulo, pois essa firmeza torna o carro mais estável na curvas. Um fato curioso é a barra estabilizadora no eixo, frontal o que ajuda a deixar o carro ainda mais rígido – veículos normais possuem barra estabilizadora somente na traseira.

Segundo os números da Fiat, o Linea Racing, com o motor em giro máximo (o ruído, aliás, é altíssimo) vai do 0 aos 100 km/h em 5,5 segundos e atinge até 230 km/h. E eu, como pude comprovar, não duvido.

Parte dessa boa performance é crédito da carroceria extremamente leve: pesa apenas 1.035 kg (vazio) – o modelo convencional pesa 1.300 kg. Ajudam também o pneus slicks, de superfície lisa, e o kit aerodinâmico, que aumenta o downforce sobre a carroceria, o que ajuda e muito no contorno de curvas em alta velocidade.

Brincadeira de adulto

O Linea de corrida que o AUTOO testou é o mesmo carro que compete na Copa Fiat, uma das maiores competições monomarcas do automobilismo brasileiro. Para participar do certame é preciso ter habilitação especial para corridas e, claro, o carro, que o departamento de competições da Fiat vende por cerca de R$ 100.000 cada, já com apoio mecânico.

A brincadeira, entretanto, exige nervos de aço e muita perícia na pilotagem, pois nesse carro a relação homem-máquina é totalmente diferente do que estamos acostumados nas ruas, onde tudo é cor-de-rosa comparado ao cenário de uma corrida com mais de 20 competidores. “Não é qualquer um que consegue andar rápido com esse carro”, contou Simonetti. Eu consegui! 

Recomendados por AUTOO

Youtube
Toyota Corolla Cross 2025 muda para encarar chineses

Toyota Corolla Cross 2025 muda para encarar chineses

Modelo ganhou novo visual e alguns equipamentos interessantes. Assista
Aviação
Maior avião brasileiro está combatendo incêndios no Pantanal

Maior avião brasileiro está combatendo incêndios no Pantanal

Embraer KC-390 da FAB pode ser convertido para avião bombeiro. Veja como funciona
MOTOO
Bajaj inaugura fábrica no Brasil

Bajaj inaugura fábrica no Brasil

Uma das maiores montadoras do mundo, a gigante indiana construiu fábrica própria em Manaus para produção de motocicletas