Já era uma notícia há muito tempo antecipada, mas finalmente neste mês a Renault traz ao mercado a linha Sandero, Logan e Stepway com uma série de aprimoramentos mecânicos e de estilo.

Para nosso primeiro contato com a linha 2020 do Sandero resolvemos optar pela versão Intense, a mais cara da gama a oferecer uma novidade muito relevante para o hatch: a introdução da caixa automática CVT.

Chamada de X-Tronic, a caixa automática trabalha apenas com o motor 1.6 SCe, que segue com 118 cv e 16 kgfm de torque quando abastecido com etanol. De acordo com a Renault, as novas versões automáticas CVT do Sandero (Zen e Intense) deverão responder, somadas, por cerca de 25% das vendas do hatch. Fato é que esse tipo de transmissão é cada vez mais procurada pelos brasileiros em qualquer segmento e também será fundamental para que o Sandero alcance uma penetração maior entre o público PcD (Pessoas com Deficiência) que realiza a compra com isenção.

Com preço sugerido de R$ 65.490, o Sandero Intense CVT não deixa de trazer um pacote bem convincente. A partir de agora todas as versões do Sandero contam com 4 airbags de série e as opções automáticas recebem os controles de tração e estabilidade com o assistente de partida em rampa. A versão Intense ainda completa sua lista de itens de série com o trio elétrico, regulador e limitador de velocidade, ar-condicionado automático, sensor de estacionamento e a competente central multimídia chamada pela marca de Media Evolution, que agora conta com suporte aos sistemas CarPlay e Android Auto de espelhamento para smartphones e também agrega a câmera de ré na versão Intense.

O Sandero 2020 segue com a sua cabine espaçosa para o segmento e o bom porta-malas com capacidade para 320 litros de bagagens, o que faz dele um hatch capaz de atender uma família pequena. Soma-se a isso os aprimoramentos estéticos como o novo volante, novos faróis e lanternas com detalhes em LED, grade frontal redesenhada, entre outras melhorias. Lançado no Brasil em 2007, é inegável que o Sandero evoluiu bem ao longo dos anos, tornando-se um carro com um acabamento mais esmerado.

Ao volante, a combinação entre a caixa CVT e o motor 1.6 16V caiu bem ao Sandero e é condizente com a proposta do hatch. Segundo a Renault explica, o câmbio conta com um sistema chamado “Lock-up com Active Slip Control, no qual a polia é liberada de forma gradual para que o torque seja transmitido de forma linear. Essa característica garante acelerações com respostas mais vigorosas e sem alternâncias, pois segura a polia e a solta de forma gradual para que o torque seja transmitido de forma linear e rápida”, detalha a fabricante.

Apesar de nem todos gostarem da forma de atuação de um câmbio CVT, é fato que essa é a melhor transmissão automática já oferecida para o Sandero. Ele já contou com uma caixa automática de 4 marchas em sua primeira geração e, mais recentemente, trouxe como opção o câmbio automatizado EasyR, mas esse tipo de transmissão caiu em desuso no Brasil e a Renault a tirou de cena.

 

Segundo dados oficiais, o Sandero 1.6 automático CVT é capaz de acelerar de 0 a 100 km/h em cerca de 11 segundos, número aceitável considerando que o Sandero nessa configuração não tem qualquer ambição esportiva. Apesar da marca ainda não divulgar os números de consumo, uma vez que está aguardando o Inmetro revelar a tabela mais recente do Programa Brasileiro de Etiquetagem Veicular, certamente podemos esperar médias que vão se encaixar no mínimo dentro do que os rivais oferecem.

Em termos de eficiência, o câmbio CVT é um grande aliado na busca pelo menor consumo e, por essa razão, combina muito bem com um modelo focado no baixo preço de aquisição e também com um custo de propriedade camarada. Uma curiosidade é que o start-stop, recurso que desliga o motor quando o carro encontra-se parado, permanece oferecido apenas no Sandero e no Logan 1.6 com câmbio manual. A tecnologia ajuda a economizar combustível em especial no ciclo urbano, mas, segundo a Renault, exigiria muitas adaptações para figurar também nas versões automáticas do hatch e do sedan.

Demonstrando ter um bom projeto, o câmbio X-Tronic ainda é capaz de simular 6 marchas, o que permite ao motorista realizar a troca sequencial direto na alavanca caso busque um comportamento mais esportivo ou apenas um controle melhor das respostas do carro.

Como você confere nas imagens e no vídeo que ilustram esta reportagem, todas as versões automáticas do Sandero 2020 saem de fábrica com o que a Renault batizou de Design Cross Light, ou seja, a altura da suspensão é elevada em 40 mm em relação às versões manuais. Isso ocorreu, segundo nos explicou Ricardo Gondo, presidente da Renault do Brasil, para acomodar com mais tranquilidade a caixa CVT tanto no Logan quanto no Sandero. Com isso, o hatch ganhou naturalmente um visual mais aventureiro e a Renault aproveitou bem esse ponto colocando alguns apliques plásticos nas caixas de rodas e na parte inferior da lateral da carroceria.

Dinamicamente, a maior altura em relação ao solo do Sandero CVT influencia pouco o comportamento do hatch ao volante, sendo que apenas em curvas mais fechadas é possível notar uma inclinação maior da carroceria, mas nada que comprometa as respostas do modelo. Apenas uma crítica mais severa vai para a assistência eletro-hidráulica da direção, que poderia ser mais efetiva e aliviar um pouco o “peso” do volante do Sandero. Em modelos como o Toyota Etios, por exemplo, temos uma direção menos cansativa no uso urbano graças ao sistema de direção elétrica.

De qualquer forma, o reforço milimétrico na altura da suspensão ajuda bastante a encarar buracos, valetas e lombadas na cidade, além de acessar de uma forma mais tranquila garagens com acessos mal projetados em que o para-choque dianteiro ou a parte inferior de carros mais baixos raspam com frequência.

Como os hatches aventureiros são modelos que caíram no gosto dos brasileiros, a decisão da Renault por deixar o Sandero CVT mais alto que a média dos hatches convencionais pode repercutir bem junto ao público.

Com mais de uma década de mercado, o Sandero em sua linha 2020 mostra como ele tornou-se um projeto maduro ao longo dos anos. Essa vasta experiência acumulada pelo hatch permitiu que a Renault soubesse identificar muito bem o que o consumidor do Sandero espera encontrar no hatch e passa a entregar esse conjunto de uma forma muito competente a partir da linha 2020.

A chegada da transmissão automática CVT e a inclusão dos controles de tração e estabilidade fizeram muito bem ao Sandero e farão dele um modelo bem mais competitivo no segmento de hatches compactos de entrada.

É uma tendência do público optar hoje em dia por modelos com projetos um pouco mais sofisticados, como o que o Volkswagen Polo entrega, sendo que não por acaso a Renault deixa claro que o forte das vendas do Sandero seguirá com as versões 1.0.

Entretanto, para quem tem um perfil mais racional e baseia sua decisão de compra olhando apenas para a lista de preços, o Sandero 2020 é uma excelente pedida para o público que deseja um hatch automático mais acessível. Além disso, clientes PcD também encontrarão nas versões Zen 1.6 CVT (R$ 61.990) e na Intense avaliada aqui duas excelentes opções para quem deseja um modelo mais completo. Vamos ver como o Sandero passará a se comportar no mercado a partir deste semestre e se as novidades vão surtir um bom efeito nos emplacamentos do hatch.  

 
 
Renault Sandero 2020
 
Renault Sandero 2020
Renault Sandero 2020
Renault Sandero 2020
 
Renault Sandero 2020
Renault Sandero 2020
Renault Sandero 2020
 
Renault Sandero 2020
Renault Sandero 2020
Renault Sandero 2020
 
Renault Sandero 2020
Renault Sandero 2020
Renault Sandero 2020
 
Renault Sandero 2020
Renault Sandero 2020
Renault Sandero 2020
 
Renault Sandero 2020
Renault Sandero 2020
Renault Sandero 2020
 
Renault Sandero 2020
Renault Sandero 2020
Renault Sandero 2020
 
Renault Sandero 2020
Renault Sandero 2020
Renault Sandero 2020
 
Renault Sandero 2020
Renault Sandero 2020
Renault Sandero 2020
 
Renault Sandero 2020
Renault Sandero 2020
Renault Sandero 2020
 
Renault Sandero 2020
Renault Sandero 2020
 
 

Ficha técnica

Renault Sandero 2020 Intense CVT 1.6 16V flex automático 4p
Preço R$ 65.490 (10/2019)
Categoria Hatch compacto
Vendas em 2017 67.352 unidades
Motor 4 cilindros, 1597 cm³
Potência 115 cv a 5500 rpm (gasolina)
Torque 16 kgfm a 4000 rpm
Dimensões Comprimento 4,021 m, largura 1,746 m, altura 1,528 m, entreeixos 2,591 m
Peso em ordem de marcha 1140 kg
Tanque de combustível 50 litros
Porta-malas 320 litros
Veja ficha completa

O "Guru dos Carros", César Tizo se juntou ao time este ano e está à frente dos portais AUTOO e MOTOO. É o expert em aconselhar a compra de automóveis

César Tizo | http://www.jcceditorial.com.br/